quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

A Antiga Rua da Selaria (actual 5 de Outubro)

Não há na cidade artéria mais comercial e concorrida que a antiga Rua da Selaria, hoje com a denominação de 5 de Outubro. Esta proeminência advém – lhe do facto de funcionar há, pelos menos, sete séculos como o mais rectilíneo trajecto de ligação da cidade antiga com a cidade medieval, tomando como pontos de referência, respectivamente, a Acrópole e a Praça do Giraldo.
Segundo o padre Júlio César Baptista, historiador de âmbito local que viveu na centúria passada, a primeira menção à sua existência reporta-se ao ano de 1376 e foi encontrada entre “Os pergaminhos dos bacharéis da Sé de Évora”. Em 1384 também Fernão Lopes, na “Crónica del Rei Dom João I da boa memória”, lhe faz alusão ao relatar a morte da Abadessa de S. Bento, que o povo destemperado tomou por favorável a Castela e contra o Mestre da Avis.
Que, ainda antes disso, a rua já tinha vocação mercantil, assevera-o o notável historiador Afonso de Carvalho, grande estudioso “da toponímia eborense”, no primeiro volume da obra homónima em que escalpelizou minuciosamente a temática, atribuindo-lhe as primitivas designações de Rua dos Mercadores e Rua da Sapataria, em curso no século XII. Contudo, mesmo enquanto Rua da Selaria, ela nunca foi ocupada totalmente por gente do ofício, ou seja, por fabricantes de selas e arreios.
Certo é – de acordo com o referido especialista – que ali terão habitado e comerciado diversos manufactureiros de couros. Igualmente confirmada é a presença, naquela via, de ourives de origem judaica cujo labor principal consistia na lavragem da prata. A crescente actividade comercial que a animava fez mesmo com que viesse a ser a primeira rua calcetada da cidade, em meados do século XV.
De então para cá correram mais de cinco séculos, mas a rua não perdeu a sua feição originária, ainda que a evolução dos tempos haja determinado que, em diferentes momentos e em função das necessidades económicas, outros tipos de actividades e de serviços ali se fossem instalando. Muitas delas, porém, não perduraram porque esse não era o seu espaço natural. Por outro lado, é preciso não esquecer que também as antigas oficinas de produção pré-industrial foram sendo, naturalmente, afastadas dos centros das cidades e transferidas para outras zonas, nelas ficando apenas as lojas de venda e transacção de artigos.
Foi o que aconteceu na Rua da Selaria, que os republicanos rebaptizaram com a data da implantação do novo regime, mas cujo nome oficial não colou entre as gentes da cidade, exactamente as mesmas que não deixaram que o arruamento se descaracterizasse. Entretanto o turismo e a procura crescente de Évora fizeram-no ganhar um novo fôlego e trouxeram-lhe uma dinâmica insuspeita com a atribuição do estatuto de Património Mundial pela Unesco ao Centro Histórico da cidade em 1986.
Hoje, mais do que nunca, a Rua da Selaria é a via mais emblemática do comércio tradicional da região. Nesse caminho estreito, relativamente longo e de declive suave, que vai da Praça do Giraldo à Catedral e é calcorreado diariamente por centenas de visitantes nacionais e estrangeiros, existem 9 lojas onde se podem encontrar os mais diversos produtos artesanais, desde a olaria de S.Pedro do Corval, Redondo e Nisa aos bonecos de Estremoz, passando pela Tapeçaria de Arraiolos. A oferta estende-se ainda a muitos produtos regionais: objectos de cobre, estanho, ferro forjado; latoaria e cestaria em verga e vime; adornos e miniaturas em cortiça; peles (vestuário) e feltro; cerâmica, rendas, trapagem e bordados e outros diversos, às vezes feitos dos materiais mais inusitados.
No conjunto deste tipo de comércio três estabelecimentos merecem contudo particular destaque. Mencione-se em primeiro lugar a Galeria Teoartis, onde a artista Teodolinda Pascoal recria com grande mestria a azulejaria tradicional alentejana; depois, sublinhe-se a loja de Santos & Santana, na qual o tradicional mobiliário alentejano, pintado à mão, enche o olho a qualquer transeunte, sendo que a derradeira referência vai para “O Alforje”, onde alguns doces regionais de fabrico caseiro têm preparo de excepção.
Nesta rua de mercancia turística onde se cruzam idiomas, acotovelam dialectos e atropelam sotaques, três ourivesarias fazem lembrar tempos de antanho. No domínio dos trabalhos de couro, destinados ao adorno e equipagem de cavalgaduras e cavaleiros, ou à prática da montaria, só já a “Arte Equestre”, excelente loja situada na Rua Diogo Cão (transversal à Rua da Selaria) os pode fornecer.
Mas na Rua de Selaria, que deve ser percorrida com vagar, o visitante pode ainda admirar o insólito Beco do Espinosa, no qual se localiza o poço quatrocentista ou o nicho do Senhor Jesus dos Terramotos, rodeado por um caixilho de azulejos de estilo rococó e fabricação lisbonense, assim chamado por estar datado de 1 de Novembro de 1755. Quatro restaurantes, uma cafeteria e duas residenciais completam a oferta desta rua, que conta ainda com a presença de uma agência de viagens.

Texto: José Frota

2 comentários:

Anónimo disse...

http://achatcialisgenerique.lo.gs/ cialis generique
http://commandercialisfer.lo.gs/ cialis acheter
http://prezzocialisgenericoit.net/ cialis costo
http://preciocialisgenericoespana.net/ cialis

Anónimo disse...

http://prixviagragenerique50mg.net/ acheter viagra
http://prezzoviagraitalia.net/ acquisto viagra
http://precioviagraespana.net/ generico viagra

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...