quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Casa Bacharel / Drogaria Azul - 116 anos de existência

A “Casa Bacharel”, também conhecida por “Drogaria Azul” e sediada na Rua Elias Garcia nos nºs. 11,12 e 13, rivaliza com a Papelaria Nazareth na compita pelo estatuto de mais antiga loja da cidade. Nenhuma delas começou com a denominação actual e, se é possível precisar a data do início do funcionamento da drogaria, o mesmo não acontece com a papelaria, que teve por primeiro proprietário o comerciante Eduardo de Souza e abriu portas por volta da mesma altura, mas em ano e data desconhecidos. Mas que ambas são os estabelecimentos comerciais mais antigos de Évora, disso não sobejam dúvidas.

Posto este intróito, é tempo de nos reportarmos à história da loja, que iniciou a sua actividade em 1896 sob a designação de Casa Bacharel & Cª, sociedade por quotas, com o capital inicial de 8 contos de réis, sendo sócios os Senhores Bacharel e Cutileiro, este em posição minoritária. Em 1904, porém, já Cutileiro tinha deixado a sociedade e a firma passado à designação única de Casa Bacharel. Pelo menos disso nos dá conta a publicidade que Bacharel fazia inserir regularmente no jornal “A Voz Pública”, primeiro órgão oficioso e, depois, oficial do Partido Republicano em Évora. Nesses anúncios proclamava a Casa Bacharel ser a grande referência local em termos do comércio misto de ferragens, drogas, tintas, produtos químicos e farmacêuticos, óculos, binóculos, artigos eléctricos e fotográficos e uma quantidade inesgotável de instrumentos para o lar.

Com efeito, a localização do estabelecimento em plena Praça Luís de Camões, zona nevrálgica do comércio local desse tempo, a filiação republicana do proprietário e a qualidade da mercadoria em oferta fizeram da Casa Bacharel um estabelecimento de grande procura. Quando Bacharel se retirou a loja passou para as mãos de Jaime Teodorico da Silva Alberto, o seu único empregado desde início, que em 1938 a trespassou a António Peixoto da Silva. Pouco hábil para a função, este não soube lidar com as dificuldades advenientes da II Guerra Mundial e deixou que a loja entrasse em declínio. Por esse tempo já passara a ser mais conhecida por “Drogaria Azul”, atendendo ao facto de ser essa a sua cor nas ombreiras, nas portas, paredes exteriores e rodapés. Dez anos mais tarde, em 1948, trespassa-a a José Cid da Silva, um comerciante do ramo, natural de Alvito e que na freguesia de Vila Alva, logo após a conclusão da escola primária, se empregara numa drogaria, prosseguindo a sua carreira em Alverca. A vida levou-o posteriormente até Angola, de onde veio regressar a Vila Alva, ao que constou na altura por inadaptação ao clima. Pessoa muito dinâmica e profundamente conhecedora do ofício, Cid da Silva mudou a residência para Évora, dedicou-se de alma e coração ao negócio e, passados quatro anos, tinha revitalizado a drogaria, recuperado antigos clientes, conquistado novos e pusera o estabelecimento a dar lucros.

Mercê da sua afabilidade, simpatia e permanente disponibilidade, Cid da Silva tornou-se uma pessoa benquista na cidade. Para não ser prejudicado, nunca tomou posições políticas públicas, embora os amigos mais chegados soubessem da sua aversão ao salazarismo e à guerra colonial. Agiu neste campo sempre de forma discreta, por não querer comprometer o futuro da loja e o dos filhos. Em 1984 entendeu que chegara a hora de gozar a sua reforma. Também ele optou por fazer o trespasse da drogaria a um seu empregado, Leonardo da Silva, o qual lhe pagou uma verba à volta dos 1200 contos. Leonardo da Silva começou a trabalhar na Drogaria Azul a 1 de Setembro de 1956, depois de ter andado a guardar gado antes e depois de fazer a 4ª. classe. Era o filho mais velho de um trabalhador rural. Seu pai soube por um amigo que Cid da Silva procurava um empregado e foi lá conversar com ele, acabando o rapaz por ficar com o lugar. Mas em 1966 veio a incorporação no serviço militar, a ida para as colónias e só em 1969 o regresso.

Convicto de que em Lisboa outras perspectivas mais risonhas e atraentes se lhe abririam, decidiu ficar pela capital, encontrando trabalho numa firma que era fornecedora da drogaria eborense. No ano seguinte Cid da Silva acenoulhe com a hipótese do regresso, oferecendo-lhe três contos e quinhentos por mês. O facto de a namorada de então e actual mulher ser de Évora decidiu-o a regressar, assentando aqui arraiais. Catorze anos depois, tomava de trespasse – como já se disse – a loja ao seu patrão. O seu desejo foi manter a loja tal como a recebera, tradicional e com muita clientela. 

Em 1990 a Câmara emitiu uma postura na qual avisava que as lojas, nas suas portas e rodapés, só poderiam estar pintadas de amarelo torrado ou de cinzento. Leonardo da Silva solicitou à edilidade autorização para continuar de azul, dada que essa era a sua tonalidade emblemática e servia de referência a toda a população.

O município deferiu o pedido, atendendo à longevidade. De resto a Casa Bacharel/Drogaria Azul continua a
vender praticamente o mesmo que antes, apenas com ligeiras alterações, ditadas pela evolução dos tempos. E o maior anseio de Leonardo da Silva é, agora, que o tempo começa a deixar visíveis os sinais da sua passagem, que os filhos prossigam o negócio.


Texto: José Frota

Évora Perdida no Tempo - Vista parcial de Évora


Vista parcial de Évora. À esquerda vê-se a Rua Estevão Cordovil, um dos corpo da Universidade de Évora, o Seminário, a torre e parte do Convento dos Lóios e a Sé Catedral; à direita vê-se o que resta do antigo Convento de Santa Mónica, parte do Paço dos Duques de Cadaval e a Torre das 5 Quinas.

Autor David Freitas
Data Fotografia 1950 - 1970
Legenda Vista parcial de Évora
Cota DFT7618 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Percursos Ambientais em Évora - Aqueduto da Água da Prata

O Aqueduto da Água da Prata foi durante muitos anos a principal fonte de abastecimento de água à Cidade. Hoje a sua importância é menor, mas não deixa de constituir uma alternativa e reforço do abastecimento. Apesar de estarem em curso obras de restauro do Aqueduto, o caminho encontra-se limpo, em grande parte da sua extensão, pelo que o percurso pode começar a ser utilizado.
Brevemente serão melhorados os caminhos, será colocada sinalização, algumas vedações e serão melhorados os acessos, para que as pessoas possam percorrer o Aqueduto entre Évora e a Graça do Divor. O percurso pode ser utilizado por caminheiros ou ciclistas


Évora Perdida no Tempo - Secção de embalagem da Fábrica dos Leões


Autor David Freitas
Data Fotografia 1950 dep. - 1970 ant.
Legenda Secção de embalagem da Fábrica dos Leões
Cota DFT5103.1 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Personalidades Eborenses - António Ribeiro Chiado


António Ribeiro, conhecido por "O Chiado" ou "O Poeta Chiado" (Évora, 1520 - Lisboa, 1591). Foi um poeta jocoso e satírico do século XVI, contemporâneo de Luís Vaz de Camões. Era conhecido como Chiado (o poeta) por ter morado muitos anos no Chiado, em Lisboa, na rua assim chamada já naquele século, que no século XIX mudaria para Rua Almeida Garrett, nome que conserva até hoje.

Nasceu em Évora, num meio humilde. Professou na Ordem dos Franciscanos, na sua cidade natal, até ter optado por abandonar a vida de clausura. De Évora parte para Lisboa, onde o seu talento com as palavras o torna conhecido na zona lisboeta do Chiado. Segundo as descrições, seguiu uma vida de celibato, vestindo-se sempre com um hábito clerical.

Durante a sua vida gozou de grande popularidade não só por ser poeta mas também por ser um exímio improvisador e imitador das vozes e de gestos de figuras conhecidas dessa época, sempre junto aos seus hábitos. Faleceu em Lisboa, em 1591.

Não se têm dados exactos de todas as publicações de Chiado. Sabe-se que deixou muitos manuscritos como os seguintes:
- Autos (segundo o estilo de Gil Vicente, há menção a edições publicadas ainda em vida mas sem registos)
- Auto de Gonçalo Chambão;
- Auto da Natural Invenção.

Os seguintes autos foram encontrados juntos, num livro de miscelâneas:
- Pratica de oyto feguras, Faria & Payua moços, Ambrosio da gama, Lopo da silueira, Gomez da Rocha fidalgos, Negro capelã, Ayres galuam;
- Auto das regateyras per Antonio Ribeyro. Pratica de treze figuras, Velha, Briatiz, Negra, Comadre, Pero Vaz, Noyuo, May, Ioã Duarte, Afonso Tome, Frenã Dãdrade, Gomez Godinho, Brimanesa;
- Pratica dos compadres, Fernam dorta, Brasia machada, Isabel, Vasco Lourenço, o compadre, Siluestra, Moço, namorado, a comadre, caualeyro Esteuam : auto terceiro.

Outras obras:
- Philomena dos Louvores dos Santos com Outros Cantos Devotos;
- Letreyros muyto sentenciosos, os quaes se acharam em certas sepulturas de Espanha;
- Letreyros muyto sentenciosos… e hua regra spiritual que elle fez ao Geral de S. Francisco, e assi hua petiçam… ao Commissayro, e a resposta do Geral, feita por Affonso Alveres (Uma regra espiritual que fez ao Geral de S. Francisco, uma petição que fez ao Comissário, e a reposta do Geral, feita por Afonso Alvares).

O seu génio como poeta é mencionado por Camões, num dos versos do Auto de El Rei Seleuco.

No coração da Baixa de Lisboa, junto ao Bairro Alto, encontra-se a zona do Chiado. Nela está a estátua do poeta homónimo, inaugurada a 18 de Dezembro de 1925, por iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa, para homenageá-lo. A estátua, de bronze, é da autoria de Costa Mota (tio) e a base, em pedra de lioz, de José Alexandre Soares. Nela se vê a representação do poeta sentado num pequeno banco, envergando um hábito de monge, sorrindo com escárnio, numa posição arqueada, de convite.

Está situada entre as estátuas de nomes grandiosos da literatura portuguesa (Fernando Pessoa, Eça de Queiróz e Camões), num largo rodeado de igrejas, teatros e livrarias, facto que levou alguns intelectuais da época a oporem-se veementemente à localização escolhida.

Évora Perdida no Tempo - Sala de leitura da Biblioteca Pública


Autor David Freitas
Data Fotografia 1953-12-16 
Legenda Sala de leitura da Biblioteca Pública
Cota DFT7185 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Precisa-se de Trabalhador de Limpeza - Évora (Urgente)

Procuramos candidatos:
o Facilidade de Comunicação
o Dinamismo e espírito de equipa
o Responsabilidade
o Residência na zona de Évora
o Horário: Segunda a Sexta 17:00-19:00


Oferecemos:
o Oportunidade de ingresso numa empresa dinâmica


Resposta para:
ACCIONA FACILITY SERVICES - Rua General Humberto Delgado nº12 1º Esq, 2865-344 Prior Velho ou e-mail:


(910186597).

sábado, 25 de fevereiro de 2012

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Brincas de Carnaval animaram Évora

A Praça de Sertório foi  o cenário escolhido por um Grupo de Brincas de Carnaval para apresentar o fundamento “A Namoradeira” que, com a sua animação e bom humor, contagiou mais uma vez os transeuntes.
“A Namoradeira” relata a trágica história de Pimpinela, uma moça rejeitada pelos pretendentes devido à sua personalidade e mostra as suas desventuras ao longo dos tempos. O humor também foi parte integrante desta animação com uma cena dedicada à fotografia, onde dois palhaços cativaram todas as atenções tirando retratos “incríveis”.
Diversos populares assistiram com agrado a estas representações, onde não faltou música e alegria, nesta que é uma das mais genuínas tradições seculares de Évora.
Esta manifestação artística de cariz popular é constituída por um grupo trajado a rigor que toca e representa. Vem sempre acompanhado de uma trupe de palhaços que fazem rir todos com as suas brincadeiras e, inclusive, críticas sociais.
O Grupo deste ano é constituído por elementos das Brincas de Carnaval do Bairro de Almeirim e do Rancho Folclórico “Flor do Alentejo”. Nos últimos dias apresentaram o seu talento em diversos locais da cidade e freguesias, prosseguindo com toda esta animação ainda durante hoje e amanhã.
O Presidente da Câmara Municipal de Évora, José Ernesto d’ Oliveira, assistiu com manifesta simpatia a esta representação carnavalesca, expressando o seu agrado quanto a esta tradição.
“Assistimos uma vez mais a esta demonstração brincalhona de caraterísticas muito populares de genuína tradição que é o verdadeiro Carnaval de Évora desde há muitos anos e nós ficámos satisfeitos por ver esta revitalização da nossa tradição e da nossa identidade”, afirmou o autarca, salientando a sua importância para o concelho e deixando claro que a autarquia continuará a manifestar o seu apoio a esta forma de arte para que ela não se perca e ganhe cada vez força e adesão.






Interior da Sé de Évora

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

"Nhabruxa" no Espaço Celeiros

Percursos Ambientais em Évora - Sítio de Monfurado


Rede de Percursos Ambientais, traçada sobre caminhos públicos rurais ou municipais, para utilização a pé ou com meios de transporte não poluentes.
Esta rede interliga as povoações rurais do concelho e permite o acesso aos monumentos megalíticos e outros desta área.
Através destes caminhos atravessam-se diferentes paisagens de Évora, algumas das quais integradas no Sítio de Monfurado, classificado pela União Europeia como área pertencente à Rede Natura 2000, devido aos habitats e espécies de interesse comunitário que aí ocorrem.


Localização: entre Évora e o Sitio de Monfurado, no limite oeste do concelho.

Comprimento: 88 km

Utilização: pedonal, bicicleta, meios de transporte não motorizados

Infra-estruturas: sinalização direccional, pontos de informação e parques de merenda nas povoações.

Pavimento: saibro nos caminhos rurais e betuminoso nos caminhos municipais

Meio Natural: Sitio de Monfurado, inserido na Rede Natura 2000. Área dominada por importantes montados de sobro e azinho, bastante bem conservados, numa região tipicamente mediterrânica. É uma zona de grande importância para a conservação de diversas espécies de morcegos

Património cultural: Conjuntos urbanos de Évora, Valverde, Guadalupe, Boa Fé e S. Sebastião da Giesteira.

Património histórico: na beira dos percursos, encontram-se muitas construções de variadas idades, desde o Neolítico até à actualidade.

Nível de dificuldade: variável, com as maiores inclinações nos troços entre as Ribeiras de S. Brissos e de Valverde, em especial entre Valverde e os Almendres.

Ligações: a rede de Percursos de Monfurado estende-se pelo Concelho de Montemor-o-Novo. Em Évora, tem proximidade a outros Percursos Ambientais.

Cartografia: Cartas Militares 1:25.000 n.ºs 447, 448, 458, 459, 460 do Instituto Geográfico do Exército.

Com cerca de 24.000ha, o Sítio de Monfurado alberga um conjunto importante de habitats e espécies. Esta enorme biodiversidade resulta das condições do clima mediterrâneo, com influências atlânticas e continentais.

O Sítio de Monfurado situa-se entre os montados do Alto Alentejo – um sistema agro-silvo-pastoril único, de paisagens e valores naturais excepcionais – e a estepe cerealífera do sul.

O Sítio é dominado pelos montados, maioritariamente de sobro (Quercus suber), mas também de azinho (Quercus rotudinfolia), ou mistos. Encontram-se ainda alguns bosques de sobreiro de pequena dimensão e montados mistos de sobreiro e carvalho-negral (Quercus pyrenaica), uma espécie que tem aqui o limite sul da sua área de distribuição.

Neste Sítio ocorrem também os melhores exemplos de espinhais de tojo (Calicotome villosa), matagais densos que em Portugal são exclusivos da região de Évora. Com excelente representatividade no Sítio, encontram-se ainda os importantes arrelvados de uma pequena gramínea denominada Poa bulbosa, que integram um habitat prioritário para a conservação. São prados formados por pequenas plantas prostradas, muitas vezes associados aos montados e cuja persistência depende da manutenção do pastoreio extensivo.

A vegetação ribeirinha inclui amiais e salgueirais, em razoável estado de conservação, e diversas comunidades flutuantes (ranúnculos, Potamogeton e macroalgas).

Em termos faunísticos, o Sítio de Monfurado é de grande importância para algumas colónias de morcegos, sendo de salientar o morcego-rato-grande (Myotis myotis) e o morcego-de-ferradura-mourisca (Rhinolophus mehelyi). A área de montado assume um papel importante como zona de alimentação destas espécies, assim como para as colónias do rato-de-cabrera (Microtus cabrerae).

Este Sítio tem as características de habitat adequadas para a ocorrência do lince-ibérico (Lynx pardinus) ou permitir a sua reintrodução.

Nalgumas linhas de água ocorre a boga-portuguesa (Chondrostoma lusitanicum), espécie que só existe em Portugal e que está criticamente em perigo.

Link: Sítio de Monfurado




Évora Perdida no Tempo - Antiga Pastelaria Bijou do Camões


Antiga Pastelaria Bijou do Camões, na Rua João de Deus (memórias do comércio eborense)


Autor David Freitas
Data Fotografia 1960 - 1969
Legenda Antiga Pastelaria Bijou do Camões
Cota DFT6390 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

"Antes de Começar" no Teatro Garcia de Resende


O autor põe dois bonecos (um boneco e uma boneca) a falar. Numa belíssima prosa poética, falam da amizade, do amor, da vida, das relações humanas. Humanas sim. Quando não estão sob o olhar do seu manipulador, do seu bonecreiro, ganham vida própria.
Quando se encontram sozinhos tornam-se humanos e descobrimos que eles também têm coração.
Depois de ultrapassado o receio inicial, os bonecos vão-se abrindo um com o outro. Conversam das suas memórias.
Atravessamos hoje uma época em que os valores humanos andam muito arredados do dia a dia das pessoas. Num tempo em que as relações humanas estão banalizadas pelas pressões do quotidiano, pela carestia de vida, pela falta de esperança no futuro, pela desumanidade, esta peça pode ajudar-nos.
A esperança de um mundo melhor está nas mãos das novas gerações, se soubermos incutir nas crianças e nos jovens os valores inestimáveis, da força da amizade, do respeito pelos outros, da importância da cidadania. Eles vão com certeza aprender a construir um lugar onde se pode viver em harmonia e paz. Enfim, um lugar onde se pode ser feliz.
Este belo e didáctico texto do mestre Almada tudo isto ensina. Foram estas as razões que nos levaram a pensar na oportunidade de o trazer á cena.

Autor: Almada Negreiros
Encenação: Rui Nuno
Interpretação: Jorge Baião e Maria Marrafa
Cenografia e figurinos: Helena Calvet
Música: Vítor Ciríaco
Desenho de Luz e Direcção Técnica: António Rebocho
Construção de Cenário: Tomé Baixinho e Paulo Carocho
Confecção de Guarda Roupa: Vicência Moreira

Estreia dia 24 de Fevereiro com espectáculo também no dia 25, às 21h30, na Sala Estúdio do Teatro Garcia de Resende, para o público em geral.

Espectáculos para público do 1.º ao 8.º anos de escolaridade às 10h30 e às 15h00 nos seguintes períodos:
27, 28 e 29 de Fevereiro e 1 e 2 de Março
De 19 a 23 de Março
De 16 a 27 de Abril

Évora Perdida no Tempo - Fonte na Quinta das Glicínias


Autor David Freitas
Data Fotografia 1950 - 1960
Legenda Fonte na Quinta das Glicínias
Cota DFT3058 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Projeto Educativo do Património de Évora já está em plena atividade

O PEPE – Projeto Educativo do Património de Évora já está em pleno desenvolvimento no terreno, tendo diversas instituições aderido ao projeto, sido estabelecidas parcerias e salientando-se também que, desde o início do ano letivo foram já feitas diversas visitas, nomeadamente no circuito do Centro Histórico, ao Convento dos Remédios e à Unidade Museológica da CEA.

Recorde-se que o PEPE visa ser um fator de fortalecimento da identificação existente entre a comunidade e o seu património material e imaterial promovendo, em simultâneo, o seu conhecimento, a sua compreensão, a sua valorização.

Trata-se de uma temática cara à cidade de Évora, não só porque está classificada como Património da Humanidade, mas também enquanto Cidade Educadora. Lançado no ano em que Évora comemorou os 25 anos da classificação do seu Centro Histórico como Património Mundial, este projeto tem um público-alvo alargado, abrangendo não só a comunidade educativa, desde o ensino básico ao superior, mas também toda a população do concelho.

Foram já estabelecidas parcerias com as seguintes instituições: Turismo do Alentejo; Fundação Eugénio de Almeida; Museu de Évora; Centro de Estudos da Avifauna Ibérica; Associação Mundo BTT; Universidade de Évora; Agrupamento de Escolas nº 2 André de Resende; Agrupamento de Escolas nº 3 Santa Clara; Agrupamento de Escolas nº 4 Conde Vilalva; e Eborae Mvsica – Conservatório Regional de Música.

Entre as ações desenvolvidas destacam-se: Cabinet 1799, Aprender com o Aqueduto; Dentro do Convento, crio e invento; Vem conhecer a Câmara; Évora, tour medieval; Passeios históricos ao aqueduto; Évora monumental para miúdos; À la minuta; Fotógrafos, títeres e outros sonhadores; Lanterna mágica; Histórias encaixadas; Plantas aromáticas, medicinais e comestíveis que por aqui se usam; Oficina de oralidades; Jovens embaixadores; Bio-exploradores; A vida nas ribeiras; e Biodiversidade urbana.
A implementação deste projeto foi antecedida pela realização de um diagnóstico de auscultação da comunidade escolar sobre a pertinência do projeto, que incidiu em questionários dirigidos a professores titulares, pais e alunos do 1º ciclo do ensino básico.

Maioria defende que a Câmara deve desenvolver projetos educativos

A maioria dos professores inquiridos indicaram que consideram ser da competência do município desenvolver projetos de natureza educativa e a totalidade reconhece a importância da participação num projeto educativo municipal sobre património como complemento curricular dos alunos.
Foram aplicados 109 questionários aos pais em três escolas de 1º ciclo do Ensino Básico: EB1 Azaruja, EB1 S. Manços e EBI/JI Malagueira. A grande maioria dos inquiridos considera também competência do Município o desenvolvimento de projetos de natureza educativa. Quando questionados sobre as áreas de património que deverão ser prioritariamente promovidas, destaca-se o património natural (27%), logo seguido pelo humano (24%). É particularmente relevante que uma das áreas que consideram dever ser mais trabalhada seja precisamente uma com a qual apenas uma minoria associa a noção de património. Por outro lado, o património oral é considerado o menos relevante para ser trabalhado (39%), seguido pelo património artístico (21%). De salientar, ainda, um número significativo de ausência de respostas (8%).

No contexto da sua participação com o seu educando num projeto municipal sobre património, foram indicados diferentes espaços que gostariam de visitar, nomeadamente a Sé, o Museu de Évora e a Capela dos Ossos. 9,2% dos inquiridos não apresentou qualquer resposta.

Foram apresentados 128 questionários a alunos de 1º ciclo do Ensino Básico, dos quais 102 a alunos da EBI/JI da Malagueira, 14 da EB1 de S. Manços e 12 da EB1 de Valverde. A maioria identifica o património com o “conjunto de monumentos”, a grande maioria proveniente da EBI/JI da Malagueira. Apenas 14 alunos identificam o património como o “conjunto de heranças que recebemos” e a minoria associa-o ao ambiente e paisagem natural, imediatamente seguido pelos “sítios classificados pela UNESCO”.

Quando diretamente questionados sobre a integração, ou não, de contos, lendas e canções como parte do nosso património, verifica-se que uma significativa maioria (69%) os reconhece como tal, sendo que, destes, a maior parte, já havia definido anteriormente o património como “conjunto de tradições e costumes alentejanos”.

76% dos alunos reconhece ser o azinhal, o tipo de floresta típico da sua região, ainda que a soma das restantes respostas corresponda a um valor elevado (24%), denotando ainda algum desconhecimento sobre esta matéria.



Évora Perdida no Tempo - Sala do Éden Esplanada


O Éden Esplanada, único cinema ao ar livre que funcionou em Évora durante cerca de 40 anos, foi instalado no espaço que se mantinha devoluto após a demolição do Convento de Santa Catarina.

Autor David Freitas
Data Fotografia 1946 ant. -
Legenda Sala do Éden Esplanada
Cota DFT6447 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Évora no mundo nocturno de António Gancho

«Elisa não podia casar. As dioptrias de Elisa eram muito grandes. Na vista esquerda tinha 16 dioptrias e na direita 13. Tinha miopia e astigmatismo. Era míope. Mas esbelta, gorda, no entanto engraçada. Luís é que a pretendeu, andou atrás dela e casou com ela. Mas toda a gente dizia que Elisa não podia casar, era muito míope. Só Luís conhecia os seus sentimentos, a sua esbelteza em mulher gorda e forte, a levou para a cama e casou com ela. Luís dizia enquanto namoraram - «Eu quero-te Elisa, porque te amo muito.» Elisa aceitava e respondia, - «Luís, mas sou muito míope.» (...) Era em Évora que se passava a acção, era em Évora que isto se dava».

Assim começa a novela “As Dioptrias de Elisa”, da autoria de António Luís Valente Gancho, nado nesta terra em 1940, e que desde cedo começou a fazer-se notar como poeta de rara imaginação e talento. Tinha 17 anos quando publicou o seu primeiro poema nas páginas do jornal mensal de artes e letras local, “dom Quixote”, propriedade de Manuel Madeira Piçarra. A composição tinha por título «Na África há-de ficar minha alma...» e deixava adivinhar já a soturnidade que o dominava e marcaria toda a sua existência: «(...) Na África há-de ficar minha alma/Uivando porque será uma hiena/Que romperá/as noites luarentas de todo o pesado Continente » ou mais adiante: «(...) E meus olhos/Existirão dependurados da noite/Por todas as árvores/ Sendo o mistério da selva/E o mistério da noite/-Da noite inundados/Pelo longínquo vento dos/Chacais».

Pouco depois abala para Lisboa, onde começa a frequentar o célebre Café Gelo, situado num cotovelo da Praça do Rossio e conhecido como tertúlia oficiosa do Movimento Surrealista. Ali se encontravam regularmente Mário Cesariny, Pedro Oom, António José Forte, Herberto Helder e Luís Pacheco, entre outros. Este último definirá, na sua obra “Textos de Guerrilha”, editada em 1979, o grupo como heterogéneo, de afinidades electivas, estético-políticas e no qual se mesclava «um cheirinho de homossexualismo, um grãozinho de génio nalguns, inconformidade geral, anarquia nos espíritos e nos propósitos de quase todos».
Por esse tempo já António Gancho dava sinais de episódicos transtornos mentais.

À passagem dos 20 anos tentou suicidarse, pelo que o pai o internou no Hospital Júlio de Matos. Saiu alguns meses depois, mas as alucinações e as crises de desdobramento de personalidade (dizia ser Luís de Camões, Bocage, Pessoa, Kafka e todos os artistas da palavra que admirava) acentuaram-se progressivamente. Passou por outros hospitais psiquiátricos até que, em 1967, foi internado definitivamente na Casa de Saúde do Telhal.

Nos momentos de lucidez entregava-se à poesia, paixão e necessidade de sempre. A mãe, Herberto Helder e o pintor Álvaro Lapa, seu conterrâneo e amigo desde os verdes anos da infância e da adolescência, eram praticamente as suas únicas visitas. Em 1993, quando organizava o seu livro «Edoi Lelia Doura - Antologia das Vozes Comunicantes da Poesia Moderna Portuguesa», Herberto Helder pediu a Gancho alguns dos seus poemas, para apreciação e possível inclusão no mesmo. Este entregou-lhe trinta e seis, dos quais Herberto seleccionou onze. Quando a Antologia foi dada à estampa, sob a chancela da Assírio; Alvim, a crítica saudou o aparecimento do novo autor, que no Telhal era apelidado de «Poeta Louco».

O dono da editora, Manuel Rosa, propõe-lhe então publicar toda a sua obra, que aparece em 1995 nos escaparates com o título genérico de “O Ar da Manhã”, o qual, segundo o próprio autor, agrupa quatro livros num único volume: “O Ar da Manhã”, “Gaio do Espírito”, “Poesia Prometida” e “Poemas Digitais”. Em rigor, trata-se de uma colectânea de toda a sua poesia, desde os anos 60 até aos 80. Em resposta a um pedido de Manuel Rosado, que lhe pede uma definição curta sobre Gancho, Herberto Helder classifica-o de «poeta nocturno ». E, na verdade, fazem sucesso poemas como aquele que abre desta forma: «Noite, vem sobre mim sobre nós/ dá repouso absoluto de tudo/traz peixes e abismos para nos abismarmos/traz o sono traz a morte...» ou outro em que considera que «A poesia ouve-se na noite rumorosa onde sonham/ pássaros azuis e se ouve sempre útil e maliciosa/a voz negra e fundamental do galo», lembrando também em nova passagem a «Noite luarenta/ noite de mistério/noite tão sangrenta/solidão cemitério/ Na chaminé da planície/o Alentejo a solidar(...)».

Em epígrafe deixara escrito, ao jeito de sentido apelo à vida: «donne moi ma chance», por acaso - ou não -, o título de uma canção francesa na voz de Richard Anthony que fez furor nos anos 60. «Esta sólida revelação da poesia», como alguém na altura o apelidou, tinha já 45 anos. Portador de um discurso inovador, serviu-se das cantigas de escárnio para colocar em xeque os peralvilhos da palavra e os falsos entendidos da crítica. Assim os vergastou lapidarmente, seguindo de perto o modelo trovadoresco, num poema a que deu o título de “HOW RIDICULOUS THEY ARE” e é do seguinte teor: «Os intelectuais soen muy zurrar/Na literatura na poesia no café/Ai how they are/É verdade ou não, Lord Byron, é ou não é?/Nas pastelarias nas igrejas no café/Ai sobretudo no café/ É verdade ou não é, Lord Byron, é verdade ou não é?/ Ai how ridiculous they are/Zurrar o saben no da fror/Tempo em que as burras muito hão-de ganhar/ Como é de D. Dinis (com modificações) o teor.». 

No ano seguinte (1996) Gancho confessou ao seu amigo Álvaro Lapa que tinha uma novela que gostava de ver publicada e tinha sido escrita em 1990 tendo Évora, terra de ambos, como cenário. Este falou no assunto a Manuel Rosa, que logo se ofereceu para a editar. Tratava-se de “As Dioptrias de Elisa”. A apresentação e o desenho de capa couberam a Álvaro Lapa. Em tom coloquial e linguagem despojada, repetindo palavras e frases, hesitações e alvoroços, Gancho conta-nos a história da vesga Elisa, uma bela mulher que nunca se viu como tal, porque as dioptrias lhe distorciam a realidade. Encarcerada nesta realidade, casara e tinha dois filhos. Mas não gostava de sair à noite, «sobretudo não via bem no meio da rua com as luzes, as luzes não chegavam». Nessas ocasiões, o filho Carlos conduzia-a pela mão, outras vezes era a filha e até o próprio marido. Mas esta existência sem horizontes de Elisa foi quebrada aos 40 anos quando percebeu que um belo jovem de 26 a desejava intensamente. A acção desenrola-se por 61 páginas e tem por cenário as deambulação locais e ruas da sua cidade: Jardim Público, Rua da Oliveira, Rua Mestre Lourenço, Praça de Giraldo, Rua do Calvário, Mercado Municipal e outros. 

Com a cumplicidade de um velho que sorrateiramente descobrira a paixão devoradora que os abrasava, ambos viriam a amar-se intensamente durante dois dias e duas noites, aproveitando uma deslocação do marido e dos filhos a Mora para ver uns parentes dele. Depois... a vida prosseguiu. Esta sensualíssima novela, de contornos bem definidos no universo nocturno e solitário de Gancho, foi adaptada ao cinema numa curta metragem de 22 minutos co-produzida pela Filmes da Rua e RTP 2 em 2002, com realização de António Escudeiro e Sofia Sá da Bandeira no papel de Elisa. Por esse tempo já o dito poeta maldito se afundara num quadro de irreversível desagregação mental. Veio a falecer a 2 de Janeiro de 2006, há exactamente 5 anos, no dia em que completava 39 anos de internamento na Casa de Saúde do Telhal, em Sintra. Neste hospício escreveu toda a sua obra, com Évora na memória. Disseram uns que morreu a rir, outros que foi vítima de ataque cardíaco. O grande amigo Álvaro Lapa, que era da mesma idade e morreria um mês e nove dias depois - ou seja, a 11 de Fevereiro -, declarou, na circunstância, ao “Diário de Notícias” que António Gancho «era um homem de uma grande sensibilidade poética, mal tratado pela sociedade. Foi mais um caso de abuso psiquiátrico, de miséria nacional e institucional».


Texto: José Frota

Évora Perdida no Tempo - Interior da Papelaria Nazareth


Autor David Freitas
Data Fotografia 1966 -
Legenda Interior da Papelaria Nazareth
Cota DFT3116 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Hospedeiras para Évora

A Hospedeiras de Portugal - Promoção e Imagem, procura Hospedeiras (m/f) para eventos a realizar em Èvora:

Requisitos:
-Idade entre os 18 e 30 anos;
-Experiencia como hospedeira;
-Excelente apresentação;
-Pontualidade;
-Responsabilidade;
-Apresentação cuidada;
-Gosto pelo contacto com o publico;
-Proactividade;


Se preenche os requisitos, queira enviar-nos o seu CV com fotografia de cara e corpo (obrigatório) para



So serão consideradas as candidatura que prencham os requisitos e se façam acompanhar de fotografia.


sábado, 18 de fevereiro de 2012

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Évora promove vinhos alentejanos


O evento realiza-se na Praça Joaquim António d’Aguiar (Jardim das Canas), junto à sede da CVRA.

A Câmara Municipal de Évora, em colaboração com a Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA), promove no próximo sábado, dia 18 de Fevereiro, uma iniciativa pública de promoção dos vinhos do Alentejo, integrada no programa cultural da 9ª edição da Rota de Sabores Tradicionais.

Assim, entre as 10h00 e as 16h00, irá ter lugar na Praça Joaquim António d’Aguiar (Jardim das Canas), junto à sede da CVRA, provas comentadas de vinhos do Alentejo e mostra/venda de produtos tradicionais de qualidade, a realizar pelos produtores do concelho e lojas gourmet. A iniciativa será animada pelas atuações dos cantares tradicionais do Alentejo e de uma Banda Filarmónica.

No âmbito da iniciativa, pelas 16h00, a Adega da Cartuxa proporcionará uma visita guiada à sua adega, sujeita esta a inscrição prévia por motivos de logística. A inscrição deverá ser feita, até ao dia 17 de Fevereiro, pelo telefone 266 748 393 (Adega da Cartuxa).

Évora Perdida no Tempo - Vista lateral da Sé de Évora


Vista lateral da Sé Catedral de Évora, a partir do portão do Páteo de São Miguel.


Autor David Freitas
Data Fotografia 1950 - 1969
Legenda Vista lateral da Sé de Évora
Cota DFT394 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Brincas de Carnaval em Évora

Évora Perdida no Tempo - Sala do Palácio dos Condes de Basto


Sala nobre do Palácio dos Condes de Basto (Pátio de São Miguel) antes das obras de restauro. O edifício, em avançado estado de ruína, foi adquirido em 1957 pelo Conde de Vill'Alva, que no ano seguinte iniciou as obras de recuperação, com a colaboração do Arquitecto Ruy Couto. As obras de consolidação, recuperação e restauro duraram cerca de 15 anos.

Autor David Freitas
Data Fotografia 1957 Dep. -
Legenda Sala do Palácio dos Condes de Basto
Cota DFT4420 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Álvaro Domingues nos Ciclos de São Vicente

CICLOS S. VICENTE
FEVEREIRO - RURALIDADES
Igreja de São Vicente, Évora
Colecção B, Associação Cultural

Aquilo a que continuamos a chamar ‘campo’, a ‘vida no campo’, não é já o que era. O mundo rural globalizou-se, é hoje palco de contaminações várias, hibridou-se e redesenhou os seus limites. O espaço e os seus modos de vida impõe-nos hoje respostas e perguntas renovadas, abrem-se a inquietações e inquirições outras, espelhando talvez o estatuto ‘transgenérico’ de que fala o geógrafo Álvaro Domingues na sua irreverente leitura da ‘vida no campo’.

A fechar a incursão nas ‘ruralidades’, a que demos lugar na programação de Fevereiro, vamos receber ÁLVARO DOMINGUES na Igreja de São Vicente.



15 de Fevereiro, 18h
"A paisagem era verde, veio uma cabra e comeu-a"

Uma incursão pelo Alentejo (pouco) profundo com o geógrafo Álvaro Domingues, nome que tem merecido destaque na actualidade. Uma leitura provocatória, incisiva, lúdica e atenta do território alentejano e do debate sobre o rural e a ruralidade, sobre conceitos e limites, sobre representações e realidades. Ocasião para apresentar o livro 'A rua da estrada' (Dafne, 2011) e o livro por vir 'A vida no campo', actualmente em subscrição.

Seja um dos primeiros 500 subscritores de uma obra notável! www.alvarodomingues.net


Évora Perdida no Tempo - Casa Soure, no Largo da Porta de Moura


Aspecto da Casa Soure, no largo da Porta de Moura, antes da desobstrução da arcada que dá acesso à loja da Gráfica Eborense.
Autor David Freitas
Data Fotografia 1959 ant. -
Legenda Casa Soure, no Largo da Porta de Moura
Cota DFT4424 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Personalidades Eborenses - António Livramento

António José Parreira do Livramento, mais conhecido como António Livramento (São Manços, 28 de Fevereiro de 1943 – Lisboa, 7 de Junho de 1999), foi um jogador de hóquei em patins português, considerado o melhor jogador do Mundo de todos os tempos.
Começou por jogar futebol, a sua paixão de adolescente, no Venda Nova, perto de Benfica. A certa altura, um técnico do Futebol Benfica, Torcato Ferreira, achou que o "miúdo" teria muito jeito para jogar hóquei em patins, e convidou-o a aparecer no rinque do «Fófó». Livramento recusa, mas perante a insistência de Torcato decide experimentar, e a a partir daí o futebol passa para segundo plano.
Em 1959, o Benfica contrata-o, numa operação algo complicada, e aos 16 anos é chamado à selecção de juniores por António Raio. Tem a sua estreia auspiciosa contra a Bélgica, no Campeonato da Europa, marcando três golos na vítória por 5-1. É eleito melhor jogador do torneio, aliado ao troféu de melhor marcador.
Passa para a equipa principal, e em 1961 sagra-se Campeão Europeu, marcando 17 golos, tal como Adrião. No ano seguinte a dupla Livramento/Adrião torna-se imparável e Portugal é Campeão do Mundo.
Um momento ímpar na carreira de António Livramento aconteceu em Maio de 1962. O Mundial de hóquei em patins disputava-se em Santiago do Chile. No jogo entre Portugal e a Argentina, um jogador apanha a bola atrás da baliza, finta toda a equipa adversária e marca golo levando o público ao delírio. Era Livramento, que, emocionado, pede para sair.
Em 1963, torna-se pela segunda vez Campeão da Europa, e em 1965, em mais um triunfo europeu de Portugal, deslumbra, marcando sete dos 17 golos da vitória lusitana sobre a Bélgica. No final dos anos 1960 já não há dúvidas que o futuro do hóquei era ele.
A beleza do seu jogo só é igualada pela eficiência do mesmo. Volta a ser Campeão Nacional e Europeu em 1967, e um ano depois, no Porto, marca 42 golos em nove jogos do Mundial, quase metade dos da selecção das quinas (92). Por três vezes marca dez golos (Japão, Nova Zelândia e Suíça) num só jogo.
As grandes exibições levam-no a sair do Benfica para Itália, para jogar no Hóquei Candi Monza, mas pela primeira vez fica fora da selecção, quando Portugal se sagra novamente, em 1971, Campeão da Europa. Volta a Lisboa no ano seguinte para ser Campeão pelos encarnados, triunfo que repete em 1974, sagrando-se pela segunda vez Campeão Mundial.
Com a sua genialidade e talento junta mais dois títulos europeus ao seu vasto palmarés. Muito supersticioso, quando um jogo lhe corria bem, voltava a equipar-se da mesma maneira, repetindo os mesmos passos no jogo seguinte.
Ingressa depois no clube do Banco Pinto & Sotto Mayor, onde era funcionário, chegando a campeão da II Divisão.
Daí muda-se, em 1977, para o clube do coração, o Sporting, integrando uma equipa de sonho. Conquista tudo o que havia para ganhar, incluindo o título que lhe faltava, a Taça dos Campeões Europeus.
Sob a sua batuta, Portugal volta a sagrar-se Campeão Europeu, num jogo com a Espanha, incendiado nos minutos finais pelas agressões mútuas entre Livramento e um espanhol, que termina com invasão de campo. Após o jogo, declara "é a última vez que jogo pela Selecção. Em tantos anos nunca coisa semelhante me aconteceu. Tive de reagir depois do Ortega me ter agredido, quando vi o osso de fora…a minha saída não afectará Portugal". Fez 209 jogos com a selecção das quinas, marcando 425 golos. Ruma depois ao Amatori Lodi, de Itália, terminando a carreira no Sporting, em 1980.
Depois de abandonar os rinques, inicia o percurso de treinador novamente pleno de êxito, levando em 1981 o Sporting à vitória na Taça das Taças. No ano seguinte conquista o Campeonato Nacional.
Em 1984 conduz o «seu» Sporting a mais dois troféus para as vitrinas de Alvalade (Taça Cers e Taça de Portugal), e ruma de novo a Itália para treinar o Bassano, onde jogam Luís Nunes e Fanã.
Volta a Alvalade, qual pronto-socorro para reanimar uma equipa moribunda, levando-a ao segundo lugar do Campeonato.
Com o rigor, disciplina e a capacidade de motivar os jogadores implanta um jogo agressivo, ao bom estilo italiano, de procura constante da bola, aliada ao tecnicismo português que torna as suas equipas infalíveis. O seu maior vício era o tabaco, a ponto de, nos estágios da Selecção, dividir o quarto com o massagista para não fumar.
Soma mais três títulos, dois Europeus pela selecção, e um Nacional pelos «leões», e já na década de noventa, em 1993, é Campeão Mundial em Itália, 31 anos depois do último troféu conquistado fora de casa.
Não pára por aí, e como seleccionador sagra-se novamente Campeão da Europa no ano seguinte. Em 1998 é convidado para treinar o FC Porto e na mesma temporada vence o Campeonato, mas perde por penaltis a final da Liga dos Campeões.
A 5 de Junho de 1999, o destino coloca-o perante o desafio final, acabando por morrer repentinamente com apenas 55 anos, vítima de uma trombose.
Cristiano Pereira, colega de selecção e seu substituto no lugar de treinador do FC Porto, define o campeão na hora da despedida final: "Ele era o artista".

Títulos conquistados ao serviço do Sporting
1 Taça dos Campeões Europeus (1977)
1 Campeonato Nacional (1977)
1 Taça de Portugal (1977)
Como treinador do Sporting
2 Campeonatos Nacionais (1982 e 1988)
1 Taça das Taças (1981)
1 Taça CERS (1984)
1 Taça de Portugal (1984)

Palmarés como Jogador da Selecção Nacional
209 internacionalizações com 425 golos marcados
Campeonatos do Mundo ganhos – 3 em 1962, 68 e 74
Campeonatos da Europa ganhos – 7 em 1961, 63, 65, 67, 73, 75 e 77
Palmarés como Seleccionador/Treinador da Selecção Nacional
Campeonatos do Mundo Ganhos – 2 em 1982 e 1993
Campeonatos da Europa Ganhos – 3 em 1987, 1992 e 1994

Clubes representados como Treinador
Sporting Clube de Portugal
Hóquei Clube de Turquel
Futebol Clube do Porto
A.S. Bassano Hockey (Itália)

Évora Perdida no Tempo - Aspecto interior (maquinaria) da Fábrica dos Leões


Aspecto interior (maquinaria) da Fábrica dos Leões, em Évora.

Autor David Freitas
Data Fotografia 1950 dep. - 1970 ant.
Legenda Aspecto interior (maquinaria) da Fábrica dos Leões
Cota DFT5109.1 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Câmara de Évora cria parque de estacionamento: Intervenção para proteção do Cromeleque dos Almendres

A Câmara Municipal de Évora implementou um parque de estacionamento a 300 metros de distância do Cromeleque dos Almendres, numa operação articulada com a DRCALEN (Direção Regional de Cultura do Alentejo) e o proprietário da herdade. Esta intervenção visa impedir o acesso automóvel ao monumento a partir desse ponto, protegendo do impacto nocivo do trânsito um dos mais importantes testemunhos do período megalítico na Península Ibérica.
Com cerca de 800 m2, este parque de estacionamento tem capacidade para 4 a 5 autocarros ou cerca de 20 viaturas ligeiras. Os trabalhos, concluídos no passado dia 31 de janeiro, custaram cerca de 6.700 euros e foram realizados, exclusivamente, pelos trabalhadores e máquinas da Câmara Municipal de Évora.
Para uma segunda fase está igualmente prevista uma operação de reposição do solo que suporta o monumento e uma intervenção no espaço envolvente, com o objetivo, por um lado, de melhorar as condições de drenagem do local e, por outro, de sugerir ao visitante o ponto mais interessante de observação do monumento.
Os trabalhos no terreno estão a ser desenvolvidos pelo Departamento de Ambiente e Qualidade e pela Divisão de Espaços Verdes e Qualidade Ambiental da Câmara de Évora, sendo que as obras têm merecido um acompanhamento próximo por parte do Departamento do Centro Histórico, Património e Cultura da autarquia e da DRCALEN.
Esta intervenção, que já se tentava levar a cabo há muito tempo, é muito importante para a proteção do monumento e poderá servir de sensibilização e estímulo junto de outros proprietários de património histórico e arqueológico de relevo.

Évora Perdida no Tempo - Avenida São João de Deus


Prédios da Avenida São João de Deus (Zona de Urbanização nº1)


Autor David Freitas
Data Fotografia 1950 dep. - 1962 ant.
Legenda Avenida São João de Deus
Cota DFT7681 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

domingo, 12 de fevereiro de 2012

COMERCIAL (MANUAIS ESCOLARES) - Residente em ÉVORA ou no Distrito

Recrutamos para nosso cliente no sector de actividade ligado à edição e comercialização de manuais escolares:

- COMERCIAL (MANUAIS ESCOLARES) - Residente em ÉVORA ou no Distrito

FOTO OBRIGATÓRIA

* Requisitos:

- BOA APRESENTAÇÃO
Apresentação ou Espírito jovem, formal, cuidada e credível (muito boa apresentação será imprescindível para a função - trata-se de lidar com Escolas - Professores e Encarregados de Educação)

- PERFIL/PERSONALIDADE
- Empatia fundamental
- Espírito Jovem
- Excelente facilidade de comunicação
- Orientação para os resultados
- Dinamismo e Autonomia
- Forte espírito de equipa e capacidade de auto-motivação

- Elemento com gosto pelas áreas do ensino e da pedagogia (preferencial mas não obrigatório)

- HABILITAÇÕES
- Experiência Comercial;
- Carta de Condução e disponibilidade para deslocações pelo País.
- Habilitações académicas ao nível da licenciatura ou 12º Ano de Escolaridade;
- Bons conhecimentos em informática na óptica do utilizador


- DISPONIBILIDADE
- Imediata e Horária para efectuar eventuais horas foras do horário normal de trabalho e remuneradas de acordo com a Lei.


* Funções:

- Comercialização de Livros de Exercícios / Fichas Técnicas junto de Professores e Escolas já depois de no início do ano terem adquirido os manuais principais.
- Divulgação e promoção dos manuais escolares e da Editora junto de Professores e Encarregados de Educação;
- A Divulgação/ Apresentação dos manuais poderá ser feita em Escolas, Hotéis (em eventos através de apresentações em powerpoint), etc.
- Acompanhamento e Esclarecimento de Dúvidas junto dos Professores e Encarregados de Educação dos Manuais Escolares entretanto adquiridos e aprovados pelas escolas e/ou Encarregados de Educação;

- Zona Geográfica de actuação : Évora, Beja e Portalegre

* Oferecemos:

- Vencimento liquido – 650€
- Refeições: 7€ com apresentação da factura
- Viatura da Empresa – para uso única e exclusivamente em horário laboral (kms/combustível pagos pela empresa)-
AINDA POR DEFINIR NESTA FASE SE SERÁ VIATURA PRÓPRIA OU DA EMPRESA
- Telemóvel – 30€/ mensal
- Horário de 2.ª a 6.ª feira das 9h às 18h (com disponibilidade para pontualmente trabalhar Sábados que serão pagos como Hora Extra)

Nota: Não existe lugar ao pagamento de Comissões

Observações:
Os candidatos deverão enviar o seu currículo com fotografia, indicando a Referência:
"COMERCIAL - ÉVORA"

para:




FOTO OBRIGATÓRIA
Só serão contactadas as candidaturas seleccionadas.

TRIANGULU
Rua Andrade Corvo, N.º 27 - Piso 3, 1050-008 Lisboa

sábado, 11 de fevereiro de 2012

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Salamandra intoxica seis alunos em escola de Évora

Seis crianças, três do sexo feminino e outras três do sexo masculino, sofreram uma intoxicação por monóxido de carbono, esta sexta-feira à tarde, numa escola em Évora. Quatro delas tiveram de ser internadas no Hospital do Espírito Santo, naquela cidade.

O alerta foi dado pelas 14.20 horas, quando os menores, alunos da EB1 do Bairro da Câmara, em Évora, se queixaram de náuseas e vómitos.

Segundo as autoridades, o forte vento na cidade terá provocado uma deficiente ventilação da salamandra instalada no estabelecimento de ensino, para aquecer a população escolar.

Com idades compreendidas entre os nove e os 10 anos, quatro crianças mantêm-se em vigilância nas Urgências Pediátricas do Hospital do Espírito Santo.

Segundo o porta-voz desta unidade hospitalar, não houve qualquer necessidade de submeter as vítimas a terapêutica de oxigénio.

Ambiente - Ecopista (Ramal de Mora)


A conversão do antigo ramal ferroviário de Mora em ECOPISTA surge na sequência de um protocolo celebrado entre a REFER e a Câmara Municipal de Évora, com vista à integração na rede de percursos cicláveis e pedonais.

É objectivo da ECOPISTA ramal de Mora contribuir para promover o desenvolvimento integrado da região, promovendo pontos de interesse histórico/culturais, o turismo, recreio e lazer ao ar livre, a recuperação de património em mau estado de conservação, num âmbito de incentivo à conservação da natureza e valorização dos sistemas naturais existentes.
Na zona urbana de Évora a ECOPISTA é em tapete de betão betuminoso com o objectivo de permitir uma utilização cómoda e segura das pessoas com mobilidade reduzida.
Esta ECOPISTA desenvolve-se desde o bairro do Chafariz d'El Rei, em Évora, até ao limite de concelho, na Sempre Noiva, numa extensão de 21km, tendo depois continuidade nos concelhos de Arraiolos e Mora, numa extensão total de 60km.





A Ecopista atravessa paisagens tipicamente alentejanas, predominantemente de montado e olival. Ao longo do percurso encontrará alguma informação sobre a vegetação circundante.



Sobreiro
O sobreiro pertence à família das Fagáceas e ao género Quercus. A cortiça que se extrai dos sobreiros é um tecido vegetal denominado por súber, donde advém o nome científico (Quercus suber).
É uma árvore de porte médio que pode atingir uma altura média de 15 a 20 m. Tem um crescimento lento, levando cerca de meio século a atingir a sua fase de maturidade. O tronco tem uma casca espessa, vulgarmente designada por cortiça. As suas folhas são persistentes e o seu fruto é a glande ou lande, vulgarmente conhecida por "bolota".
O sobreiro está concentrado na bacia do Mediterrâneo. Em Portugal ocorre com especial incidência a Sul do Tejo onde, frequentemente, forma montados. O montado é um sistema agro-silvo-pastoril extensivo, resultante da intervenção humana nos bosques mediterrâneos originais, que combina uma elevada importância socio-económica com uma excepcional diversidade biológica.
A bolota é a base da alimentação do porco preto e o principal distintivo na qualidade da sua carne na produção de presuntos e enchidos.



Cortiça
A cortiça é um bom isolador térmico e acústico, sendo largamente utilizada no fabrico de rolhas, revestimentos, tapetes, palmilhas... Os desperdícios são aproveitados na indústria de linóleo, serradura de cortiça e fabrico de aglomerados. Em Portugal as tiradas de cortiça ocorrem de nove em nove anos.
Portugal produz mais de metade da cortiça mundial.



Olival
A oliveira (Olea europea var. sativa) pode atingir até 15m de altura, de grande longevidade, de folhas persistentes, verdes/prateadas e troncos retorcidos, com frequência tortuosos, resistente à secura e bem adaptada a solos calcários.
É uma árvore das regiões mediterrânicas. Em Portugal ocorre em praticamente todo o país à excepção das regiões frias.
O olival é um povoamento de oliveiras, espécie cultivada com o objectivo da produção da azeitona, destinada à conserva e produção de azeite - óleo natural muito utilizado na alimentação mediterrânea, de reconhecidas qualidades.
Desde a antiguidade que o ramo de oliveira é considerado um símbolo de Paz e de boa Vontade.



Galeria Ripícola (Rio Xarrama)
Um curso de água constitui uma singularidade ambiental e paisagística dentro das características biogeográficas gerais da área onde se encontra. A maior disponibilidade hídrica e o ambiente mais fresco e sombrio determinam a ocorrência de espécies melhor adaptadas a estas condições. A vegetação que se desenvolve nestas condições chama-se galeria ripícola. Algumas plantas típicas de galerias ripícolas que pode encontrar:

Choupo, Populus nigra
Freixo, Fraxinus angustifolia
Sabugueiro, Sambucus nigra
Loureiro, Laurus nobilis
Salsaparrilha, Smilax aspera
Hera, Hedera helix
Jarro, Arum italicum
Silva, Rubus ulmifolius

A galeria ripícola também é um local que atrai diferentes espécies de aves que aqui encontram protecção, alimento e condições de nidificação.



O Loureiro
O loureiro (Laurus nobilis), originário da região mediterrânea é uma árvore que pode atingir cerca de 20m de altura. Apresenta ramagem densa e perene de folhas verdes escuras. As suas folhas libertam um aroma muito agradável, sendo por isso frequentemente utilizadas como tempero na cozinha tradicional alentejana.
É também muito utilizado como planta ornamental em parques e jardins.
A sua abundância nesta zona originou o topónimo mais antigo da região - Louredo.
A planta é conhecida desde a Grécia antiga, onde as coroas feitas de folhas de louro eram entregues aos vencedores de competições como símbolo da vitória. Daí a expressão "louros da vitória".

Évora Perdida no Tempo - Pátio do antigo Palácio do Farrobo



Pátio do antigo Palácio do Farrobo (antigo Quartel dos Bombeiros), demolido em 1963 para dar lugar ao Palácio da Justiça.


Autor David Freitas
Data Fotografia 1963 ant. -
Legenda Pátio do antigo Palácio do Farrobo
Cota DFT7664 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Concurso - Estrelas de Évora




CONCURSO
ESTRELAS DE ÉVORA
até 17 Fevereiro

Normas de participação 
FICHA DE INSCRIÇÃO
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...