quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Uma Visita ao Aqueduto

Uma visita a Évora fica sempre incompleta se circunscrita ao deambular pelo Centro Histórico. Nos arredores há também património edificado a conhecer, envolto por paisagens naturais de grande beleza e onde perpassa o aroma das ervas e flores campestres, proveniente das inúmeras quintas e hortas que cinturam a cidade. E, no meio dessa tranquilidade, é prazeiroso sentir o contágio do multifacetado canto dos passaritos que esvoaçam alegremente por todo o lado.
Um desses passeios pedestres e ambientais, em que se conjuga o valor ecológico com o enriquecimento do espírito, é sem dúvida o que nos conduz ao conhecimento pormenorizado do Aqueduto da Água de Prata, a mais importante estrutura hidráulica construída em Portugal no século XVI (1533-1532). A monumental estrutura foi mandada erguer pelo rei D. João III, cuja corte passava longos períodos na cidade e que, tal como a população, se sentia afectada com a escassez de água.
Évora sempre tinha enfrentado problemas no abastecimento de água. Tudo leva a crer que os seus habitantes, até à construção do Aqueduto, captassem o precioso líquido através de minas, poços e cisternas nas respectivas moradias. Como a dificuldade na sua obtenção se agudizava nos meses de estiagem, causando incómodos e embaraços ao augusto monarca, à sua veneranda família e ilustre séquito, este decidiu encarregar o arquitecto eborense Francisco de Arruda de construir um aqueduto que pusesse termo ao problema da captação de água potável e da sua distribuição pela cidade.
A tomada de água foi efectuada nas nascentes próximas de Nossa Senhora da Graça do Divor, no concelho de Arraiolos, e transportada por gravidade para a cidade, através de uma magnífica e deslumbrante arcaria com cerca de 19 km de extensão. A obra de alvenaria transpôs mesmo as muralhas da cidade, junto à Porta da Lagoa, avançou pela Rua do Cano e chegou à Praça Grande. Maria Mourato Monteiro e Virgolino Ferreira Jorge, no nº. 21 da revista “Monumentos” consideram que «a distribuição colectiva de água potável aos diferentes pontos do tecido urbanizado de então, fazia-se, sobretudo, por meio de fontes, chafarizes, lavadouros e balneários públicos».
À água da conduta acediam também os donatários (favorecidos por uma doação) reais, que se foram multiplicando ao longo dos anos seguintes. Para gerir a situação, que exigia naturalmente uma utilização metódica e eficiente da água, foi criado um “Regimento do Aqueduto da Água de Prata”.
Durante quatro séculos, o Aqueduto foi cumprindo a sua função de utilidade pública. Em meados da penúltima centúria, já bastante arruinado, foi alvo de operações de beneficiação e restauro, pois já era evidente que não conseguia satisfazer na totalidade as necessidade de consumo. Com começo em 1873, a estrutura foi reconstruída, recebendo uma nova conduta ao mesmo tempo que se procedia a uma redução do comprimento inicial do Aqueduto, obtida pela abertura de trincheiras e elevação de mais arcadas.
Todas estas benfeitorias adiaram, apenas por mais umas décadas, o problema da distribuição da água. Em 1933, os eborenses puderam finalmente dispor do abastecimento doméstico de água potável em conexão a uma rede de esgotos subterrâneos. A importância do Aqueduto decresceu notoriamente. As fontes e chafarizes foram sendo abandonados, mas o antigo cano real ainda é responsável por cerca de quinze por cento do actual consumo citadino.
Dos seus 19 kms de extensão, 8,3 estão à disposição do usufruto público e da utilização como meio turístico. Neste último caso recomenda-se que o passeante use roupa e calçado desportivo e leve água e comida consoante a dimensão do percurso que tem em mente efectuar.
Os acessos, no sentido ascendente, são três, designados pelas primeiras letras do alfabeto, havendo em cada um parque de estacionamento para visitantes. O Acesso A tem o seu início junto ao Convento da Cartuxa, passando pela Quinta da Torralva e por S. Bento de Cástris, caminhando por uma zona ladeada de pastagens. A partir daí o Aqueduto é subterrâneo e só voltamos a poder segui-lo à superfície do outro lado da estrada de Arraiolos.
Começa aí o Acesso B, entre montados de sobro e azinho. Ao fim de aproximadamente mil metros, aparece a Fonte do Arcediago, situada na quinta do mesmo nome e que foi casa de campo do grande humanista, de renome internacional, André de Resende. Frade dominicano, natural de Évora, teve sempre um acrisolado apego à terra que lhe serviu de berço. Neste fontanário que mandou erguer em 1593, para seu descanso e devaneio espiritual, deixou duas inscrições latinas da sua autoria, hoje já pouco perceptíveis.
É nesta zona que se observam melhor as caixas de visita, facilmente detectáveis por serem encimadas por um pináculo e que servem essencialmente para a decantação da água. Grosso modo, são pequenos poços de alvenaria que, situando-se em plano inferior ao do cano, recebem os detritos sólidos arrastados pela água, sendo ainda portadores de uma porta lateral que possibilita a sua limpeza.
Ao cabo de mais algum tempo, entra-se num pequeno bosque, formado em torno do Ribeiro de Pombal, que, a partir das intervenções verificadas à entrada do terceiro quartel do século XIX, é possível ultrapassar pedonalmente. Nessa altura foi construída uma arcada, chamada do Cano Alto, com o objectivo de reduzir a distância de contorno do vale. Na pequena mata abundam os espaços ripícolas (localizados na margens do ribeiro), povoados de freixos, loureiros, salgueiros, hera ou silvas, contrastando com os mais afastados, onde espécies menos ávidas de água como a oliveira, a azinheira, salsaparrilha ou o medronheiro afirmam a sua presença. Assim nos vamos aproximando da zona de Metrogos, as redes das nascentes.
Começa o acesso C, que faz a ligação entre a rede das nascentes e um ponto extremo da Estrada do Sr. dos Aflitos, com travessia do caminho dos Arcos do Divor. É este o final do passeio ao longo da parte visível do Aqueduto da Água de Prata, notável obra da arquitectura e da engenharia hidráulica. Informações sobre a organização de passeios podem ser solicitadas no Posto de Turismo de Évora.

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...