sábado, 31 de julho de 2010

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Cinema em Évora de 29 de Julho a 4 de Agosto de 2010 - 18h00 e 21h30


De 29 de Julho a 4 de Agosto - 18h00 e 21h30
De: Shane Acker
Produtor: Tim Burton
Com: Christopher Plummer, Martin Landau, John C. Reilly, Elijah Wood
Género: Animação, Aventura, Fantasia
Classificação: M/12 Q
EUA, 2009, Cores, 79 min.

Num futuro não muito longínquo, o planeta Terra foi destruído por uma guerra colossal entre homens e máquinas que acabou por conduzir ao quase total extermínio do género humano. Nesse cenário de devastação, um cientista concebeu nove pequenos bonecos de serapilheira que acabaram por ganhar vida própria. Agora, esses pequeníssimos seres, incapazes de se oporem às poderosas máquinas, tentam sobreviver ao dia-a-dia. Mas o número 9, o último a chegar ao grupo, compreende que as suas existências não se poderão reduzir apenas à sobrevivência e decide resistir!

* Dia 3 de Agosto apenas às 18h00

Agenda Cultural - Agosto

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Évora: PJ detém presumível incendiário

A Polícia Judiciária (PJ) deteve, na quarta-feira, um homem de 46 anos, viúvo, operador de máquinas de terraplanagem, por suspeitas de ter ateado um incêndio, no dia 21 de Julho, que destruiu 38 hectares de floresta na zona de Évora. O homem é ainda suspeito de ser o autor de outros incêndios em Évora e Montemor-o-Novo. O incêndio, que ocorreu durante a tarde de 21 de Julho, provocou danos superiores a 50 mil euros e colocou em perigo a restante mancha florestal. O fogo foi combatido por 65 bombeiros de sete corporações, apoiados por 18 viaturas e um meio aéreo. O crime, praticado com recurso a um isqueiro, terá sido motivado por razões fúteis. O detido foi presente a primeiro interrogatório judicial para que lhe sejam aplicadas medidas de coacção.

CM

Évora Perdida no Tempo - Monte do Azinhal - Graça do Divor


Autor José António Barbosa
Data Fotografia 1890 - 1899
Legenda Monte do Azinhal - Graça do Divor
Cota GPE0251 - Propriedade Grupo Pró-Évora

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Desporto e lazer todas as quintas-feiras nas Piscinas Municipais

A Câmara Municipal de Évora promove o projecto “À Noite nas Piscinas”, pelo segundo ano consecutivo e convida toda a população a assistir às quintas-feiras, entre 5 de Agosto e 9 de Setembro, a partir das 21 horas, nas Piscinas Municipais de Évora.

Esta iniciativa de animação nocturna é aberta a toda a população (residentes e visitantes), de entrada livre e conta, todas as quintas-feiras, com iniciativas de desporto – torneios de futebol de praia, de andebol de praia, futevólei, pólo aquático, patinagem nocturna, malabarismo, marionetas e concertos que proporcionarão momentos musicais diferentes, desde a musica popular ao jazz.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Faltam 3 Dias para o Festival Alentejo 2010

Como Chegar ao Festival Alentejo 2010

Se tiver GPS poderá inserir as seguintes coordenadas directamente para o recinto:

Latitude:38.5533 | Longitude:-7.916379

Perguntas e respostas sobre o Festival Alentejo 2010

Onde posso comprar o bilhete para o Festival?

O bilhete para o Festival Alentejo 2010 está disponivel na Fnac, Ticketline, Worten, El Corte Inglês, Posto de Turismo de Évora e nas papelarias da cidade de Évora.

A que horas abre o recinto?

O recinto irá abrir as portas às 19h de cada dia.

Qual é o preço dos bilhetes?

O preço do bilhete diário é de 10€, sendo que o pass para os 3 dias é de 25€.

Para que público se destina o festival?

O festival Alentejo pretende criar um grande ambiente com pessoas de todas as idades, sugerindo que apareça e que traga toda a família.

Festival Alentejo 2010 - Onde Ficar?

Opte por um dos três tipos de alojamento que sugerimos, em Évora.


Parque de Campismo Orbitur
Hóteis
Residenciais e Pensões

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Até 31 de Agosto Câmara de Évora aceita candidaturas às bolsas de estudo para o Ensino Secundário


A autarquia irá conceder 26 bolsas de estudo a jovens de 10º, 11º e 12º ano, em situação de carência económica e com bom aproveitamento escolar.

A Câmara Municipal de Évora, considerando dever dar o seu contributo na tentativa de minimizar o grave problema do abandono escolar, aliado muitas vezes a situações de carências sócio económicas, decidiu pela manutenção do importante apoio municipal de atribuição de Bolsas de Estudo aos alunos do ensino secundário que pretendam frequentar ou frequentem um estabelecimento de ensino do concelho.
De acordo com tal decisão, no ano lectivo 2010/2011, a autarquia irá conceder 26 bolsas de estudo a jovens de 10º, 11º e 12º ano, em situação de carência económica e com bom aproveitamento escolar, critérios fundamentais para a atribuição das bolsas.

As candidaturas às Bolsas de Estudo deverão ser entregue até dia 31 de Agosto de 2010, na Divisão de Acção Social, Associativismo e Juventude da Câmara Municipal de Évora (Pátio do Salema).

domingo, 25 de julho de 2010

Precisa-se comercial para empresa do Distrito de Évora

TÉCNICO-COMERCIAL

Procura-se para empresa da região de Évora, quadro com as seguintes qualificações:

• Forte capacidade de negociação;
• Forte capacidade de criar empatias;
• Facilidade de inter-relacionamento e para trabalhar em equipa;
• Motivação e aptidão comercial;
• Atitude inovadora e grande capacidade de entender, assimilar e desenvolver a política comercial da empresa;
• Capacidade de planeamento e gestão eficaz do tempo;
• Conhecimentos de vitivinicultura e/ou química;
• Frequência universitária, licenciatura ou bacharelato;
• Bons conhecimentos de Espanhol e Francês ou bases sólidas e determinação de as aperfeiçoar;
• Disponibilidade para viajar em Portugal e no estrangeiro.

Oferece-se:

• Empresa recente, com um projecto aliciante e uma equipa muito dinâmica;
• Remuneração e complementos a negociar em função das qualificações e experiência. Após um período inicial, tão curto quanto as qualificações do candidato seleccionado permitirem, ser-lhe-á dada oportunidade de definir objectivos e negociadas as contra-partidas em função desses objectivos, na base de parte fixa, parte variável função das vendas e parte variável função de margens comerciais;
• Sigilo absoluto e garantia de não pôr em risco o eventual emprego actual.


Curriculum vitae para:


L. F. Faleiro – Gestão e Consultoria Empresarial, Lda
Morada: Bairro Frei Aleixo – Monte dos Clérigos

Rua Nossa Senhora de Fátima, 38 R/c

7005-568 Évora
Telf./Fax: 266 707 729

Nota: a pessoa a recrutar é para uma empresa cliente da LFFaleiro-GCE, Lda

sábado, 24 de julho de 2010

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Cinema em Évora de 22 a 28 de Julho de 2010 - 18h00 e 21h30


A MULHER DO VIAJANTE NO TEMPO

De 22 a 28 de JUlho - 18h00 e 21h30

De: Robert Schwentke
Argumento: Bruce Joel Rubin
Com: Eric Bana, Rachel McAdams, Ron Livingston, Arliss Howard
Género: Melodrama, Romance
Classificacao: M/12
EUA, 2009, Cores, 107 min.

Devido a um raro problema genético, Henry faz viagens ao passado e ao futuro e é assim que, numa dessas viagens, conhece Annette, ele adulto e ela ainda uma menina, mas já o grande amor da sua vida. No dia em que, finalmente, ambos se reencontram no presente sentem que podem materializar a sua paixão.
Nota: Dia 27 apenas às 18h00

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Évora Perdida no Tempo - Vale de Flores (Évora)


Autor José António Barbosa
Data Fotografia 1901 
Legenda Vale de Flores (Évora)
Cota GPE0102 - Propriedade Grupo Pró-Évora

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Aviação: Embraer arranca com obras da fábrica de Évora em novembro

As obras das duas fábricas que a Embraer vai construir em Évora vão arrancar em novembro, revelou hoje o presidente da Embraer Europa aos jornalistas portugueses que participavam na feira internacional de aviação de Farnborough, perto de Londres.

De acordo com Luiz Fuchs, presidente da Embraer Europa, as obras estarão concluídas no final de 2011 e a produção começará a partir de 2012.

"A produção das fábricas estará em 'full power' em 2013", avançou o responsável à margem de uma conferência promovida pelo AICEP Portugal Global e pelo Barclays Corporate, que decorreu hoje de manhã em Londres.

Férias de Verão 2010




Subordinado ao lema “Este verão escolhe o teu Programa…”, o projecto “Ferias de Verão 2010”, promovido pela Câmara Municipal de Évora pelo 3º ano consecutivo, pretende oferecer aos jovens eborenses entre os 14 e 30 anos, uma extensa lista de alternativas para ocuparem os seus tempos livres durante as férias, contribuindo também para a sua formação pessoal.

Workshops e formações, fazem parte de um enorme leque de ofertas, que todos os jovens poderão frequentar a título gratuito entre 15 de Julho e 15 de Setembro.

Da fotografia à astronomia, passando pelo cinema, actividades aquáticas, dança, entre mais de 50 propostas de escolha, pretendendo ir ao encontro de interesses diferentes para jovens diferentes…

Mais informações em www.cm-evora.pt ou através dos seguintes contactos: palavraj@cm-evora.pt ou telefone: 266777100. As inscrições podem realizar-se on-line ou na Câmara Municipal de Évora, Gabinete da Juventude (Edifício S.Pedro - Pátio do Salema ).

terça-feira, 20 de julho de 2010

Évora Perdida no Tempo - Altar-mor da Igreja de São Vicente


Autor José António Barbosa
Data Fotografia 1900 - 1920
Legenda Altar-mor da Igreja de São Vicente
Cota GPE0308 - Propriedade Grupo Pró-Évora

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Historial da Freguesia do Bacelo

Freguesia de Bacelo — com sede prevista no Bairro do Bacelo, começa no cruzamento da Estrada da Circunvalação com a estrada nacional n.o 114-4 (Évora-Arraiolos), seguindo pelo eixo desta até à estrema sul do prédio n.o 28-E, confrontando com a freguesia do oeste (Malagueira), seguindo até ao Forte de Santo António e contornando-o por oeste até à estrema oeste do prédio n.o 27-E, seguindo para norte desta até ao prédio n.o 91-K (Quinta da Cartuxa), contornando-o por sul e nascente, continuando pela estrema nascente dos prédios n.os 90-K (Quinta do Vale Bom) e 1-K (Quinta do Escrivão/Quinta de Nossa Senhora da Conceição), estrema norte do prédio n.o 1-K (Quinta do Escrivão), estrema nascente do prédio n.o 4-L (Quinta da Manizola), estremas norte dos prédios n.os 55-L (Quinta da Espada) e 54-L (Quinta do Cano), até ao limite da freguesia de Nossa Senhora da Graça do Divor; segue para noroeste pelo limite da freguesia de Nossa Senhora da Graça do Divor e pelas estremas sul dos prédios n.os 26-M (Quinta de São José do Cano), 2-M (Quinta do Barreiro, Monte do Outeiro), 12-N (Quinta da Atalaia), 11-N (Quinta da Oliveira) e 1-N (Quinta do Serrado) até ao marco n.o 24-28 e deste para o marco n.o 25-47, pelas estremas norte dos prédios n.os 1-N, 2-N, 3-N, 125-N e 124-N, confrontando a norte com a freguesia de Nossa Senhora da Graça do Divor, continuando pelas estremas norte dos prédios n.os 145-N (Quinta da Silveira), 35-N (Quinta da Lajes), 36-N (Quinta do Faísco), 38-N (Quinta da Azambuja) e 37-N (Quinta do Azambujinho), atravessa a linha férrea desactivada de Arraiolos, passa às estremas norte dos prédios n.os 39-N, 41-N (Quinta do Armeiro), 40-N (Quinta da Cabouqueira), 59-N, 60 (Quinta do Penedo do Ouro), 61-N e 62-N (Quinta das Amoreiras), seguindo para sul pelo eixo da estrada municipal n.o 527 (Évora-Igrejinha) até à ribeira de Alpedriche, seguindo pelo eixo desta para nascente até ao eixo da via definida na revisão do Plano de Urbanização de Évora, publicada no Diário da República, 2.a série, n.o 92, de 18 de Abril de 1996, tomando este para sul até ao Estabelecimento Prisional de Évora e daqui até ao cruzamento da Estrada da Circunvalação com a Rua de José Estêvão Cordovil, tomando o eixo daquela para oeste até ao cruzamento com a estrada nacional n.o 114-4 (Évora-Arraiolos).

No contexto da restauração da independência, D. João IV manda, em 1650, erigir o Forte de Santo António, destinado a proteger o Convento de Santo António da Ordem da Piedade dos Frades Capuchos, este mandado construir a sob a égide do Cardeal D. Henrique em 1576.
De traça maneirista, da autoria de Nicolau de Langres, esta construção bélica, possui planta quadrada, consolidado em cantaria nos cunhais, com quatro baluartes. O forte é rodeado por fosso, sendo que no seu interior, ainda encontramos vestígios do presídio, da parada e do claustro.
As estruturas da porta principal ainda pertencem à traça original, subsistindo também, algumas guaritas junto aos cunhais. De Norte a Sul, a construção é atravessada por arcos do Aqueduto do Arco da Prata.
Nos anos quarenta e cinquenta deste século, o monumento foi alvo de intervenções de restauro, removendo-se o reboco e destacando-se assim as alvenarias.






domingo, 18 de julho de 2010

Formador para Manobrador de Empilhador

CAP (Certificado de Aptidão Profissional);
Experiência na condução/Manutenção da Máquina;
Conhecimentos em electrónica, hidráulica e mecânica.

Rua do Raimundo, nº95 1ºE
7000-661 Évora

sábado, 17 de julho de 2010

Évora na Actualidade - Évora Emoldurada

Cinema de 15 a 21 de Julho de 2010 - 18h00 e 21h30



PRINCIPE DA PERSIA: AS AREIAS DO TEMPO

De 15 a 21 de Julho - 18h00 e 21h30

De: Mike Newell
Argumento: Boaz Yakin
Com: Jake Gyllenhaal, Ben Kingsley, Gemma Arterton, Alfred Molina
Género: Aventura
Classificacao: M/12 EUA, 2010, Cores, 115 min.

Império Persa, século VI. O destino de Dastan era tornar-se príncipe, mesmo que as suas origens não o pudessem prever. Sem família, sozinho e abandonado à sua sorte, vagueia pelas ruas sobrevivendo graças apenas à generosidade alheia…
* Dia 20 apenas às 18h00

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Évora Perdida no Tempo - Castelo de Valongo


Autor José António Barbosa
Data Fotografia 1904 
Legenda Castelo de Valongo
Cota GPE0164 - Propriedade Grupo Pró-Évora

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Noites de Verão no Museu

Évora Retail Park já está em construção

O Évora Retail Park já está em construção, anunciou a EVRET, veiculo de investimento criado pela Madford Developments e a Imorendimento para desenvolver em exclusivo este projecto.

Com 6 mil metros quadrados, localiza-se em Évora e faz parte de complexo comercial, que inclui uma loja IZI com 4 mil metros quadrados já em funcionamento, assim como um centro comercial (16.500) que ainda vai abrir portas.

A consultora imobiliária Cushman & Wakefield (C&W) foi mandata para a comercialização das lojas em nome do proprietário, e é também responsável pela gestão do projecto de construção.

“Este projecto beneficia do licenciamento, financiamento e da localização numa das poucas áreas em Portugal onde ainda existe uma lacuna de espaços comerciais modernos”, sublinha Anthony Henry Lyons, director-geral da Madford Developments.

As obras estão a cargo da DST e têm conclusão prevista para o final de 2010.

terça-feira, 13 de julho de 2010

Évora Perdida no Tempo - Edifício da Sociedade Harmonia Eborense


Autor José António Barbosa
Data Fotografia 1898-1908 
Legenda Edifício da Sociedade Harmonia Eborense
Cota GPE0321 - Propriedade Grupo Pró-Évora

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Se o mundo fosse bom, o dono morava nele

Um espectáculo integral, onde até o público é convocado a participar, numa fusão de actores/bonecos/músicos, subvertendo as unidades de tempo, lugar e acção, deixando soltar-se a imaginação dos espectadores. Uma dramaturgia que mergulha no universo popular para falar do desconcerto do mundo.

Encenação: José Russo e Maria Marrafa
Cenografia, Figurinos e Bonecos: Inês de Carvalho
Arranjos e Criação Musical: André Penas
Iluminação e Som: Pedro Bilou
Construção e Maquinaria: Tomé Baixinho, assistido por Paulo Carocho e Tomé Antas
Construção de Guarda-Roupa: Vîcência Moreira
Interpretação: Álvaro Corte Real, Ana Meira, André Penas e José Russo

Estreia dia 13 de Julho
Em cena até dia 31 de Julho
Terça a Sábado, às 22h00
Largo de S. Mamede, em Évora

domingo, 11 de julho de 2010

Operadores de Produção (M/F) Évora

A Kelly OnSite Services recruta Operadadores de Produção (m/f), para empresa sua cliente situada na zona industrial de Évora.

O objectivo da função é garantir o cumprimento das actividades e tarefas inerentes ao posto de trabalho definido, de acordo com as instruções de manufactura da operação.

Requisitos para a função:

- Disponibilidade para laborar em horário nocturno fixo entre as 20h00 e as 08h00:
- Residência proxima local de trabalho e transporte próprio;
- Disponibilidade imediata;

Alguns conhecimentos de informatica e inglês (preferencialmente)

Oferecemos :

Admissão imediata e oportunidades de carreira.

Se tem experiência fabril, então envie-nos o seu curriculum , fazendo a sua candidatura online

Responder a esta oferta 

sábado, 10 de julho de 2010

Évora Perdida no Tempo - Fonte na Praça Joaquim António de Aguiar


Autor José António Barbosa
Data Fotografia 1923 ant. 
Legenda Fonte na Praça Joaquim António de Aguiar
Cota GPE0314 - Propriedade Grupo Pró-Évora

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Cinema de 8 a 14* de Julho de 2010 - 18h00 e 21h30

ROBIN HOOD

De 8 a 14 de Julho- 18h00 e 21h30

De: Ridley Scott
Com: Russell Crowe, Cate Blanchett, Max von Sydow, William Hurt
Género: Aventura, Drama
Classificacao: M/12
EUA/GB, 2010, Cores, 148 min.

Inglaterra, século XIII. O país atravessa uma grave crise nas mãos do Príncipe João transformando Nottingham numa cidade saqueada não apenas pelos governantes mas também pelo próprio xerife local. Robin Longstride cria um grupo de mercenários justiceiros, a fim de devolver a glória e a liberdade ao país que o viu nascer.
* Dia 14 apenas às 18h00

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Évora Perdida no Tempo - Solar dos Cogominhos, na Torre de Coelheiros


Autor José António Barbosa
Data Fotografia 1904 
Legenda Solar dos Cogominhos, na Torre de Coelheiros
Cota GPE0261 - Propriedade Grupo Pró-Évora

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Corrida Real - Corrida das Guitarras Homenagem a Amália Rodrigues

Olympia no Convento dos Remédios, Évora

VERA MANTERO
Olympia + uma misteriosa Coisa disse e. e. cummings
DANÇA

Convento dos Remédios, Évora
14 de Agosto, 21h30

Duração: 55min.
M/12
Entrada Livre

Olympia
Concepção e interpretação - Vera Mantero
Luzes - João Paulo Xavier
Adaptação e operação de luz - Bruno Gaspar
Texto - Jean Dubuffet
Música - extractos de música dos Pigmeus Bakma, Camarões
Agradecimentos de Vera Mantero - a Ana Mantero e Miguel Ângelo Rocha

uma misteriosa Coisa disse e. e. cummings
Concepção e interpretação - Vera Mantero
Caracterização - Alda Salavisa (desenho original de Carlota Lagido)
Adereços - Teresa Montalvão
Desenho original de luz - João Paulo Xavier
Produção executiva - Forum Dança
Apoio - Casa da Juventude de Almada; Re.al / Amascultura
Produção - Culturgest, 1996 Homenagem à Josephine Baker

Sobre Olympia
Vera Mantero concebeu Olympia como uma peça para ser apresentada no programa da Maratona para Dança (1993). O seu objectivo, contaminado pelo do próprio evento que ia integrar era “‘acordar’ as pessoas”. Foi esta a premissa que levou Vera Mantero a articular passos da obra literária Asfixiante Cultura de Jean Dubuffett e a figura de Olympia, pintada por Manet. Uma articulação que extrai a sua vitalidade do acto de re:criar, re:pensar e re:inventar objectos artísticos com uma história própria, re:escrevendo-a, e assim re:inventar também a prática e fruição estética da dança, e a sua história.

Ao apresentar Olympia no Escrita na Paisagem, Vera Mantero não só glosa as obras originais que lhe servem de base de trabalho, como re:pensa e re:actualiza a sua própria criação, no encontro com um novo espaço e um novo contexto. Um duplo re:play que levanta questões centrais ao debate que o Festival propõe este ano, colocando as práticas de re:petição no cerne da criação artística contemporânea. Porquê re:pensar uma criação? O que significa re:criar um objecto artístico? O que se altera, perde ou acrescenta a cada re:petição? Eis algumas das interrogações para as quais queremos encontrar possibilidades de resposta – não só com Vera Mantero, mas também com os espectadores que se juntam a nós.
Sobre uma misteriosa Coisa disse e. e. cummings
uma misteriosa Coisa, nem primitiva nem civilizada, ou para além do tempo, no sentido em que a emoção está para além da aritmética (e. e. cummings, sobre Josephine Baker)

Em 1995 Vera Mantero encontrou-se com Josephine Baker, e. e. cummings, e com um discurso de Mário Soares (na altura, Presidente da República). A partir deste, encontrou-se também com o pianista Glenn Gould e as suas “Variações Goldberg” e com o mestre butô Kazuo Ohno. Este encontro fez crescer em Vera Mantero a necessidade de conceber e materializar uma “grandeza de espírito”, “[o seu] grande desejo de uma vitória do espírito”, que não é desprovido da existência e do prazer do corpo – concebido como igualmente grandioso. Numa articulação transdisciplinar entre dança contemporânea ocidental, butô, política e música, Vera Mantero lançou-se no desafio de coreografar e dar corpo a um espírito que “tem vontade de anular […] a boçalidade, a assustadora burrice, a profunda ignorância, a pobreza dos horizontes, o materialismo…”.

Com uma misteriosa Coisa o Festival Escrita na Paisagem aborda mais uma das várias modalidades do tema escolhido para a edição de 2010: re:play, isto é, ler as práticas de re:petição e re:criação como centrais na criação contemporânea. Neste peça, o re:play está presente em diversos níveis, dos quais o mais evidente é propor a Vera Mantero que re:faça um dos seus solos, instalando-o num novo contexto. Re:play é, na verdade, um conceito intrínseco a uma misteriosa Coisa, já que esta peça, como nota André Lepecki, é uma re:actualização de fantasmas – o de Josephine Baker e das suas coreografias e, em consequência, das problemáticas do racismo e colonialismo que atravessam a Europa pós-colonial, problemáticas especialmente sensíveis (e silenciadas) em Portugal. Em síntese, como Lepecki afirma: “a forma como o corpo europeu, feminino e branco de Mantero escolhe abordar (o fantasma de) Josephine Baker, precisamente como uma subjectividade assombradora e um corpo assombrado, intensifica o caudal de histórias e memórias do colonialismo europeu, das actuais fantasias raciais europeias e da actual amnésia do colonialismo, oferecendo uma apresentação perturbadora de uma imagem desafiante e improvável de uma mulher, uma bailarina, e uma subjectividade.” (Lepecki, 2006: 111)

Lepecki, André. 2006. “Melancholic dance of postcolonial spectal: Vera Mantero summoning Josephine Baker”, Exhausting Dance: Performance and the politics of movement. Londres / Nova Iorque, Routledge: 106-122. [Tradução do original inglês por Rita Valente].

Vera Mantero nasceu em Lisboa, em 1966. Estudou Ballet Clássico até aos dezoito anos. Trabalhou durante cinco anos para o Ballet Gulbenkian. Em Nova Iorque e Paris, estudou Técnica de Dança Contemporânea, Técnica Vocal e Teatro, abandonando por completo as suas origens clássicas. Como bailarina, trabalhou em França com Catherine Diverrès. Começou a criar as suas próprias coreografias em 1987, e desde 1991 a apresentá-las em teatros e festivais da Europa, Brasil, EUA, Canadá e Singapura, entre outros.
Para Vera Mantero a dança não é um dado adquirido; ela acredita que quanto menos se apodera dela, mais dela se aproxima. A dança e o trabalho performativo servem-lhe para compreender o que precisa de compreender; faz-lhe cada vez menos sentido a condição de performer especializado (bailarino, actor, cantor ou músico) e cada vez mais a de performer total.
A vida é para si um fenómeno terrivelmente rico e complicado, e o seu trabalho uma luta contínua contra o empobrecimento de espírito, seu e dos outros. Uma luta que considera essencial a este momento da nossa História.

Festa da Lã na Cruz da Picada




FESTA DA LÃ
Colecção B
EVENTO COMUNITÁRIO
9 de Julho, 18h30
Largo da Vermelha, Bairro da Cruz da Picada, Évora
Todas as Idades
Entrada Livre

Projecto Colecção B Oficina do Feltro
Colaboração especial Grupo Coral Feminino de Viana do Alentejo
Equipa Oficina do Feltro: Diana Regal, Isabel Cartaxo, Helena Calvet, Patrícia Galego
Parceria Associação Menhuin/Projecto MUSEpe
Apoios Junta de Freguesia da Malagueira, EB1 e JI da Malagueira, ADBES

Na Festa da Lã pisa-se e feltra-se um têxtil, ao som dos cantares do Alentejo. Uma Festa colectiva que conta com o Grupo Coral Feminino de Viana do Alentejo e com os moradores do Bairro da Cruz da Picada. Envolvendo a comunidade local, integramos outros sabores e saberes, pois haverá também comida e cantares alentejanos. E todos são convidados a participar nesta re:cuperação e re:invenção de fomras tradicionais de fazer feltro como uma prática colectiva.

O re:play é abordado por este projecto no re:tomar e re:trabalhar da tradição – das técnicas tradicionais de trabalho do feltro ao repertório do cante alentejano do Grupo Coral – e transformação (re:ciclagem / re:utilização) da lã. Este processo seguindo as práticas ancestrais de produção de tecido sem fio, distingue-se das formas mais actuais de fazer feltro, sobretudo pela utilização mais imediata da lã sem a sua transformação.

A Festa da Lã é uma das actividades desenvolvidas pela Oficina do feltro. Este projecto integrado em Formas de Fazer da Colecção B, configura uma plataforma de trabalhos de criação e investigação artística e artesanal, que visa a reabilitação do trabalho artesanal com as lãs locais, sobretudo a partir da técnica de feltragem, mas também da fiação e da tecelagem. Através das suas actividades, a Oficina do Feltro busca o encontro com as "'artes de fazer' isto ou aquilo [...], práticas [que] põem em jogo uma ratio 'Popular', uma maneira de pensar investida numa maneira de agir, numa arte de combinar indissociável de uma arte de utilizar' (Ana Paula Guimarães, B. I. do Zarapelho, Lisboa, Apenas Livros, 2004: 31 apud Michel de Certeau, L’Invention du quotidien).

terça-feira, 6 de julho de 2010

MOVIMENTO ARRISCADO




MOVIMENTO ARRISCADO
Cur. Daniel Moutinho (PT) e Eleonora Marzani (IT)
MÚSICA/PERFORMANCE/INSTALAÇÃO/DANÇA/CONVERSAS/FESTA

Convento dos Remédios e Espaço Celeiros
Évora 7, 8, 9, 10 e 14, 15, 16 e 17 de Julho, a partir das 23h
Entrada Livre

Movimento Arriscado é uma plataforma promovida pela primeira vez no âmbito do Festival Escrita na Paisagem, cujo tema deste ano é o re:play. Através desta plataforma, o festival perpetua o seu compromisso, a sua aposta nos novos criadores. É uma plataforma de emergência. Em primeiro lugar, porque faz emergir na sua programação um espaço que se preocupa verdadeiramente com as interrogações artísticas dos jovens criadores, em dar-lhes visibilidade, em assisti-los no caminho que eles procuram traçar. Em segundo lugar, porque urge a problemática actual de uma política cultural estruturada, que dê lugar e apoio aos novos criadores que após terminarem a sua formação académica, batalham por este mesmo espaço de visibilidade que o festival oferece. Chama à atenção de uma questão que devia ser de ontem. O que fazer com os novos criadores? Que política cultural tem o país, ou mais localmente, a cidade, que permita a estes novos criadores fazer o seu trabalho e dessa forma contribuir para a cultura local e nacional?

Lançámos o desafio a inúmeros jovens criadores, muitos dos quais estudam em Évora, para que acordassem a cidade com a sua voz, com a sua procura. Que fizessem parte da dinamização da cidade, aproveitando esta plataforma como processo de aprendizagem, como oportunidade de correr um risco, ou de o traçar.

O Festival Escrita na Paisagem é, desde o seu começo, uma casa que alberga os novos criadores e que se orgulha disso. Serviu de casa para mim, quando há três anos me abriu a porta e me deu um lugar para eu crescer e aprender. Foi a minha Universidade de Verão, mas mais que isso, foi um despertador e ainda continua a sê-lo. Acorda a cidade para mostrar o que ela, por norma, se esquece de ver. Os jovens e a sua importância no crescimento cultural, o caminho que eles percorrem, o risco com que eles marcam o seu trabalho artístico. São caminhos que se traçam, O Festival escolheu este entre os muitos que vai percorrendo. E como jovem só posso dizer, ainda bem que apareceu no nosso caminho.

Daniel Moutinho


Já tudo foi dito, já tudo foi feito | nada se cria, nada se perde, tudo se transforma.

Podemos fazer alguma coisa nova hoje? Estamos condenados a re:petir-nos nas nossas criações, dispondo camadas sobre camadas, para re:cuperar esse húmus ilimitado, que nos precede e nos sustém, mesmo que não tenhamos consciência da sua existência. A criação artística contemporânea mostra-nos que o que nos rodeia, nos domínios do espaço e do tempo, não é uma matéria negra que nos assoberba, reprime ou sufoca, mas antes um horizonte aberto que se desdobra num vasto conjunto de possibilidades, abertamente ao nosso alcance.

Quais são as preocupações dos criadores de hoje perante esta paisagem?
A procura de um confronto com o passado abrangente é um dos estímulos partilhado pelos artistas participantes neste Movimento Arriscado. A busca de uma relação re:novada entre o corpo humano e a arquitectura de Évora é a proposta da Oficina Movimento, um laboratório de introdução à dança contemporânea: explorar novas possibilidades de nos re:posicionarmos na cidade, dentro das suas paredes seculares, em particular as do edifício do Convento dos Remédios. A história da arte, em particular a história da performance e os seus idolatrados ícones – como Yves Klein, Marina Abramovic e Franko B –, inspiram re:criações, transformadas em ecos por novas vozes, como são os projectos-experiência incluídos em Kinda Li’l MoMa e os trabalhos de Catarina Lopes e André Salvador.

A análise da história pessoal é o ponto de partida para a pesquisa sobre a identidade, um assunto amplamente explorado pela criação artística das últimas décadas, e que é igualmente explorada em Movimento Arriscado. Uma tentativa de re:construir a memória pessoal e a interacção entre passado e presente, com base no arquivo familiar, é o que alimenta a performance de Márcio Pereira.
Por outro lado, a memória de toda uma geração pode ser recuperada através de uma arqueologia dos “média”, como acontece no projecto de Carlos Rodrigues ao transpor imagens de VHS para formatos mais actuais, ou na sessão de Dj-Vj dos Jijeis Altemente + Blue Moustache, inspirada nos míticos videojogos dos anos 80 e 90. De memórias (mesmo recentes) se alimentam ainda projectos como os dos alunos de electroacústica (alunos e professor da Universidade de Évora), a abordagem noise dos Psychotic Kindergarten, ou os processos utilizados em Symbol Transfer, a circular entre fotografia, infografia e som.

Há projectos de percepção e fruição imediata, com os quais todos se podem identificar, e também projectos que nos pedem abandono – como as atmosferas musicais de Di-Ga-Ba. Por outro lado, também há trabalhos que re:querem a concentração do público, uma observação e audição participativas e atentas, como é o caso dos vídeos de André Uerba, e a performance de Bárbara Fonseca e Telma Santos.

Se há materiais, objectos, sons e corpos que procuram o confronto-choque, há também um grupo de artistas que aposta em jogos de ambiguidades e justaposições de diversas realidades. Assim, assistimos à construção de ficções, mundos e personagens, como na performance Segura-te ao meu sofá e À prova de fogo e de bala (Ai! A Super-Artista incógnita). Brincar com o efémero é a premissa de base da escultura-instalação de Maria José Correia. Um trabalho feito em pão, que perturba assim o conceito de escultura como arte produtora de objectos eternos.

Assim, o programa de Movimento Arriscado desdobra-se em projectos cujas premissas são criar algo de novo, partindo de regras pré-estabelecidas, libertas do passado e de pré-determinações, sem caminhos já percorridos, procurando novas formas de espontaneidade.

Dois são os palcos onde o Movimento Arriscado tem lugar: o Convento dos Remédios e os Antigos Celeiros da EPAC. O primeiro, votado à arqueologia, é um espaço ainda por explorar pela arte contemporânea e cheio de possibilidades para a criação artística. O segundo, já conhecido pelas gerações mais jovens, é apresentado com uma imagem re:novada. Graças à colaboração entre os agentes artísticos com base no Espaço Celeiros – PédeXumbo, A Bruxa Teatro, Festival Escrita na Paisagem e Pachamama – todo o bloco, os edifícios, e a área circundante acolheram projectos de performance, música, vídeo, instalação, e CE-LE-BRA-ÇÃO! Movimento Arriscado é tudo isto e muito mais: um movimento fluido, irrequieto, irreprimível, imparável e sempre no fio na navalha.

Vivemos num caldeirão de referências. E nem por isso precisamos de sucumbir, pois há sempre uma maneira de seguir em frente. Cada um destes projectos procura o seu caminho, e é isso que aqui nos mostram.

Teatro de Ferro - 7 e 8 de Julho - Jardim do Chão das Canas (frente ao Teatro Garcia de Resende)



Teatro de Ferro
PT
TEATRO
7 e 8 de Julho, 22h
Jardim do Chão das Canas (frente ao Teatro Garcia de Resende), Évora

Duração: 120min.
Classificação: M/12
Entrada Livre


Texto, dramaturgia e canções Regina Guimarães
Encenação e cenografia Igor Gandra
Figurinos Diana Regal
Marionetas Júlio Alves
Movimento Carla Veloso
Desenho e luz Teatro de Ferro
Interpretação António Oliveira, Igor Gandra, José Pedro Ferraz, Julieta Rodrigues, Rodrigo Malvar e Rosário Costa; [participação especial] Carlota e Matilde
Fotografia de cena Susana Neves
Design Gráfico CATO
Direcção de Montagem Virgínia Moreira
Oficína de Construção Gil Rovisco, Virgínia Moreira, Nuno Bessa e Américo Castanheira - Tudo Faço
Produção Teatro de Ferro
Co-produção Teatro de Ferro, Teatro do Frio, Radar 360, Festival Escrita na Paisagem, FIMP - Festival Internacional de Marionetas do Porto e Teatro Nacional São João
Teatro de Ferro é uma estrutura financiada pelo Ministério da Cultura/DG Artes

O que é que acontece quando um grupo de artistas saltimbancos se instala numa praça da cidade? A nova criação do Teatro de Ferro(TdF) chega ao centro histórico de Évora com a vitalidade e o romantismo dos nómadas, para um espectáculo ao estilo popular que incita a participação do público. Numa re:conversão de moeda da ópera de B. Brecht, a Ópera dos cinco € “tenta tirar da gaiola dos especialistas e das especialidades alguns temores, inquietudes e fechamentos que nos afectam a todos na sociedade contemporânea [...], construindo um tempo diferente – aquele de um mundo ambulante, em trânsito, de um mundo gema dentro de um ovo de Colombo, e permitindo uma outra maneira de estarmos juntos” (TdF). As lógicas de criação deste "Brecht rap - techno weill" re:fletema tensão entre (um)a disciplina e um desejo de transdisciplinaridade, procurando as relações entre a palavra dita e a cantada e entre a canção e o movimento. Promete grande animação para todos, em plena praça!

TdF desenvolve um trabalho nos campos do teatro de marionetas e manipulação de objectos, movimento e multimédia, sendo na fusão destes elementos que forja o seu vocabulário teatral, performativo e interventivo. A direcção artística é da responsabilidade de Igor Gandra, distinguido e premiado pelo Clube Português de Artes e Ideias (1997), Ministério da Cultura/DGArtes(2004), Cidade de Gaia (2005) e Jornal do Centro (2005).

segunda-feira, 5 de julho de 2010

16° Festival Évora Clássica de 8 a 10 de Julho


Programação 2010
Quinta Feira 8 de Julho
22h Jardim do Paço
Conjunto Redwan dirigido por Benkelfate Fayçal
Musica Arabo-andalusa sacrada de Tlemcen – Algeria


Sexta Feira 9 de Julho
22h Jardim do Paço
Rising Stars
A noite indiana
Ao encontro de uma nova geração de artistas, herdeiros da música e da
 dança clássica da índia do norte e do sul.
Dança Baratha Natyam : Rama Vaidyanathan
A fluta bansuri : Pandit Rajan Guruvayur Srikrisshnan


Sabado 10 de Julho
22h Jardim do Paço
A arte do Shenai : Os irmãos Sanjeev e Ashwani Shankar
Jugalbandi: Debapriya Adhykary, canto Khyal Samanwaya Sarkar, sitar – Madhuriya Barthakur, tabla

-----------------------


Cinema

Quinta Feira 8 de Julho
16h
SITA, sings the Blues


Sexta Feira 9 de Julho
16h
ZAINA, la Cavalière de l’Altas



Sabado 10 de Julho
16h
SAFAR, Le Maghreb vista de França


-----------------------------



Naturalmente subversivo por entre os seus e em revolta contra todos os usos tradicionais, o etnógrafo mostra-se respeitoso até ao conservadorismo, sempre que a sociedade em questão aparenta ser diferente da sua".
Esta reflexão de Claude Lévi-Strauss, de quem festejamos este ano o centenário, está longe de ser desprovida de sentido. Depois de ter posto em questão uma sociedade julgada falsa nas suas convenções sociais, morais e religiosas, apareceu este fascínio por sociedades que tentam conservar uma herança oral e identitária face à razia da mundialização.
Antagonismo e esquizofrenia habitam o apaixonado pelo Oriente, tão fascinado pelas melopeias enrugadas de uma sanfona do deserto, como pelas proezas do som do I Phone.
Apesar de tudo isto, não nos iludamos, o mundo tradicional marginalizado pela nossa ideolatria consumista alimenta, antes de mais, do deserto do Rajastão às margens do mediterrâneo, o fabrico de imagens da indústria turística e das agências de viagens.
Os « Orientais de Évora », sempre à procura de outros mundos, propõem uma outra maneira de ouvir e apreender o mundo da música.
A música para muitas culturas é mais do que um divertimento e tem dentro dela as raízes profundas da emoção e da espiritualidade, do rito e do quotidiano.
As músicas que apresentamos no nosso Festival são bastante festivas e joviais mas são também um testemunho das grandes civilizações orais, da diversidade das expressões artísticas humanas e da verdade de um modo de vida onde a natureza ainda tem sentido.
Assim, o Festival Évora Clássica é um dos raros festivais em Portugal a oferecer espectáculos que, como esta cidade, pertencem ao património da humanidade, expressões artísticas que, em breve, terão talvez completamente desaparecido.
Este ano, para lá do seu ambiente caloroso e tradicional, o Festival convidará o público para uma viagem, que vai do coração da Ásia até ao Mediterrâneo.
Prazer para os olhos e para os ouvidos, refinamento de um gesto coreográfico ou de uma voz cristalina ou enrugada como o sopro do vento, os cantos e músicas de tradição, simultaneamente terrestres e celestes, transportam o corpo e a alma, quer sejam mediterrânicos ou orientais.







Últimas Ceias

ÚLTIMAS CEIAS
1 de Julho a 30 de Setembro
Museu de Évora
(10h-18h, Quarta-feira a Domingo / 14h30-18h, Terça-feira)
Encerra à Segunda-feira
Entrada do Museu


A Última Ceia é talvez o tema mais recorrentemente difundido no espaço da cultura religiosa de matriz cristã, mas também um dos mais glosados, citados, re:mediados pela arte do século XX. É um tema re:play por excelência, inscrevendo nos seus próprios termos are:petição do gesto redentor.

No cenário institucional do Museu de Évora, onde se encontram duas belíssimas pinturas quinhentistas representando últimas ceias (uma do Mestre do Retábulo da Sé de Évora, outra de Martin de Vos), o Festival Escrita na Paisagem promove o encontro entre estas peças do acervo patrimonial do Museu e a criação contemporânea, numa instalação plena de registos críticos e discursivos fortemente inscritos na actualidade.

Noémia Cruz, Jorge de Sousa, portugueses, e Marcos López, argentino, são os autores das três peças que instauram o diálogo no Museu com os seus trabalhos de fotografia e escultura em regime de instalação. Noémia Cruz, com o re:play de uma sua escultura de 1979, cuja história se reveste de ressonâncias sexuais e políticas. Inscrevendo o feminino na cena pela transformação do pão em seio, opera uma deslocação que obviamente dá ao gesto da repetição eucarística a ressonância transgressora do seio materno, feminino. Marcos López, fotógrafo argentino, procedeu por seu lado à proletarização do tema, inscrevendo a última ceia num contexto de classe média, uma refeição generosa num cenário idílico, quase arcádico, como que a esvaziar pela serenidade quotidiana o sentimento trágico e redentor do arquétipo, reconhecível na carcaça sacrificial que ocupa o centro da mesa (o anho redentor pobremente materializado e degustado?). Jorge de Sousa, como acontece com Noémia Cruz, evidencia a importância da problematização de género nas re:visitações contemporâneas da última ceia, compondo a cena em busca de uma teatralização das relações (a foto corresponde ao momento em que Cristo anuncia que um de entre eles o trairá e procura captar as reacções dos discípulos). Tatuagens e roupas configuram um espaço de sociabilidade masculina, próxima de estereótipos marginais, a que a própria figura de Cristo não escapa.

Este espaço dialógico poderia completar-se com a re:visitação das inúmeras versões da última ceia que a cultura popular contemporânea pôs a circular de múltiplas formas, do cinema à publicidade, e que podem ver-se em abundância por exemplo no inesgotável youtube e no seu persistente devir…

domingo, 4 de julho de 2010

Precisa-se de Cabeleireiro/a para Évora

Precisa-se de Cabeleireiro/a com experiência para Cabeleireiro Gemeas em Évora.

Enviar Curriculo para: gemeas.cab@hotmail.com

sábado, 3 de julho de 2010

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Chão dos Meninos: PJ investiga abuso de quatro menores

Quatro meninas ao cuidado de uma instituição de solidariedade social de Évora terão invadido uma habitação que estava desocupada na cidade, anteontem à noite, e envolveram-se sexualmente com rapazes e homens.

O caso terá sido denunciado à polícia pela própria instituição – Associação de Amigos da Criança e da Família ‘Chão dos Meninos’ –, por, entre os homens, estarem adultos. A investigação está entregue à PJ.Ao que se apurou, as raparigas, de 13, 14, 15 e 16 anos, são provenientes de famílias carenciadas da região. Estão entregues à instituição, que terá denunciado o caso à PSP local por suspeitas de abuso sexual – e foram sujeitas na madrugada de ontem a perícias médico-legais no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde chegaram já depois das 03h00.

O caso foi entregue à secção de combate a crimes sexuais da Judiciária de Lisboa, que ontem durante toda a tarde ouviu as supostas vítimas, antes de decidir se avançava para detenções: a PJ quis saber quem eram os homens com quem se envolveram, com o objectivo de apurar se, nomeadamente, as três jovens mais novas, com 13, 14 e 15 anos, mantiveram relações sexuais com adultos – o que configura um crime de abuso sexual de menores.

As primeiras suspeitas levantadas, em Évora, diziam respeito a uma eventual orgia com adultos. Daí a sujeição das quatro menores a perícias médico-legais no Hospital de Santa Maria e posteriores inquirições na PJ, de onde só saíram ontem à noite. Mas os investigadores não terão concluído até ao momento a existência de abusos sexuais e decidiram não avançar, para já, com detenções.

'O ‘Chão dos Meninos’ não pode nem quer prestar declarações visto estar em curso uma investigação policial', disse Rui Rosado, director da Instituição Privada de Solidariedade Social (IPSS), acrescentando que se trata de um caso 'complexo'. O ‘Chão dos Meninos’, fundado em 1993, dedica-se a acolher e acompanhar crianças e famílias em risco, vítimas de maus tratos, abuso sexual ou negligência grave, entre outras valências. 'Proteger as crianças e jovens em situação de acolhimento temporário devido à situação de perigo, ajudar as crianças, jovens e famílias que atravessam dificuldades de adaptação aos papéis parentais, por forma a encontrar capacidade e equilíbrio' são algumas das missões.

CM

Cinema em Évora de 1 a 7* de Julho de 2010 - 18h00 e 21h30



CITY ISLAND

De 1 a 7* de Julho - 18h00 e 21h30

De: Raymond De Felitta
Com: Andy Garcia, Julianna Margulies, Emily Mortimer
Género: Comédia Dramática
Classificacao: M/12
EUA, 2010, Cores, 100 min.

Na família Rizzo vigoram todo o tipo de segredos: Vince Rizzo, o patriarca, é um guarda prisional que mantém uma relação platónica com Molly Charlesworth, uma nova amiga que a sua esposa Joycenão suporta; Vivian, a filha, diz ser estudante mas na verdade foi expulsa da faculdade e agora é "stripper" num bar de Nova Jersey; Vinnie Jr. o benjamim da família, é um "feeder" com um fetiche por raparigas XXL.

*Dia 7 apenas às 18h00

Agenda Cultural - Julho

quinta-feira, 1 de julho de 2010

ROSTOS DE ROMA. RETRATOS ROMANOS DO MUSEU ARQUEOLÓGICO NACIONAL DE ESPANHA



Museu de Évora , Évora
30 de Junho | 3 de Outubro



A inauguração da exposição “Rostos de Roma, Retratos Romanos do Museu Arqueológico Nacional de Espanha” no Museu de Évora é resultado do esforço de cooperação entre a Dirección General de Bellas Artes y Bienes Culturales e o Instituto de Museus e da Conservação. Aliás, essa cooperação internacional já havia motivado, em 2005, a apresentação da exposição “Imagens e Mensagens, a colecção de escultura romana do Museu de Évora” no Museo Nacional de Arte Romano, em Mérida.

As 30 peças escultóricas agora expostas no Museu de Évora demonstram a qualidade dos retratos romanos que outrora fizeram parte tanto da imagem pública das cidades, como da nobre ornamentação das villae, ou também dos monumentos funerários em que se prestava homenagem à memória dos antepassados.
“Rostos de Roma” é, assim, uma exposição em torno da iconografia do poder e da utilização das imagens como meio de propaganda política, exaltando personagens da História, tal como é o caso de Alexandre Magno e, obviamente, dos imperadores que, desde Augusto, estavam conscientes do valor dos símbolos e da importância da colocação das suas imagens em lugares públicos. É também uma demonstração da variedade e importância dos retratos escultóricos na vida social quotidiana com um importante papel no reconhecimento social das elites e que atinge, através da religião, várias camadas da sociedade.
A grande qualidade plástica das obras seleccionadas para essa exposição, comissariada por Paloma Cabrera, Ángeles Castellano e Bruno Ruiz-Nicoli é valorizada por uma cuidada cenografia e pela publicação catálogo em castelhano e português.


Contacto:
Celso Mangucci
Largo Conde de Vila Flor
7000-804
Évora
Telefone:
266 730 489
Fax:
266 708 094
mevora.celsomangucci@imc-ip.pt

Nova empresa de transportes públicos de passageiros passa a gerir serviço a partir de Julho

A empresa Transportes Rodoviários de Évora (Trevo) vai passar a gerir, a partir de 01 de julho, o serviço público de transporte de passageiros na cidade, esperando atingir 13 milhões de passageiros ao longo da próxima década. No Dia da Cidade, e na presença da vereadora Claudia Sousa Pereira, a TREVO mostrou os novos autocarros.

O novo operador (Trevo) foi criado pela Rodoviária do Alentejo, que venceu o concurso público internacional, lançado pela Câmara de Évora, para a gestão do transporte público urbano.

A Trevo vai aumentar a oferta de transportes em cerca de 20 por cento, passando das 170 para as 214 circulações diárias, enquanto o serviço de Linha Azul, que liga os parques de estacionamento periféricos ao centro histórico da cidade, vai duplicar a sua oferta.

A frota da empresa Transportes Rodoviários de Évora é constituída por 24 novos autocarros, com motorização “Euro 5”, considerada como a última geração tecnológica de motores, fruto de um investimento de três milhões de euros.

Teatro: À Transparência


À TRANSPARÊNCIA
Joana Craveiro (dir.)
3º Ano do curso de Teatro da Universidade de Évora

TEATRO
2 e 3 de Julho, 21h30
Antiga Fábrica dos Leões, Universidade de Évora
Duração: 120min.
Lotação: 40 lugares
Todas as idades

Entrada Livre

Direcção - Joana Craveiro
Co-criação, Interpretação, Escrita - Margarida Alegria, Kalinde Braga, Henrique Calado, Tânia Dias, Rubi Girão, Ana Lopes, Cláudia Miriam, Daniel Moutinho, Diana Pires, Cristina Rodrigues, Marcília Rodrigues, Joana Velez, Theo Zachmann
Desenho de luz - Paulo Ramos, Joana Craveiro
Direcção de montagem - Paulo Ramos
Produção executiva - Cristina Rodrigues
Produção Festival - Escrita na Paisagem
Agradecimentos - Alice Fernandes, André Salvador, Aninhas Sousa, C.A.L., Café das Tâmaras, Custodia Ribeiro, Família Alegria, Festival Escrita na Paisagem, Inês Rei, Joana Velez, Joana Rodrigues, Lígia Santos, Lúcio Neto, Maria da Graça Moutinho, Paulo Ramos, Pedro Serronha Jorge, Teatro do Vestido

Quando a nossa imagem ficava gravada nós tornávamo-nos aquilo. Mas depois não queríamos ser aquilo e íamos lutar para rasgar uma a uma todas as fotografias onde tivéssemos ficado aprisionados. No tempo em que eles nos fotografavam sem pedir, no tempo em que nós posávamos para as fotografias sem saber, no tempo em que eles ainda nos podiam subornar com dinheiro (para pastilhas) para vestirmos o vestido dos laçarotes, ou para pentearmos o cabelo, ou para nos mostrarmos apresentáveis. No tempo em que éramos apresentáveis. No tempo em que ainda não utilizávamos essa expressão 'no tempo'. Um dia veio parar às nossas mãos um conjunto de fotografias de pessoas que não sabemos quem são. Um dia começámos a escrever-falar sobre isso.

Um dia já éramos aquelas pessoas, ou aquelas pessoas permitiram-nos começar a falar de nós. Um dia demos por nós a utilizar a expressão 'um dia'. Porque de repente era tudo no passado, eram tudo especulações sobre a vida de outros. Depois trouxemos as nossas fotografias. Um conjunto delas. Depois instalámos uma parede que éramos nós. Depois fomos para a rua com a tarefa específica de fazer uma visita guiada a um local. Depois a expressão 'depois' tornou-se obsoleta, e foi aí que nos pusemos a repetir coisas. Ideias, textos, cenas. De repente éramos máquinas de fixar momentos. O nosso corpo era isso. A máquina da qual queríamos falar, o processo sobre o qual era o nosso exercício - o de fixar momentos - éramos afinal nós. Nós, que ainda não tínhamos nascido para esta evidência: o que nós vemos não está lá; realmente, queremos nós dizer. Inventamos o que vemos, construímos o que vemos, e está tudo bem, aceitamos as ficções como parte natural da vida. Os nossos olhos são uma máquina de fixar memórias. A nossa cabeça é uma máquina de as editar. Ou, pelo menos desejaríamos que assim fosse. Na verdade, nós não somos realmente máquinas. Somos só transparentes.

À Transparência é o exercício final da Licenciatura em Teatro da Universidade de Évora. Estamos a construí-lo como espécie de épico do olhar e da memória, estamos a fazer este percurso de nos encontramos na sua construção. Há diversas partes: Prólogo, Câmara Escura, Estúdio de Revelação, Lá Fora.

O exercício teve como ponto de partida a fotografia, o acto de fotografar, a memória, a prática autobiográfica no contexto performativo, e o mapear da cidade.

Joana Craveiro

Joana Craveiro é actriz, encenadora e co-fundadora e directora artística do Teatro do Vestido. Concluiu, em 2004, o Master of Drama em Encenação, da Royal Scottish Academy of Music and Drama, de Glasgow. Licenciada em Antropologia pela Universidade Nova de Lisboa, FCSH, foi professora de Interpretação na Escola Superior de Teatro e Cinema, entre 2004 e 2006, e na Royal Scottish Academy of Music and Drama, em 2004. Neste ano, ganhou o prémio de encenação Avrom Greenbaum, da Royal Scottish Academy of Music and Drama. Concluiu, em 2006, o 2º Curso de Encenação da Fundação Calouste Gulbenkian, sob a direcção do Professor Alexander Kelly, da companhia Third Angel. Na Escócia, em 2003, foi assistente de encenação de Graham Eatough, da Suspect Culture Theatre Company. Tem trabalhado como dramaturga para diversos criadores. Dirige, desde Outubro de 2006, juntamente com os membros do Teatro do Vestido, o projecto pedagógico Zonas.

SALADAS TIPOGRÁFICAS & OUTRA BARBARIDADES AFINS




SALADAS TIPOGRÁFICAS & OUTRA BARBARIDADES AFINS
Pedro Proença
PT
ARTE DE GUERRILHA



Arraiolos, Évora, Redondo, Sines, Viana do Alentejo, numa rua perto de si
1 de Julho a 30 de Setembro

Impressão: Staples e Recicloteca

Uma brincadeira gráfica, um jogo de escrita, uma construção de letras, estilos e imagens em combinações divertidas. É este o resultado do trabalho de Pedro Proença.

A história da imprensa e da ilustração, assim como as vanguardas artísticas do princípio do século XX, proporcionam-lhe uma infinidade de referências que ele re:combina com o gosto do funny joke e com um êxito engenhoso.

O Pedro Proença é um ilustrador cujo trabalho recupera o grafismo grego, as cores brilhantes da estética Pop, a ilustração publicitária dos anos 50 e gravuras exóticas de baixa qualidade e, ao mesmo tempo, pega na história dos estilos gráficos, desde o nascimento da imprensa a caracteres móveis nos tempos do Gutenberg, passando pelas elegantes letras barrocas, até a inesquecível experiência do Futurismo, Construtivismo, Dadaísmo, para juntá-los numa nova combinação.

Pedro Proença re:assembla, re:pinta, re:utiliza, corta-pega, copia-cola a gráfica, escrita e ilustração. Brincar com as letras, brincar com as palavras e o lugar que ocupam na folha é um processo lúdico que lhe permite aproveitar aquilo que já existe e construir algo novo. Cabeçalhos entrelaçados, recortes de títulos e fontes, fonts e desenho, imagem e palavra, palavra-imagem, a escrita como imagem, tudo resulta com um imparável tom de brincadeira, num sério trabalho para a imprensa e a ilustração. Um ataque irónico ao mundo do sentido linguístico, à imagem em formato de cartaz. As suas partes não são novas, mas o resultado é inesperado.

Pedro Proença, nasceu em Lubango (Angola) em 1962. Frequentou e terminou o curso de pintura da Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa. Expõe com regularidade desde 1981. Em fundou 1982 o "movimento homeostético", cujas obras compuseram um número reduzido de exposições e que em 2011, terá verá a primeira retrospectiva organizada pelo Museu de Serralves. A sua obra tem reconhecimento nacional e internacional. Realizou a sua primeira exposição individual em 1984, em Portugal e a partir de 1987 começa a expor a nível internacional.

No final dos anos 80 iniciou um ciclo de instalações no qual continua a trabalhar, num constante “work-in-progress”. Nestes trabalhos, usa materiais pobres, estruturados de acordo com arquitecturas existentes ou construções que enfatizam a multiplicidade da dinâmica de enquadramentos. Instalações e pinturas complementam-se no trabalho de Pedro Proença, concretizado tentativas de seriar a “pluralidade do sujeito” e de responder, uma e outra vez, a questões (mais ou menos actuais) que o campo artístico lhe coloca, e às quais não consegue ficar indiferente.

Desenvolve igualmente trabalho no campo da ilustração, em livros para todas as idades, e na escrita, tendo publicado ficção (The Great Tantric Gangster), poesia (O Homem Batata) e ensaios (A Arte ao Microscópio).

Évora Perdida no Tempo - Festa no Largo de Aviz.


Autor José António Barbosa
Data Fotografia 1900 - 1910
Legenda Festa no Largo de Aviz.
Cota GPE436 - Propriedade Grupo Pró-Évora

Jacksonmania no Festival Alentejo dia 31 de Julho


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...