sexta-feira, 6 de julho de 2012

Cherifa (Marrocos) hoje em Évora


6 de Julho 2012
22h00 - Palacio Cadaval

Cherifa
A Poetisa do Médio Atlas
Marrocos

Que ela seja camponesa das montanhas e dos vales, dançarina ou cantora profissional como os Cheikhats ou os Rwayyes dos Souss, a mulher marroquina está ligada à sua terra, à sua língua, às tradições da herança oral transmitidas de geração em geração. Neste sentido, ela é parte de uma universalidade. As mulheres carregam com elas o ritual íntimo da existência, uma intimidade que os homens por pudor têm ignorado demasiado.

As Cheikhats são principalmente originarias do Atlas Médio e da região de Beni-Mellal. Todas elas são mais que simples cantoras e dançarinas, algumas delas estabeleceram-se como cantoras a tempo inteiro. Estendem-se por uma antiga tradição poética que se adaptou ao longo do tempo. Cherifa foi descoberta quando era apenas uma jovem camponesa, pelo grande mestre e cantor Rouicha de quem será corista durante muito tempo.

Originalmente de Khenifra, a pequena cidade de cor ocre das montanhas vizinhas, Cherifa pode parecer, à primeira vista, austera e masculina. A vida como cantora profissional dá-lhe um modo de vida diferente, um estatuto diferente do que a das mulheres tradicionais marroquinas.

As Cheikhats têm um estatuto ambíguo: mulheres livres, ao mesmo tempo são portadoras de uma palavra que pertence à comunidade e revela os pensamentos ocultos de cada ser. No "tamawayt", tipo de canto Berbere do Médio Atlas, ela recita as palavras dos poetas da aldeia, acompanhado pelo alaúde "Lotar" Aziz Aarim, músico de rara delicadeza e que evoca as cores orientais e tons africanos de música berbere. O registo emocional alterna entre sentimentos de alegria e de sofrimento.

Os cantos de Cherifa muitas vezes terminam ao ritmo de Ahidous, a dança e o canto da comunidade de aldeias no Médio Atlas. No Ahidous original, o poeta penetra ao centro de um círculo humano, tanto masculino como feminino para recitar uma perspectiva que poderia ser contrariada por outro membro da aldeia. Os coros dos bailarinos aquiescido por um conjunto de fórmulas responsaria em festas que podem durar mais de 4 horas. A energia dessas danças catalisadas pelo raïs para a música e ritmo, e o ma'llem para a organização da dança, mantém um papel unificador dentro da aldeia.

Chamados Berberes pelos antigos conquistadores gregos e romanos que chamaram àqueles que não falavam a sua língua, este povo hoje reivindica uma verdadeira identidade cultural e linguística. A sua língua de origem karito-semita e, portanto, relativamente perto do árabe, divide-se em grupos diferentes, o dialecto Tuaregue das montanhas Aures, do Imazighen e do Médio Atlas.

Hoje, os berberes tentam adaptar os seus dialectos respectivos à escrita Tuaregue. São eles que por sua nobreza "bárbaro", forjaram, por sua marca, a música marroquina de hoje.




Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...