quinta-feira, 30 de junho de 2011

Leilão de porcos em Évora rende 5500 euros

O leilão dos porcos da exposição ‘Pig Parade’, que ficou famosa pelo roubo de 12 das 52 peças, rendeu 5500 euros a favor da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Évora.
Todos os porcos, construídos em fibra de vidro e pintados por alunos de diversas escolas e instituições deste concelho, foram adquiridas pela população. A peça mais valiosa rendeu 310 euros.
O leilão, que teve lugar na noite de ontem no recinto das Festas Populares da Cidade no dia de S. Pedro, feriado municipal, constituiu um enorme sucesso, tendo como base de licitação inicial de 100 euros por cada porco.
António Maia, residente no Ciborro, no concelho de Montemor-o-Novo, foi o primeiro a licitar, levando para casa um dos “porcos decorados”. “Vim de propósito para ajudar a causa. Agora, o porco vai embelezar o meu jardim”, disse.
Para promover o 2º Congresso Iberoamericano de Suinicultura que decorreu em Évora entre os dias 21 e 24 de Junho, foram distribuídos pelas principais praças e ruas da cidade de Évora 52 porcos em fibra de vidro.
O primeiro foi roubado na primeira noite, no dia 13 de Junho. Depois seguiram-se mais 11, o que obrigou a autarquia a concentrar todas as peças na Praça do Giraldo, a única da cidade com vigilância permanente da PSP. Tal como o CM noticiou, foi criada um grupo no Facebook para tentar recuperar os porcos. Três foram mesmo recuperados. Um foi encontrado abandonado junto à estrada de Arraiolos. Os outros dois apareceram dias antes do leilão. Um trazia um bilhete, escrito com humor em jeito de pedido de desculpa.

A Fonte da Porta de Moura


Chamada de fonte por uns e de chafariz por outros, sem dúvida que é um monumento de arquitectura civil renascentista bastante gracioso, devido às características artísticas e peculiares que apresenta.
A sua inauguração deu-se em finais de 1556, tendo sido construída graças à existência do magnífico Aqueduto da Água da Prata que permitiu a condução da água até à zona da cidade denominada por Porta de Moura.
A concepção e o projecto da obra foram da responsabilidade do arquitecto Diogo de Torralva, conservador do Aqueduto e mestre das obras da Comarca.
A edificação da fonte deve-se ao Cardeal-Arcebispo D. Henrique, regente na menoridade de D. Sebastião, tendo contribuído para a obra, – inclusive na realização dos respectivos canos, – os moradores vizinhos, o município com 8.000 reis e D. Jaime, o Duque de Bragança, por ter o seu Paço situado nas proximidades da zona. A casa do ducado de Bragança recebia inclusivamente os sobejos da água da fonte, através de canalização subterrânea. Vários eram os moradores que recebiam os sobejos da fonte, a que tinham direito, consoante as épocas de estiagem.

Évora Perdida no Tempo - Baile na Sociedade Joaquim António de Aguiar


Grupo na sala de baile na Sociedade Joaquim António de Aguiar (SOIR, Sociedade Operária de Instrução e Recreio), no Patio do Salema.
Autor David Freitas
Data Fotografia 1947-04-13 -
Legenda Baile na Sociedade Joaquim António de Aguiar
Cota DFT7668 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Suspensão do TGV representa "abandono" do Alentejo

O presidente da Câmara de Évora, José Ernesto Oliveira, manifestou nesta quarta-feira o seu "protesto com veemência" pela suspensão do projecto de alta velocidade ferroviária (TGV) Lisboa-Madrid, considerandoque representa o "abandono" do Alentejo e "compromete" projetos turísticos.
"Lamento e protesto com veemência contra a decisão que acaba de ser anunciada", afirmou o autarca socialista de Évora, reagindo à decisão do Governo de suspender o TGV entre as duas capitais ibéricas, projeto que previa uma estação nesta cidade alentejana.
O Governo decidiu suspender o projecto de Alta Velocidade Lisboa-Madrid, mas este poderá ser reavaliado, segundo o programa do Executivo divulgado na terça-feira.
De acordo com o documento do Governo, "poderá sujeitar-se o projeto a uma reavaliação, incluindo o seu conteúdo e calendário, numa óptica de optimização de custos, à luz dos novos condicionalismos, e que deverá ter em conta o estatuto jurídico dos contratos já firmados".
O programa refere que "uma eventual renegociação só poderá proceder de uma avaliação deste tipo".
Em declarações aos jornalistas durante as cerimónias comemorativas do feriado municipal de Évora, José Ernesto Oliveira afirmou que a suspensão do TGV representa "uma vez mais a repetição daquilo a que a direita já habituou o Alentejo, que é o esquecimento desta terra sacrificada, desta terra que tem sido, durante anos e anos, abandonada sempre que a direita está no poder".
"Infelizmente, repete-se a história. O Alentejo não conta para a direita, os alentejanos não contam para a direita. Os alentejanos, no fundo, são cidadãos de segunda, são portugueses, que, talvez por sermos poucos, não contamos nas contas que a direita faz", disse.
O autarca de Évora considerou ainda que a decisão de suspender o TGV vai "comprometer" projetos turísticos que estavam previstos para o concelho de Évora e que contavam com a alta velocidade ferroviária em 2013.
"Para Évora é uma perda muito grande, por ser uma cidade Património Mundial, com mais de meio milhão de visitantes, a maioria dos quais estrangeiros", disse.
"Estar a cidade inserida numa rede de alta velocidade que a pusesse em contacto próximo com outras cidades da Europa era importantíssimo para o desenvolvimento", sublinhou.

Caracol Andador (Recordando a Lorca y la Argentinita)



Fórum Eugénio de Almeida | 19h00

30 de Junho - Caracol Andador (Recordando a Lorca y la Argentinita)

Espanha, Valladolid



Celebrando os 80 anos de Colección de Canciones Populares Españolas - um trabalho discográfico do poeta e dramaturgo espanhol, Federico García Lorca que, ao piano, acompanhava a cantora La Argentinita - apresenta-se o projecto dos Caracol Andador.

Com diversos estilos musicais, estes músicos decidiram recuperar o repertório e criar um novo trabalho discográfico com temas tão populares como En el Café de Chinitas, Las tres Hojas, Los Cuatro Muleros ou Las Morillas de Jaén.



Alberto Requejo - saxofone

Chuchi Marcos - baixo

Jaime Lafuente - voz

Jesús Ronda - guitarras

Paco Tejero - bateria



Entrada: 5,00 € | Bilhetes à venda no Fórum Eugénio de Almeida

Évora Perdida no Tempo - Pátio do antigo Palácio do Farrobo

Pátio do antigo Palácio do Farrobo (antigo Quartel dos Bombeiros), demolido em 1963 para dar lugar ao Palácio da Justiça.
Autor David Freitas
Data Fotografia 1963 ant. -
Legenda Pátio do antigo Palácio do Farrobo
Cota DFT7662 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

terça-feira, 28 de junho de 2011

XII Ciclo de Concertos “Música nos Claustros”



O Ciclo de Concertos “Música nos Claustros” realiza-se nos meses de Julho e Setembro, e tem como objectivo promover eventos musicais que possam contribuir para qualificar a oferta cultural a nível do Turismo Cultural e estabelecer uma programação que dê relevo temporal à Música Antiga, à Ópera e à Opereta e aos vários Períodos da criação musical. Pretende aprofundar a relação entre o património construído, neste caso o Convento dos Remédios, em Évora, e a adequação de uma oferta musical regular à fruição pelo público e à participação de grupos musicais da região do Alentejo e do país.

Dia 2, 21h30 – Violino e Piano – Lina Uinskyte (violino) e Mauro Dilema (piano)
Programa: Edvard Grieg (1843-1907): Sonata Op. 45 nº. 3 - Allegro molto e appassionato; Allegretto espressivo alla romanza e Allegro animato; Franz Schubert (1797 - 1828): Fantasia Op. 159 in Do Maggiore; Camille Saint-Saëns (1835-1921): Sonata Op. 75 nº. 1 - Allegro agitato – Adágio e Allegretto moderato - Allegro molto.
Lina Uinskyte nasceu em Vilnius (Lituânia), licenciou-se na Alta Escola de Arte "M.K. Ciurlionis" sob a orientação de I. Armonaite. Em 1996 obteve uma bolsa de estudo no “Istituto Musicale Internazionale Santa Cecilia" de Portogruaro (Itália) onde concluiu os estudos com Pavel Vernikov. Determinante para a formação violinistica e para o desenvolvimento do som foi o encontro na "Muraltengut" de Zurique com o violinista e maestro dos "Virtuosos de Moscovo", Vladimir Spivakov. Lina Uinskyte ganhou varios concursos entre os quais "Gesualdo da Venosa" di Potenza, "Città di Brindisi", "Guido Rizzo" di Roma, entre outros. Deu aulas de violino no “Istituto Musicale V. Bellini" de Catania. Actualmente é docente de violino no Conservatorio de Musica “G.Verdi” de Como. Toca um violino cópia do “Cannone” de Guarneri del Gesù, construído em 1800 por Gabriel Lembock.
Mauro Dilema, de nacionalidade italiana, concluiu o curso superior de piano com a idade de vinte anos tendo obtido a classificação máxima e a distinção no Conservatório de Música de Matera. Classificou-se desde pequeno nas competições nacionais, internacionais e execuções pianísticas. No ano 1998 obteve uma Bolsa de estudo no “Teatro alla Scala” de Milão corno pianista acompanhador e no ano 1999 foi o primeiro classificado na competição para pianista solo e de câmara na Orquestra do Teatro de Volterra. A sua atividade como concertista levou-o a várias cidades italianas e estrangeiras quer a solo, quer integrado em diversas formações. Colabora há oito anos com a Universidade de Évora como Professor de Piano leccionando também no no Istituto Superiore di Studi Musicali “G. Donizetti” em Bergamo

Dia 3, 21h30 – Concerto pelo “Coro Polifónico Eborae Mvsica”, direcção Pedro Teixeira
Programa – Tema: A Noite. Madrigais e Música contemporânea de Lopes Graça e Eurico Carrapatoso.

Dia 9, 21h30 – Canto e Piano – Valérie Vervoort (soprano) e Jill Lawson (piano)
Programa: Chopin: Nocturnes e Claire de lune de Debussy; Debussy: Nuit d’étoiles, Beau soir, Pierrot; Fauré: Après un rêve, Clair de lune, nocturne; Hahn: L’heure exquise, Nocturne, Dans la nuit, l'Enamourée e La nuit; Massenet: Nuit d’Espagne, Madrigal; Poulenc: Le sommeil e Lune d’avril; Saint-Saëns: Rêverie; Lekeu: Nocturne; Jongen: Après un rêve
Valérie Vervoort-Lawson, soprano, terminou os estudos de Canto no Conservatório Real d’Anvers instituição onde iniciou a sua aprendizagem na classe de Lucienne Van Deyck. Em Junho de 2003 diplomou-se na classe de Guy de Mey. Paralelamente estudou com Stephanie Friede e no Brooklyn Conservatory College, na classe Trish McCaffrey. Tem realizado recitais como solista e participado em várias óperas, em vários países.
Jill Lawson, pianista, de nacionalidade luso-americana, nasceu no México em 1974. Iniciou os estudos de piano com a professora Heidi Hendrickx na Academia de Música de Antuérpia tendo continuado no Conservatório Real de Antuérpia, onde teve aulas sob a direcção de Levente Kende. Em 2004, no Peabody Institute em Baltimore, obteve o Mestrado de Música. Fez vários cursos de aperfeiçoamento com Maria Tipo, Sequeira Costa, Vladimir Viardo, Dimitri Bashkirov e Maria João Pires.

Dia 10, 21h30 – Recital de Violino e Piano por Bruno Monteiro e João Paulo Santos
Programa: George F. Händel (1685-1759): Sonata para Violino e Piano em Fá Maior HWV 370 – Adagio, Allegro, Largo e Allegro; Edward Grieg (1843-1907): Sonata nº3 para Violino e Piano em Dó menor Op.45 - Allegro molto ed appassionato, Andante expressivo alla Romanza e Allegro molto; Ernest Bloch (1880-1956): Suite Baal Shem para Violino e Piano - Vidui (Contrition), Nigum (Improvisation) e Simchat torah (Rejoicing); Pyotr I. Tchaikovsky (1820-1869): Souvenir d’un Lieu Cher para Violino e Piano Op.42 – Meditation, Scherzo e Melodie; Maurice Ravel (1875-1937): Tzigane, Rapsodie de Concert.
Bruno Monteiro nasceu no Porto, foi aluno de Carlos Fontes, em cuja classe concluiu os seus estudos em Portugal com 20 valores. Paralelamente recebeu a orientação de Gerardo Ribeiro, com quem trabalhou particularmente em Chicago, nos Estados Unidos da América, como bolseiro da Fundação Gulbenkian e da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento. Licenciado em Música (Violin Performance) pela Manhattan School of Music de Nova Iorque com as mais elevadas classificações, como bolseiro da Fundação Gulbenkian e do Centro Nacional de Cultura.Tocou como solista com numerosas orquestras, das quais se destacam a Orquestra Filarmonia das Beiras, Orquestra do Norte, Orquestra Sinfónica de Palma de Maiorca, Orquestra Clássica da Madeira, Orquestra Sinfónica Portuguesa e a English Chamber Orchestra.
João Paulo Santos concluiu o curso superior de Piano no Conservatório Nacional de Lisboa na classe de Adriano Jordão. Trabalhou ainda com Helena Costa, Joana Silva, Constança Capdeville, Lola Aragón e Elizabeth Grümmer. Na qualidade de bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian aperfeiçoou-se em Paris (1979/84). Depois de ter ocupado o cargo de Maestro Assistente do Coro do Teatro Nacional de São Carlos (1984) foi nomeado Maestro Titular (1990/2004). Actualmente é Director de Estudos Musicais e Director Musical de Cena do mesmo Teatro. Na qualidade de pianista apresenta-se a solo, em grupos de câmara, acompanhando cantores, e em duo com a violoncelista Irene Lima desde 1985. Foi galardoado com o Prémio «Acarte 2000» pela direcção musical de The English Cat.

Dia 23, 21h30 – Ópera e Musicais – Abel Chaves (piano), Madalena Paiva Boléo (mezzo-soprano), Sofia de Castro (soprano), Diogo Oliveira (barítono) e Paulo Carrilho (tenor).
Programa: I Parte – Ópera: "Non ti fidar o misera" (Don Giovanni) – Mozart; "Dunque Io Son" (Il Barbiere di Siviglia) – Rossini; “Una donna a quindici anni” (Così fan tutte) – Mozart; “Un’ aura amorosa” (Così fan tutte) – Mozart; “Habanera" (Carmen) – Bizet; “Je dis que rien ne m’epouvante” (Carmen) – Bizet; "Adina, credimi" (Elixir do Amor) – Donizetti; “Bella siccome un angelo” (Don Pasquale) Donizetti; “Dôme épais le jasmin” (Lakmé) – Delibes; "I got Plenty o’nuttin" (Porgy and Bess) - G. Gershwin e “Bella figlia dell'amore" (Rigoletto) – Verdi. ll Parte – Musicais: "Circle of Life" (Lion King) - Elton John; "Relativity Rag" (Einstein’s Dreams) - Joshua Rosenblum; "l feel pretty" (West Side Story) - Leonard Bernstein; “No one knows who I am” (Jeckyll and Hyde) - Frank Wildhorn; "Dangerous Game" (Jeckyll and Hyde) - Frank Wildhorn; "I Wanna Be a Producer" (The Producers) - Mel Brooks; "Sun and Moon" (Miss Saigon) - M. Schonberg; "So in love" (Kiss Me, Kate) - Cole Porter; "lmpossible Dream" (Man of La Mancha) - Mitch Leigh; "Lilly’s Eyes" (Secret Garden) - Lucy Simon; "OId Devil Moon” (Finian's Rainbow) - Burton Lane e "One day more" (Les Misèrables) - M. Schonberg
Abel Chaves nasceu em Ponta Delgada (Açores) onde começou a aprender música com o seu pai, prosseguindo os estudos na Academia de Amadores de Música, e mais tarde no Conservatório Nacional de Música de Lisboa. É pianista e apresenta-se regularmente, desde 2001, em eventos e recitais de Canto e Piano. É também carrilhanista do Palácio Nacional de Mafra, instrumento em que obteve especialização durante três anos na Bélgica com a classificação de "Grande Distinção", com a idade de 17 anos. No Conservatório Nacional de Música, estudou órgão na classe do professor Simões da Hora, em 1994 terminou o Curso de Piano com os professores Anna Tomasik e Luís Pinto, na Escola Profissional de Música de Almada (EPMA).
Madalena Paiva Boléo nasceu em Lisboa em 1974. Fez o Curso de Canto no Conservatório Nacional e a Licenciatura em Canto na Escola Superior de Música de Lisboa. Interpretou vários papéis de ópera em vários teatros do país incluindo o Teatro Nacional de São Carlos, Culturgest, Teatro da Trindade, São Luiz, Coliseu do Porto ou o Teatro Municipal de Almada. Foi também solista em várias obras sacras como o Stabat Mater de Pergolesi e Stabat Mater de Boccherini, entre outros. Colabora frequentemente com o Sintra Estúdio de Ópera. Trabalhou ainda nos musicais «Os Grandes Mestres do Musical Americano» e «O Último Tango de Fermat» no Teatro da Trindade.
Sofia de Castro é natural de Lisboa e é licenciada em Engenharia Informática. Iniciou os seus estudos de Canto em 1992 na classe do Profº José Manuel Araújo na Juventude Musical Portuguesa. Terminou em 2004 o curso de canto da Escola de Música do Conservatório Nacional na classe do mesmo professor. Da sua formação mais relevante fazem ainda parte masterclasses e cursos de técnica e interpretação vocal com vários professores. Cantou em ciclos de concertos como “Música nos Claustros” e “Musicando”, da organização de Eborae Musica e “Encontros com a Música Clássica”, da organização da Junta de Freguesia de Loures. Em 2003 iniciou a actividade de produtora de espectáculos e em 2009 a de professora de canto e técnica vocal, actividades que mantém até aos dias de hoje, em paralelo com a actividade de cantora.
Diogo Oliveira naceu em em Lisboa. É Licenciado em Engenharia da Linguagem e do Conhecimento pelas Faculdades de Ciências e de Letras da Universidade de Lisboa. Frequentou o curso de Canto da Escola de Música do Conservatório Nacional na classe de José Carlos Xavier. Participou em Cursos de aperfeiçoamento com Sarah Walker, Rudolph Knoll, Low Siew-Tuan (2003 – 2005) e Ernesto Palácio (2009. Em 2005 foi vencedor do primeiro prémio do Concurso Nacional de Canto Luísa Todi. Desempenhou recentemente o papel de Fallito em L’opera Séria (Florian Gassman) com a New European Opera em França no festival “Printemps des Arts” sob a direcção de Raphael Pichon, Accionista (Banksters de Nuno Corte-Real) no TNSC sob a direcção de Lawrence Renes e Doido Rei Clown (A Morte do Palhaço) de José Mário Branco e João Brites) sob a direcção de Jorge Salgueiro.
Paulo Carrilho nasceu em Lisboa. É licenciado em Meteorologia, Oceanografia e Geofísica na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Concluiu o 8º grau de formação musical na Academia de Música Eborense, onde frequentou também o 6º ano de piano e 3º ano de flauta transversal. Iniciou os estudos de Canto com a Prof. Maria Repas Gonçalves, tendo terminado o curso complementar de Canto, sob a sua orientação. Foi também aluno de canto da Prof. Sandra Medeiros. De momento estuda canto com a Prof. Liliana Bizineche no Mestrado de Música na Universidade de Évora.Colabora frequentemente com o Sintra Estúdio de Ópera. Em Maio e Junho de 2011 integrou o elenco com o personagem Ladrão Dono do Circo em “A Morte do Palhaço”, uma criação do Teatro O Bando, com texto de Raul Brandão, encenação de João Brites e música de José Mário Branco, co-produzido com o Teatro Nacional de S. João, em cena no Mosteiro S. Bento da Vitória no Porto e no Lx Factory em Lisboa.

Dia 30, 21h30 – Canto e Piano – Cátia Moreso (mezzo-soprano) – 1º Prémio do Concurso “Prémio José Augusto Alegria-2010), Leonel Pinheiro (tenor) e Ana Monteiro (piano)
Programa: Wagner – Wesendonck Lieder: Im treibhauss e Träume; Schumann – Belzasar; Poulenc – La Courte Paille: La Reine de Coeur e Les Anges Musiciens; Poulenc – alligrammes: L’Espionne e Voyage; Britten – Cabaret Songs: Johnny; Bizet – Carmen: Seguidille; Saint-Saens – Samson et Dalila: Mon coeur s’ouvre à ta voix; Massenet – Werther: Air des Lettres; Leoncavallo – I Pagliacci – Recitar - Vesti la Giubba e Donizetti – La Favorita – O mio Fernando.
Cátia Moreso iniciou os seus estudos musicias no Conservatório de Música D. Dinis, em Odivelas, onde estudou com Margarida Marecos. Em 2002, ingressou à Escola de Música do Conservatório Nacional de Lisboa onde estudou com Larissa Savchenko e Filomena Amaro. Prosseguiu os seus estudos com Isabel Biú. Fez diversas masterclasses, entre outros, com Elisabete Matos, Graham Johnson, Sarah Walker, Dame Kiri Te Kanawa e Malcolm Martineau. Foi vencedora do 1º Prémio no II Concurso de Canto da Fundação Rotária Portuguesa, Prémio Bocage no Concurso de Canto Luisa Todi e do 1º Prémio no Concurso de Canto José Augusto Alegria. Licenciada em Canto com distinção pela Guildhall School of Music and Drama e com o mestrado no Opera Course da mesma escola, Cátia estuda na classe de Susan Waters. É bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian e privadamente suportada por Maria Armanda Mateus. Planos futuros incluem National Opera Studio, Missa No. 3 (Grande) em Fá menor de Bruckner (Gulbenkian), Folk Songs de Berio em Londres.
Leonel Pinheiro é natural de Braga onde iniciou os seus estudos musicais no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian. Completou a Licenciatura em Ensino da Música, vertente Canto, na Universidade de Aveiro na classe de António Salgado. É Pós-Graduado em Concert Singing pela Royal Scottish Academy of Music & Drama na classe de Peter Alexander Wilson e recentemente concluiu o Mestrado em Performance, Estudos de Ópera (Opera Course) na classe de Susan McCulloch obtendo a classificação máxima. Leonel Pinheiro foi galardoado com o Patrick Libby Prize for Acting e foi-lhe atribuido o grau de Guildhall Artist Fellowship para o ano 2010/11. Actualmente é professor de Canto na City University of London e Coach de aprendizagem de repertório na Guildhall School of Music & Drama. Compromissos futuros incluem, entre outros, cover de Cavaradossi na ópera Tosca de Puccini para a Grange Park Opera. Actualmente trabalha com Susan McCulloch e Dennis O'Neill
Ana Monteiro nasceu em Lisboa em 1983 e iniciou os seus estudos musicais no Conservatório de Música D. Dinis. Frequentou masterclasses de piano com Helena Sá e Costa, Pedro Burmester, Vladimir Viardo, Paul Badura-Skoda, Velislava Palatchorova, Luís Moura Castro, Boris Berman, Naum Grubert, Leslie Howard e Julius Drake. Concluiu em 2005 o Bacharelato em Piano para Música de Câmara e Acompanhamento na Academia Nacional Superior de Orquestra sob a orientação da Professora Savka Konjikusic.Em 2008 recebeu da Fundação Eng. António de Almeida o “Prémio Eng. António de Almeida” como melhor aluna finalista de Licenciatura Instrumento/Piano da ESMAE. Concluiu em 2010 o curso de Mestrado em Música / Piano Interpretação com o Pianista António Rosado na Universidade de Évora. Actualmente, encontra-se a estudar na Guildhall School of Music and Drama (Londres) no curso de Mestrado em Piano Acompanhamento e Musica de Câmara. Como docente exerce funções na Escola de Música do Conservatório Nacional de Lisboa e no Conservatório de Música de Sintra.

Dia 31, 21h30 – Clarinete e Piano – Ana Maria Santos (clarinete) - (1º Prémio III Escalão do Concurso “Prémio José Augusto Alegria-2010) e Diana Botelho Vieira (piano)
Programa: C. Widor – Introduction et Rondo, para clarinete e piano; F. Donatoni – Clair (1º peça) para clarinete solo; F. Poulenc – Sonata para clarinete e piano; C. Debussy – Primeira Rapsódia para clarinete e piano e J. Brahms – 2.ª Sonata para clarinete e piano
Ana Maria Santos nasceu em Lisboa e licenciou-se com o professor Etienne Lamaison na Academia Nacional Superior de Orquestra. Em 2008 concluiu a pós-graduação em clarinete baixo, na classe do professor Harry Sparnaay, na Escola Superior de Música da Catalunha (Barcelona). No mesmo ano foi admitida na classe do professor Michel Arrignon na Escuela Superior de Música Reina Sofia (Madrid), sendo bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundación Carolina. Em 2010 ganhou o Primeiro Prémio no Concurso Internacional de Clarinete “Prémio José Augusto Alegria”. Em 2011 vai participar no Encuentro y Academia de Música de Santander e na Lucerne Festival Academy, que tem a direcção musical do maestro Pierre Boulez.
Diana Botelho Vieira nasceu na ilha de São Miguel, Açores, em 1984. Iniciou os estudos musicais na Academia de Música da Ribeira Grande e aos 10 ingressou no Conservatório Regional de Ponta Delgada onde se graduou como aluna de Irina Semeonova em 2003. Nesse mesmo ano muda-se para Lisboa onde estudou com Alexei Eremine na Academia Nacional Superior de Orquestra. Tem o Mestrado em Piano Performance, pela Chicago College of Performing Arts, onde estudou com Ludmila Lazar. É membro fundador do Quarteto Botelho Vieira. Em Chicago, tem-se dedicado intensamente ao ensino, fazendo parte neste momento do corpo docente da Christopher Laughlin School of Music, da DePaul University Community Music Division, e da People’s Music School. Foi seleccionada para, em Junho de 2011, participar no Summer Institute for Contemporary Performance Practice, um festival de música contemporânea prestigiado, em Boston.

Évora Perdida no Tempo - Simone de Oliveira na Papelaria Nazareth


Sessão de autógrafos de Simone de Oliveira na Papelaria Nazareth (secção de discos).
Autor David Freitas
Data Fotografia 1960 (?) - 1965 (?)
Legenda Sessão de autógrafos de Simone de Oliveira
Cota DFT3006 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

segunda-feira, 27 de junho de 2011

‘New York Times’ promove Évora

"A cidade de Évora tem charme suficiente para prender a sua atenção por dois ou mais dias." Esta é uma das frases que ilustram a extensa reportagem publicada no jornal norte-americano ‘New York Times’, dedicado à cidade de Évora.
O repórter Andrew Ferren revela os segredos da cidade património da UNESCO, salientando a arquitectura, as igrejas e a comida alentejana, "um pouco mais condimentada do que no resto do País". De resto, gabam-se os vinhos, "baratos e excelentes", e a monumentalidade da cidade alentejana. "Provavelmente, vai querer regressar", garante Ferren, acrescentando depois que Évora merece, por si só, uma viagem mais longa e não apenas como uma extensão de uma visita a Lisboa.
Na reportagem, há ainda referências a Monsaraz, Estremoz, Vila Viçosa, Arraiolos e aos locais arqueológicos da região.


Publicamos na integra a reportagem do NYT




From Lisbon, Visiting the Storied City of Évora

MANY day trips and overnight stays — especially to outlying towns and cities in southern Europe where weekend hours for shops and tourist sites can seem almost whimsical — often do little more than whet one’s appetite to return for a proper visit. But, at less than two hours by car from Lisbon, an overnight visit to the storied Portuguese city of Évora and the surrounding area packs a lot into relatively little time.

To start, there is the stunning combination of Roman, Gothic and Baroque architecture for which Évora has been designated a Unesco World Heritage Site. But there are many other aspects to the city, which is a bit like its churches — seemingly staid and whitewashed on the outside until you step inside to discover sumptuous interiors adorned with gleaming gold leaf and thousands of dazzling tiles.
Évora makes a great one-night stand because its charms come in varied and delectable bites, much like the petiscos or appetizers that start off most meals here. It also helps that these charms exist in such surprising abundance and proximity — virtually everything in the city is less than five minutes away from everything else — with most major monuments a good bit closer together.
At this walled city’s highest point, a brooding medieval cathedral sits next to the Museum of Évora, which in turn rubs shoulders with the Pousada dos Loios, the city’s state-run hotel set inside a former convent that dates from the 15th century. Facing the Pousada is the tile-encrusted church of St. John the Evangelist, which shares a courtyard with the palace of the noble Cadaval family, who have opened it as a quirky house museum where you’ll find grand family portraits and royal decrees from the family’s glory years in the 17th century as well as some Louis Vuitton luggage from the 20th century’s golden age of travel. In front of the palace are the remains of a Roman temple, and in front of that is a pretty little park with ice-cream vendors and views of Évora’s red tile rooftops and the 16th-century aqueduct stretching off into the distance.
It adds up to about 2,000 years of history in 20 paces, and you can easily see it all in a couple of hours.
The capital of Portugal’s Upper Alentejo region today, Évora has an impressive résumé with stints as an important Roman mercantile center and a fortified Moorish bastion. It became the center of the Portuguese court under the Avis dynasty (1385-1580), when many of its grandest buildings were constructed.
Equally relevant to the city’s appeal today is the fact that the Alentejo is a prime gastronomic and oenological destination, and a relatively inexpensive and unfussy one at that. Simply put, Alentejan food is zestier than most Portuguese fare, with a bolder use of herbs like coriander in a surprising array of dishes. And the region’s excellent, inexpensivewines include crisp, light whites that take the edge off the summer heat and hearty, full-bodied reds that pair perfectly with savory stews and game in cooler months. Most of the country’s excellent ham (“presunto” in Portuguese) and other pork products come from here. As does most of the world’s cork; the region’s famous black-footed pigs fatten themselves up on acorns that drop from the cork and holm oaks looming over the Alentejo’s gently rolling hills.
With summer’s heat already on the rise, mornings are the best time for getting out to explore Évora’s tangle of narrow streets. One of the most unusual sites in the city is the Capela dos Ossos, or Chapel of Bones, at the Church of San Francisco located at the southern edge of the old town. Here the bones and skulls of more than 5,000 monks have been put to striking decorative effect as wall treatment in this 17th-century chapel.
The surrounding streets offer glimpses of local life, with lots of small cafes and taverns and more than a few unusual shops like Lojatelier 73 (Rua Serpa Pinta 73), a brand-new store selling updated local handicrafts including ceramics, as well as aprons, bags and totes that the shop owner Isabel Bilro designs herself.
Like spokes of a wheel, the busiest streets lead into the shaded shopping arcades of Évora’s main square, the Praça do Giraldo in the center of the old city. Here you’ll find the tourist office and major banks as well as several large emporia of colorful linens and ceramics. Just north of the plaza it’s worth seeking out Mont’Sobro at Rua 5 de Outubro 66 for an almost impossibly extensive range of products — from fruit bowls and floor tiles to suitcases and umbrellas all made out of cork. (Even their business cards are printed on paper-thin cork.)
Évora slows down at meal times, and you should too. Among the city’s most cherished culinary experiences is dining at Tasquinha d’Oliveira, a tiny (14 seats) place with an oversize array of petiscos like stewed artichokes with ham, breaded baby lamb chops, salads of fava beans and chorizo, mushrooms with fresh mint, or bacalao with white beans and cilantro. All are beautifully presented and waiting at the table when guests arrive. As diners make their way through the dishes, new ones, like fresh goat cheese with fig jam, crispy bacalau fritters and savory empanadas filled with partridge and roast garlic, 
Another current hotspot is Dom Joaquim, where the chef Joaquim Almeida advises diners to try just one or two petiscos before sampling his elegant riffs on rustic Alentejan fare like Almofada — a hearty pork pie that serves two (and will run you just 14 euros).

A different type of creativity is on display across the street at the new gallery O Arco, at Rua dos Penedos 15 where a lifelong Évora resident, Francisco Piteira has painstakingly restored a 15th-century aviary that once housed falcons for a princely family into a gallery for antiques — including classic, curvy-legged Portuguese commodes and cabinets — and paintings and sculpture by contemporary Portuguese artists.
The town of Évora certainly has enough charm to hold your attention for two (or more) days but since you’ve most likely arrived by car, there is also lots to explore nearby. Within 30 minutes are the charming villages of Monsarraz, Estremoz and Vila Viçosa, with their Baroque palaces and medieval churches. To the north, the hilltop town of Arraiolos is the center of Portuguese carpet and tapestry weaving.
There are also wineries galore, like Herdade de Coelheiros, whose labels for their Tapada de Coelheiros wines are inspired by Arraiolos’s famous rugs. Even closer to Évora is Adega de Cartuxa. Depending on whether you’re driving from Lisbon or somewhere in Spain, you can map an itinerary that includes both large and small producers. Since Alentejo is not as well-known a wine region as the Douro, the actual visits are informal — but advance bookings are a good idea. (You can find more wineries and contact details atvinhosdoalentejo.pt.)
The area is rich in archaeological sites, including the Almendres megalithic site — created 2,000 years before Stonehenge and among humanity’s oldest known monuments. Of more recent vintage is the 16th-century Agua da Prata (Silver Water) aqueduct. Newer still is the five-mile-long green path that allows 21st-century hikers to follow this impressive structure out into the Alentejan countryside.
It may seem like a lot to cover in a single overnight stay, but it’s entirely possible. So while you’ll probably want to get back to Évora some day, it will be to get more of what you loved about the city and its cuisine, rather than to see what you might have missed.
IF YOU GO
GETTING THERE
Évora is just off Portugal’s A6 freeway, one and a half hour’s drive from Lisbon.
GETTING AROUND
You’ll want a car to visit wineries and nearby villages, but in town, everything is easily reached on foot. This past April the city introduced the Évora Card, which, for 15 euros, or about $21 at $1.40 to the euro, offers free or discounted admission to many sites as well as special offers at hotels, shops and restaurants.
WHERE TO STAY
Évora Inn-Chiado Design (Rua da Republica 11; 351-266-744-500; evorainn.com; doubles from 45 euros). Colorful wallpapers and playfully painted antiques define the six doubles and suites at the updated and newly renovated hostel on the main square.
Convento do Espinheiro (Apartado 594; 351-266-788-200; conventodoespinheiro.com; doubles from 170 euros). Plush five-star accommodations in a stunning 15th-century former convent with a full-service spa and two pools.
WHERE TO EAT
Tasquinha d’Oliveira (Rua Cándido dos Reis 45-A; 351-266-744-841). Lunch for two, 50 euros.
Dom Joaquim (Rua dos Penedos 6; 351-266-731-105). Dinner for two, 60 euros.
Link: 




Apresentação do livro “Oralidades – Ao Encontro de Giacometti”



A Câmara Municipal de Évora, as Edições Colibri e a Direcção Regional da Cultura do Alentejo vão fazer a apresentação pública do livro “Oralidades – Ao Encontro de Giacometti” no próximo dia 3 de Junho, pelas 18:30, no recinto da Feira do Livro de Évora, evento que decorre até ao dia 5 de Junho na Praça do Giraldo. O livro “Oralidades – Ao Encontro de Giacometti” é coordenado por Rui Arimateia e está integrado nas iniciativas desenvolvidas no âmbito do Projecto Oralidades. A ideia de criação deste livro resultou após a exposição “Michel Giacometti 80 anos, 80 imagens: projecto Oralidades ao encontro de Giacometti”, organizada pela Câmara Municipal de Évora com o apoio do Museu da Música Portuguesa – Casa Verdades de Faria, e que esteve patente o ano passado no Convento dos Remédios. Como resultado da exposição e das iniciativas a ela ligadas, começou a nascer a vontade em reunir num livro testemunhos e reflexões sobre algumas das temáticas abordadas nesta mostra, tomando como ponto de partida o trabalho desenvolvido por Michel Giacometti e avançando para uma análise da forma como se pode olhar e perspectivar a oralidade e o património cultural imaterial na actualidade. O conjunto de assuntos e autores que integram esta obra contribuem para o encontro ou reencontro com a cultura popular, a sua forma de transmissão oral e a sua readaptação aos dias de hoje. A obra começa por enquadrar todo este trabalho de acordo com os objectivos propostos pelo projecto Oralidades, fazendo referência ao trabalho do etnomusicólogo Michel Giacometti, à importância das suas recolhas e à utilidade dos registos, passando por um conjunto de práticas tradicionais do Alentejo, tais como os Bonecos de Santo Aleixo, o Tamborileiro, a Campaniça, o Cante, as histórias de vida e as Festas da Santa Cruz, atendendo ainda ao papel da memória e da sua partilha.

Évora Perdida no Tempo - Porta do Raimundo


Circular às Muralhas: edifício demolido (cerca de 1959) junto à Porta de Raimundo.
Autor David Freitas
Data Fotografia 1959 ant. -
Legenda Porta do Raimundo
Cota DFT340 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

domingo, 26 de junho de 2011

Colocador de Vidro (m/f) - Évora

A Kelly Services recruta Colocador de Vidro (m/f), para empresa nossa cliente sediada em Évora.

Função:
Colocação de vidros.

Perfil:
Espiríto de equipa;
Disponibilidade imediata;
9º Ano de escolaridade;
Dinâmico, com capacidade de organização e responsável;
Residência na zona.
Para responder ao anúncio contacte através do número 265 55 08 70.



sábado, 25 de junho de 2011

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Alguns Monumentos de Évora

ÉVORA, cidade histórica no coração do Alentejo, é herdeira de um rico e variado património cultural, construído e preservado ao longo do tempo. Fundada pelo povo romano e por este denominada Ebora Liberalitas Iulia, a cidade foi a praça-forte que alicerçou, no Além-Tejo, a formação do novo reino de Portugal durante a Reconquista cristã peninsular do séc. XII. Após a consolidação das fronteiras com Castela, vários reis aqui fixaram a sua corte, particularmente na período das descobertas marítimas, época em que, orgulhosamente, exibiam títulos e senhorios de terras tão distantes como a Guiné, Etiópia, Arábia, Pérsia e Índia.

O património histórico e artístico que hoje se preserva na cidade resultou em boa medida dessa longa permanência da monarquia portuguesa. O conjunto monumental que esses tempos áureos legaram à cidade, em harmonia com o tecido urbano de cariz popular, estão na base da classificação de Évora como Património Cultural da Humanidade, desde 1986.


Anta de Tourega
Também conhecida por Anta do Barrocal, este interessante Monumento Megalítico situa-se na freguesia de Nossa Senhora da Tourega, pertencente ao concelho de Évora, bem na vasta região Alentejana.
A Anta terá sido edificada entre o 4º e o 3º milénio a.C., em pedra granítica, constituída por uma câmara centralizada poligonal de 2 metros de altura e 3 metros de diâmetro, e uma laje de cobertura. Possui ainda o corredor de acesso, embora que destruído.
O monumento estaria coberto por uma Mamoa, da qual não restam vestígios.
A Anta de Tourega está classificada como Monumento Nacional.



Anta Grande do Zambujeiro de Valverde
A Anta Grande do Zambujeiro situa-se a cerca de 500 metros de Valverde, no bonito concelho de Évora, na imensa região Alentejana.
Este monumento megalítico classificado como Monumento Nacional constitui uma das maiores Antas da Europa, sendo mesmo a maior que se tem conhecimento em toda a Península Ibérica.
Esta é uma região ocupada pelo homem desde remotos períodos, existindo mesmo na zona diversos legados megalíticos de grande importância.
A Anta Grande do Zambujeiro foi descoberta em 1965, tendo-se mais tarde procedido ao seu estudo e investigação.
Seria utilizada pelas comunidades do Período Neolítico como local de enterramento e homenagem aos seus mortos, servindo provavelmente também de Santuário.
O conjunto tem 50 metros de diâmetro, compreendendo a câmara poligonal com 6 metros de altura e um corredor com cerca de 12 metros de comprimento e 2 metros de altura e 1,5 metros de largura, de acesso para o exterior.
O monumento encontrava-se coberto por uma gigantesca Mamoa com mais de 50 metros de diâmetro, tendo a escavação recuperado um importante espólio de objectos rituais, de adorno, vasos de cerâmica, lâminas e pontas de seta, entre muitos outros.



Capela dos Ossos 
A Capela dos Ossos é um dos mais conhecidos monumentos de Évora. Está situada na Igreja de São Francisco.
Foi construída no século XVII por iniciativa de três monges que, dentro do espírito da altura (contra-reforma religiosa, de acordo com as normativas do Concílio de Trento), pretendeu transmitir a mensagem da transitoridade da vida, tal como se depreende do célebre aviso à entrada: "Nós ossos que aqui estamos pelos vossos esperamos".
A capela, construída no local do primitivo dormitório fradesco é formada por 3 naves de 18,70m de comprimento e 11m de largura, entrando a luz por três pequenas frestas do lado esquerdo.
As suas paredes e os oito pilares estão "decorados" com ossos e caveiras ligados por cimento pardo. As abóbadas são de tijolo rebocado a branco, pintadas com motivos alegóricos à morte. É um monumento de uma arquitectura penitencial de arcarias ornamentadas com filas de caveiras, cornijas e naves brancas.
Foi calculado à volta de 5000, provenientes dos cemitérios, situados em igrejas e conventos da cidade.
A capela era dedicada ao Senhor dos Passos, imagem conhecida na cidade como Senhor Jesus da Casa dos Ossos, que impressiona pela expressividade com que representa o sofrimento de Cristo, na sua caminhada com a cruz até ao calvário.



Castelo de Évora
Évora foi uma importante cidade no tempo do domínio romano, apresentando diversos vestígios dessa época, mas manteve essa importância com os visigodos e depois sob o domínio árabe.
D. Afonso Henriques fez uma primeira conquista desta fortaleza, mas os muçulmanos voltaram a reconquista-la e só voltaria definitivamente às forças cristãs, numa segunda reconquista em 1165, pelo lendário, Geraldo Sem Pavor.
Dividem-se as opiniões, sobre a realização de obras de ampliação das defesas de Évora, que poderão ter sido realizadas no reinado de D. Dinis, ou posteriormente no reinado de D. Afonso IV, que manteve a corte em Évora durante algum tempo, procedimento que foi seguido por outros monarcas posteriores.
No século XVII, com a Guerra da Restauração, foi operada uma grande modernização, de que ainda hoje restam muralhas, torres e portas. Encontra-se classificada como Monumento Nacional, constituído com o restante património da cidade, um importante testemunho do passado, classificado como, Património Comum da Humanidade, pela UNESCO.



Castelo de Valongo
De origem muçulmana, o castelo de Valongo terá sido conquistado na sequência das campanhas de reconquista cristã da Península Ibérica, depois da tomada de Évora em 1165.
No século XV, esta fortificação foi reconstruída, atribuindo-se a essa época a construção da Torre de Menagem.
Classificado como Monumento Nacional, encontra-se em ruínas.




Catedral de Évora
Fundada em 1186 e consagrada em 1204, a Sé Catedral de Évora, dedicada a Santa Maria, é a maior catedral medieval do país, e um incomparável exemplar da arquitectura de transição romano-gótica.
A um primitivo templo construído entre 1186 e os primeiros anos do século XIII, sucedeu-se o grandioso monumento que hoje existe, resultado essencialmente de duas notáveis campanhas da Baixa Idade Média.
Tem planta de estilo românico, com estrutura e decoração góticas, estilo bem visível nas abóbadas e nos arcos ogivais.
O portal é um dos mais impressionantes exemplares góticos portugueses. É ladeado por estátuas dos apóstolos, da autoria de Mestre Pêro, também autor das esculturas do claustro e da capela do fundador, espaço funerário do bispo D. Pedro IV, encomendador destes trabalhos.
É ainda de realçar a Capela de Nossa Senhora da Piedade, ou do Esporão, do século XVI, com portal tardo-manuelino de mármore e retábulo maneirista.
O coro alto, também do século XVI, conserva o cadeiral renascença e um orgão da mesma época e estilo.
De destacar também a torre-lanterna, com corpo de planta octogonal, encimado por janelas góticas e coroado por uma agulha coberta de escamas de pedra.
A Sé inclui um Museu de Arte Sacra com um riquíssimo espólio nos domínios da paramentaria, pintura, escultura e ourivesaria.



Convento do Bom Jesus de Valverde
Este monumento responde por várias designações, entre elas Antigo Convento do Bom Jesus da Ordem dos Capuchos, Mitra de Valverde, Colégio da Mitra e hoje em dia até como Polo da Mitra da Universidade de Évora. Está situado na encantadora localidade de Valverde, pertencente ao concelho e distrito de Évora, em pleno coração da vasta região Alentejana.
Este complexo monástico foi edificado em meados do século XVI pela diocese de Évora que instituiu por estas datas uma quinta com paço episcopal. O primeiro Arcebispo de Évora, Infante Dom Henrique terá fundado o convento para a ordem dos Capuchos que aqui se instalou em 1517.
A Herdade da Mitra viu algumas das suas características alteradas com o tempo, mas merecem destaque ainda hoje a Capela do convento, considerada um exemplo perfeito de micro-arquitectura renascentista, atribuída a Miguel de Arruda, com planta em cruz grega e com três importantes painéis encomendados pelo futuro Cardeal D. Henrique, figurando um Presépio, um Calvário e uma Ressurreição de Cristo, da autoria do prestigiado pintor Gregório Lopes, datadas de 1544 / 45.
Do edifício do Convento original restam ainda diversos vestígios arquitectónicos, alguns deles Manuelinos, mas também diversos elementos posteriores de obras dos séculos XVII e XVIII.
O Claustro, de planta quadrada e estilo Clássico merece também destaque pela beleza e paz de espírito que ainda transmite, com traço de Manuel Pires.
O “Jardim de Jericó” conserva ainda muitas das estruturas construídas entre os séculos XVI e XVIII, destacando-se o monumental aqueduto, o poço-cisterna “Casa da Água” e o tanque circular ou “dos Cardeais”.
Após a extinção das Ordens Religiosas, em meados do século XIX, aqui foi instalado um Posto Agrário e a Escola Prática de Agricultura, funcionando hoje aqui o Polo da Mitra da Universidade de Évora que alberga uma herdade experimental para estudos agrários e biológicos.




Convento do Espinheiro
O Convento do Espinheiro, séc. XV, é considerado património nacional, e as suas origens remontam a uma lenda que fala numa aparição da Virgem Maria sobre um espinheiro, por volta do ano 1400.
Em 1412, foi edificado um oratório em honra de Nossa Senhora, e finalmente em 1458, durante o reinado de D. Afonso V, e dada a crescente importância deste local como ponto de peregrinação, foi fundada a igreja e posteriormente o convento.
Com um enquadramento rural, no termo da cidade de Évora, em zona agrícola; o conjunto do Convento e igreja destacam-se, pela volumetria, na planície circundante; a capela, mais destacada, situa-se no termo da cerca do Convento.
O Convento do Espinheiro é hoje um luxuoso hotel, a paisagem circundante torna-o o local ideal para desfrutar da relaxante planície Alentejana.




Cromeleque dos Almendres
O recinto megalítico dos Almendres, um dos maiores monumentos públicos da humanidade, constitui o maior conjunto de menires estruturados da Península Ibérica e é um dos mais importantes da Europa. Este monumento megalítico inicialmente era constituído por mais de uma centena de monólitos. A sua escavação permitiu a detecção de várias fases construtivas ao longo do período Neolítico (V e IV milénios a. C.), até alcançar aspecto semelhante ao hoje apresentado. 92 menires com diferentes formas e dimensões, desde pequenos blocos rudemente afeiçoados, outros maiores que deram ao local o nome de Alto das Pedras Talhas. Formaram dois recintos erguidos em épocas distintas, geminados e orientados segundo as direcções equinociais. Uma dezena de monólitos está decorada exibindo relevos ou gravuras. Foi um monumento com funções religiosas e, provavelmente um primitivo observatório astronómico. O monumento está situado na Herdade dos Almendres, propriedade de José Manuel Neves.




Ermida de Nossa Senhora do Carmo
Dedicado ao culto de Nossa Senhora do Monte do Carmo, este santuário barroco situa-se a cerca de 2 quilómetros da Igreja Paroquial da Azaruja. A sua festa anual realiza-se no 2º Domingo de Setembro.
Em meados do séc. XIX, rezam os anais, a ela acorriam fiéis de toda a província e de povoações beirãs e ribatejanas, chegando a juntar-se mais de 2.000 carros com gente, fora os que vinham a pé e a cavalo.
As promessas e agradecimentos à Senhora, acumulados ao longo de três séculos, constituem um testemunho impressionante: as paredes interiores da igreja e da sacristia estão revestidas de alto a baixo com mais de 1500 ex-votos pintados sobre tela, cabedal, vidro e folha da Flandres, além de fotografias, objectos de cera, tranças de cabelo natural e peles de répteis gigantescos.
A Ermida situa-se junto do hotel Monte do Carmo, onde pode viver o prazer único de estar luxuosamente instalado nas antigas casas dos peregrinos que vinham em romaria à surpreendente ermida de Nossa Senhora do Carmo. É uma visita a não perder.





Igreja de São Francisco 
A Igreja de São Francisco em Évora é uma igreja de arquitectura gótico-manuelina. Construída entre 1480 e 1510 pelos mestres de pedraria Martim Lourenço e Pero de Trilho e decorada pelos pintores régios Francisco Henriques, Jorge Afonso e Garcia Fernandes, está intimamente ligada aos acontecimentos históricos que marcaram o período de expansão marítima de Portugal.
Segundo a tradição, nesta igreja foi sepultado Gil Vicente, em 1536. A primitiva igreja monástica tinha três naves, com capelas comunicantes entre si. Nestre primitivo edifício se realizaram várias cerimónias importantes, tais como o casamento de D.Pedro I com D.Constança Manuel.
A igreja seria remodelada no final do século XV, tendo-se construído o magnífico templo que hoje subsiste e que é uma das mais impressionantes igrejas portuguesas. Respeitando os limites originais, as três naves foram substituídas pela nave única subsistente, coberta pela arrojada abóbada gótico-manuelina que atinge vinte e quatro metros de altura.
O Convento de São Francisco viveu então os seus momentos áureos, quando a corte do Rei D.Afonso V se começou a intalar no espaço conventual durante as suas estadias em Évora. Desta forma, a igreja de São Francisco foi elevada à categoria de Capela Real, daí os múltiplos emblemas régios de D.João II e D.Manuel I. Nesta época, recebeu o mosteiro o título de Convento de Ouro, tal a riqueza com que a Família Real o decorava.
No século XIX uma nova crise se abateria sobre o Convento: a extinção das ordens religiosas, em 1834. Toda a parte monástica foi nacionalizada, tendo-se nela instalado o Tribunal da cidade, até cerca de 1895, data em que, sob grave ruína, se demoliu praticamente toda a parte conventual (dormitórios, parte do claustro, etc.).
Salvou-se porém a magnífica igreja porque em 1840, para ali se transferiu a sede da freguesia de São Pedro.




Menir dos Almendres 
Localizado na Herdade dos Almendres, próximo do Cromeleque, este isolado Menir de grandes dimensões apresenta no terço superior uma decoração composta por báculo e faixa de linhas onduladas.
Com cerca de 3,50 m de altura, este Menir foi reerguido pelo actual proprietário dos terrenos, mas supõe-se que o local original não deveria ser muito afastado do original.
Em termos gerais, um Menir é um monumento pré-histórico de pedra, cravado verticalmente no solo, usualmente de dimensão bem elevada.





Paços de Évora - Palácio D. Manuel
Da construção quinhentista, iniciada cerca de 1470, subsiste apenas a Galeria das Damas, restaurada já neste século. Salienta-se a torre-balcão manuelina-mudéjar, de três andares.







Templo Romano de Évora ( Diana )
O Templo Romano de Évora também chamado de Templo de Diana, é um templo de estilo coríntio, construído no início do século I, d.C.
É o que resta do fórum da cidade de Évora e era dedicado ao culto imperial, contrariamente ao que nos chega pela tradição popular, que o identificou como sendo dedicado à Diana, deusa romana da caça.
O templo, construído em mármore e granito, é rodeado por colunas coríntias colocadas sobre um pódio que se encontra quase completo. As colunas da fachada desapareceram completamente, restando as seis da retaguarda e algumas das laterais.
Sofreu várias alterações ao longo dos séculos, que começaram no século V com as invasões bárbaras e continuaram pelo século XIV quando servia de casa-forte ao castelo da cidade. Na segunda metade do século XIX, foram demolidos os edifícios anexos e realizou-se uma grande operação de restauro, repondo o traçado primitivo do templo. Já no século XX, novas campanhas de escavações permitiram encontrar vestígios de um pórtico e do espelho de água que o rodeavam. Localizado no Largo Conde de Vila Flor, encontra-se rodeado pela Sé de Évora, pelo Tribunal da Inquisição, pela Igreja e Convento dos Lóios, pela Biblioteca Pública e pelo Museu.






Villa Romana de Tourega
A Villa Romana de Tourega está situada na freguesia de Nossa Senhora da Tourega, pertencente ao histórico concelho de Évora, na imensa planície Alentejana.
Esta é uma região de ocupação humana desde remotos períodos, com diversos vestígios megalíticos nas redondezas, e terá sido uma importante “villa” Romana com um amplo complexo termal, ocupada desde meados do século I até finais do século IV d.C.
Esta Villa estava situada no importante território de Ebora Liberalitas Julia, , junto à estrada romana para Salacia (Alcácer do Sal), e teria sido património de uma classe senhorial ligada à exploração da terra.
Já no século IV a villa ocuparia uma área de cerca de 500 m2, com termas duplas, para ambos os sexos, com salas e tanques de banhos frios e quentes. Restam hoje três tanques de banhos, de planta rectangular, construídos por muros de argamassa, tendo o mais largo 24,5 metros de comprimento e sobre 4,6 metros de largura.

Évora Perdida no Tempo - Passos da Rua Conde da Serra da Tourega

Passos da Rua Conde da Serra da Tourega, em Évora. Está datado de 1720. Este Passo, juntamente com os outros quatro, é uma das cinco estações da Via Sacra, da Irmandade do Senhor Jesus dos Passos. No interior conservam retábulos de autores anónimos, de carácter populista, representando diferentes passos da Paixão de Cristo.
Autor David Freitas
Data Fotografia 1950 - 1960
Legenda Passos da Rua Conde da Serra da Tourega
Cota DFT6452 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Workshops no Convento do Espinheiro



24 Junho
Workshop de Iniciação à Fotografia

Pretende-se que os participantes absorvam os princípios básicos da fotografia digital e que a saibam aplicar criativamente e com qualidade em qualquer projecto que lhes seja colocado, independentemente do meio e tipo de fotografia que estão a utilizar. No final aplica-se os conhecimentos adquiridos e iremos fazer um concurso de fotografia onde o vencedor recebe uma relaxante massagem no Diana Spa.

- Características da câmara fotográfica
- Enquadramento da imagem
- Controlo da luz




25 Junho
Workshop de Sushi

Num local marcadamente gastronómico como o Alentejo, o Convento do Espinheiro convida-o a quebrar os tabus gastronómicos num workshop de Sushi. Esta arte asiática milenar guarda segredos que desafiamo-lo a conhecer e a elaborar os diversos tipos de sushi com o mestre de sushi convidado.


Évora Perdida no Tempo - Templo visto do Jardim Diana


Templo Romano visto do Jardim Diana.
Autor David Freitas
Data Fotografia 1950 - 1960
Legenda Templo visto do Jardim Diana
Cota DFT431 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Serão dedicado à Etnografia e Folclore na Feira de S.João 2011



TRADIÇÕES DO ALENTEJO

Desfile e Mostra Etnográfica

FUNDAÇÃO INATEL

Évora

26 de Junho – 21H00

(ARENA DE ÉVORA)


A Fundação INATEL organiza, em parceria com a Câmara Municipal de Évora, no próximo dia 26 de Junho um serão dedicado à Etnografia e Folclore representativo da Região do Alentejo.

Esta Iniciativa terá início na Praça do Giraldo e na Rotunda da Lagril, pelas 21h00, com um Desfile Etnográfico, seguindo-se uma Mostra de Trajes e Actuação na Arena de Évora, pelas 21h30, com a participação dos seguintes Grupos de Folclore:

Rancho Folclórico “As Mondadeiras” de Casa Branca
Rancho Folclórico de Cortiçadas de Lavre
Rancho Folclórico “As Azeitoneiras” de S. Bento do Cortiço
Rancho Folclórico Flor do Alto Alentejo

Informações sobre este Encontro podem ser pedidas à Delegação Alentejo e Algarve da Fundação INATEL, na Rua Serpa Pinto, 6 – 7000-537 ÉVORA através do telefone 266 730 520 ou pelos endereços ag.evora@inatel.pt e cborralheira@inatel.pt

Mercado tradicional junto à Arena d'Évora


MERCADO TRADICIONAL


FUNDAÇÃO INATEL

Évora

25 de Junho – 10H00 ÀS 12H00

(TERREIRO JUNTO À ARENA DE ÉVORA)


A Fundação INATEL organiza, no próximo dia 25 de Junho, em parceria com a Câmara Municipal de Évora e em estreita articulação com os Grupos de Folclore: “As Mondadeiras” de Casa Branca – Concelho Sousel | Rancho Folclórico de Cortiçadas de Lavre – Concelho Montemor-o-Novo | Rancho Folclórico “As Azeitoneiras” de S. Bento do Cortiço – Concelho de Estremoz e Rancho Folclórico Flor do Alto Alentejo – Concelho Évora, um mercado tradicional, com a exposição de produtos regionais do Alentejo.

Informações sobre esta Iniciativa podem ser pedidas à Delegação Alentejo e Algarve da Fundação INATEL, na Rua Serpa Pinto, 6 – 7000-537 ÉVORA através do telefone 266 730 520 ou pelos endereços ag.evora@inatel.pt e cborralheira@inatel.pt

Évora Perdida no Tempo - Largo dos Colegiais antes da intervenção

Aspecto do Largo dos Colegiais antes da intervenção. Em Novembro de 1953 a Casa Cadaval doou ao município o terreno adjacente ao Buraco dos Colegiais para arranjo e ajardinamento, reservando essa passagem a peões, obra que ficou pronta em 1955.

Autor David Freitas
Data Fotografia 1953 -
Legenda Largo dos Colegiais antes da intervenção
Cota DFT6330 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

terça-feira, 21 de junho de 2011

“Férias com os Livros” - Verão de 2011



Atelier de férias com a duração de cinco dias para crianças entre os 6 e os 10 anos, inserido no programa de incentivo à leitura da BPE, com diversas actividades em volta dos livros e da leitura que estimulam a criatividade dos nossos pequenos leitores.

Inscrições
A partir de dia 21 (terça-feira), até dia 28 (terça-feira)
Excepcionalmente a BPE abrirá portas às 09h00 no primeiro dia de inscrições.

1ª semana 04 a 08 de Julho
2ª semana 11 a 15 de Julho
3ª semana 08 a 12 de Agosto
4ª semana 29 de Agosto a 02 de Setembro
5ª semana 05 a 9 de Setembro

Limite de inscrições: 12
Idades: 06-10 anos
Horário: 10h00-12h30 e 14h00 – 17h00 (último dia até às 17h30)
Dinamizadora: Sílvia Chambino
Gratuito mediante inscrição prévia
Para mais informações 266 769 330

Andy Warhol: Os Mistérios da Arte



Fórum Eugénio de Almeida

De 15 de Junho a 30 de Outubro de 2011



Exposição composta por 41 obras de Andy Warhol, entre as quais algumas das mais emblemáticas como a famosa série das latas de sopa campbell's e a garrafa de Coca-Cola, ou os retratos de grandes estrelas como Marilyn Monroe, Frank Sinatra e Mick Jagger.

Pintor, fotógrafo, cineastra, ilustrador comercial, produtor musical, escritor e até mesmo modelo, Andy Warhol foi uma das principais figuras da Pop Art.

Sempre radical na sua abordagem artística, Warhol transformou o quotidiano em arte e a arte numa forma de viver o dia-a-dia, recolhendo, documentando, reproduzindo e interagindo com as pessoas, lugares e coisas à sua volta.



Comissário: Maurizio Vanni



Entrada: 1,00 €



Horário: Diariamente, das 09h30 às 19h00.



Visitas audioguiadas





Visitas guiadas*

Todos os dias | Mínimo 5 pessoas | Inscrição: 2,50 € por pessoa.



Programa para Escolas*

De 2ª a 6ª feira para alunos do ensino pré-escolar, 1º, 2º e 3º ciclos e secundário.



Visitas guiadas com actividades | Inscrição: 1,00 € por pessoa.

Ateliers didácticos | Inscrição: 1,00 € por pessoa.



Programa para as famílias*

Sábados e Domingos | 11h00

Actividades para crianças dos 6 aos 10 anos, acompanhadas por um adulto.

Inscrição: 2,00 € por pessoa | Duração: 1h30.



Catálogo Bilingue (Português / Inglês). Preço: 18,50 €

*Mediante marcação prévia, através do Telf.: 266 748 350 ou e-mail: servicoeducativo@fea.pt

Évora Perdida no Tempo - Claustro da Sé Catedral de Évora


Vista parcial da galeria do claustro da Sé Catedral de Évora.
Autor David Freitas
Data Fotografia 1966 ant. -
Legenda Claustro da Sé Catedral de Évora
Cota DFT4301 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Programas do Oiporc'11

PROGRAMA CIENTIFICO

TERÇA-FEIRA , 21 DE JUNHO
09:00 - 13:00 - Registo e entrega de Documentação
15:00 - Cerimónia Oficial de Abertura do Congresso
16:00 - Sessão Abertura “As primeiras comunidades agro-pastoris do Alentejo” - Prof. Doutor Jorge Oliveira - U. Évora
17:00 - Abertura Oficial da zona Comercial com visita a todos os stands
18:30 - Recepção Oficial às Delegações dos Países presentes – Paços do Concelho de Évora


QUARTA-FEIRA, 22 DE JUNHO
09:00 - 1º Painel: A Excelência da Carne de Porco.
Presidente da Mesa - Lisandro Herrera (Nicarágua). Moderador - José António del Barrio (Espanha)
09:15-10:00 - A importância da qualidade objectiva e sua logística. Palestrante - Consuelo Velasco (Colombia)
10:00-10:45 - A Valorização da carne de porco pelos consumidores. Palestrante - C. Ramayo Navarrete (México)

12:00 - 2º Painel: Prestígio e credibilidade da carne de porco e seus derivados.
Presidente da Mesa - Carlos Peñaranda (Bolívia). Moderador - Carlos Alberto Maya (Colômbia)
12:00-12:45 - A importância da carne de porco e seus derivados no Mundo. Palestrante - Fabiano Coser (Brasil)
12:45-13:30 - Segurança da carne de porco para o Consumidor. Palestrante - Ignacio Arranz (Espanha)

15:00 - 3º Painel: Planificação e projecção intercontinental
Pres.Mesa - Miguel Angel Olivo (Republica Dominicana). Moderador - António Tavares (Portugal)
15:15-16:00 - A especificidade da produção suinícola da UE. Palestrante - Miguel Higuerra (Espanha)
16:00-16:45 - Mercado Mundial: Perspectivas 2010/2020. Palestrante - Luciano Roppa (Brasil)


QUINTA-FEIRA, 23 DE JUNHO
09:00 - 4º Painel: Organismos Internacionais e o sector suíno
Presidente da Mesa - Gustavo Guifarro (Honduras). Moderador - Carlos Escribano (Espanha)
09:15-10:00 - A OIE e o sector suinícola. Palestrante - Alejandro Thiermann (Pres. da Comissão de Código da OIE)
10:00-10:45 - A OMC e a carne de porco e seus derivados. Palestrante - Enrique Dominguez (México)

12:00 - 5º Painel: Os Custos de Produção e sua Problemática
Presidente da Mesa - José M. Orellana (Equador). Moderador - Jurandi Soares Machado (Brasil)
12:00-12:45 - Factores da Competitividade na EU. Palestrante - Pep Font (Espanha)
12:45-13:30 - Factores de competitividade América Latina/resto do Mundo. Palestrante - Fernando Gironés (Chile)

15:00 - 6º Painel: O Tronco Ibérico
Presidente da Mesa - A designar (Cuba). Moderador - Alberto Codemus (Venezuela)
15:15-16:00 - O Tronco Ibérico em Portugal. Palestrante - José Luís Tirapicos Nunes (Portugal)
16:00-16:45 - O Tronco Ibérico em Espanha. Palestrante - António Muñoz Luna (Espanha)

17:00 - 7º Painel: A Cadeia de Valor no sector Porcino
Presidente da Mesa - Jaime Villavicencio Villafuerte (Peru). Moderador - Jorge Miquet (Argentina)
17:15-18:00 - A problemática da cadeia de valor. Palestrante - Quintiliano Perez Bonilla (Espanha)
18:00-18:45 - As cadeias de valor na América Latina. Palestrante - Rubens Vallentini (Brasil)


SEXTA-FEIRA, 24 DE JUNHO
09:00 - 8º Painel: As Políticas Regionais.
Presidente da Mesa - Rigoberto Espinoza Macías (México). Moderador - José Daniel Alves (Portugal)
09:15-10:00 - A nova PAC no contexto da globalização. Palestrante - Luís Capoulas Santos (Portugal)
10:00-10:45 - A OIPORC e o seu Futuro. Palestrante - J. Miguel Cordero (Rep. Dominicana), Presidente da OIPORC




PROGRAMA SOCIAL




TERÇA-FEIRA , 21 DE JUNHO
19:00 - Recepção no Jardim do Paço, a convite da Câmara Municipal de Évora.




QUARTA-FEIRA, 22 DE JUNHO
10:00 - Visita a Évora Monumental
12:00 - Visita ao mercado municipal de Évora. Degustação de produtos alentejanos. Apoio: Câmara Municipal de Évora e EPRAL
18:30 - Cerimónia de lançamento do livro “O Porco Alentejano - O Senhor do Montado”
20:00 - Jantar de Gala do Congresso e do 30º aniversário da FPAS. Actuação do Grupo de Cantares de Évora. Apoio: Fundação Eugénio de Almeida e Montaraz de Garvão



QUINTA-FEIRA, 23 DE JUNHO
09:00 – Saída para Estremoz e Vila Viçosa. Apoio: Turismo do Alentejo e EPRAL.
10:00 - Chegada a Estremoz (Posto de Turismo/ Casa de Estremoz);
10:15 - Visita ao Centro Histórico, passando pelo Pelourinho quinhentista, considerado Monumento Nacional;
10:30 - Visita ao Museu Municipal Professor Joaquim Vermelho - colecção de barrística, espólio arqueológico e etnográfico
12:00 - Partida para Vila Viçosa
12:30 - Almoço no restaurante “Os Cucos”.
14:15 - Encontro no Posto de Turismo, seguido de visita a Igreja de S. Bartolomeu, Pr. da República (Igreja do Espírito Santo, Henrique Pousão (pintor), Pelourinho, Castelo, Santuário Nª Senhora da Conceição, Terreiro do Paço (Convento dos Agostinhos e Convento das Chagas)
16:00 - Regresso ao Évorahotel.
20:00 horas - Jantar da Amizade - Monte do Sobral (Alcáçovas). Patrocínio: Gresilva.
Apoio: ACPA, ANCPA, Cafés Delta, Câmara Municipal de Évora, EPRAL, Montaraz de Garvão e Vinhos do Alentejo
24:00 - Visita à feira de São João - Évora.



SEXTA-FEIRA, 24 DE JUNHO
14:00 - Saída do Évorahotel para visita à Vila de Monsaraz e Lago do Alqueva.
15:00 - Visita a Monsaraz (1º Grupo) e passeio no Alqueva (2º Grupo)
17:00 - Lanche no Centro Náutico de Monsaraz. Apoio: Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz, ANCPA, Cafés Delta e EPRAL.
Actuação do Grupo Coral da Freguesia de Monsaraz.
20:00 - Visita à Barrancarnes seguido de Jantar. Apoio: Barrancarnes



SÁBADO, 25 DE JUNHO
10:00 - Saída do Évorahotel
11:00 - Visita à exploração da Herdade da Gamela, do produtor Francisco Cidade Alves, no Escoural
13:00 - Almoço no campo.
15:00 - Regresso a Évora
16:00 - Visita à sede dos “Vinhos do Alentejo”
19:00 - Regresso ao hotel. Noite livre.



DOMINGO, 26 DE JUNHO
08:00 - Saída de Évora
10.00-12.00 - Visita ao Santuário de Fátima
13.00-14.00 - Almoço na Região de Leiria - Apoio: Morgatões, Junta de Freguesia da Boa Vista, Junta de Freguesia de Leiria,
14.30-16.00 - Visita ao Mosteiro da Batalha
17.00 - 18.30 - Visita ao Mosteiro de Alcobaça
19.00 - 20.00 - Passeio em Óbidos
21.30 - Chegada e dormida em Lisboa
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...