sexta-feira, 14 de setembro de 2012

A oculta Ermida de Nª Srª do Ó

A Ermida de Nossa Senhora do Ó, pequeno templo de graciosidade ímpar incrustado no arco da Porta de Avis, subsiste hoje como o único dos nichos e capelas que foram erguidos, em meados do século XIV, em honra da Virgem Maria, nas quatro entradas mais importantes da cidade.

Das outras ermidas, a da Porta de Machede (Senhora da Natividade), completamente degradada, passou a fazer parte de uma casa de habitação; a da Porta de Alconchel (Senhora da Ajuda) foi demolida em 1866 e a da Porta da Rua da Mesquita (Senhora do Amparo) foi integrada na Igreja do Senhor Jesus da Pobreza, que começou a ser construída em 1729.

Segundo o Cónego António Fernando Marques, por cima da Porta de Avis, virada a nascente, foi construído
um nicho onde foi colocada uma imagem de Nossa Senhora do Ó, padroeira das grávidas e parturientes. No lugar daquele vieram a ser mais tarde levantados um balcão e um arco coberto, em cujo vão se pintou, a fresco, a imagem da Virgem a caminho do Egipto. Outros quadros ali foram pintados: Nª. Srª. do Espinheiro, S. Sebastião e Santo António.

Cerca de 1484, foi então construída a actual ermida sobre a espessa muralha e entre as duas portas,  possivelmente como forma de resguardar a imagem da Senhora do Ó, alvo de grande devoção popular.
Nos séculos seguintes, o pequeno orago sofreu reparações e melhoramentos vários (1525 e 1589), suportados integralmente pelo Cabido eborense. Em 1671, o próprio povo veio a contribuir para a recuperação da capela, que os espanhóis haviam destruído quase por completo oito anos antes, durante a Guerra da Restauração. Entretanto, em 1804 foi a Porta de Avis que entrou em obras. A Câmara e o príncipe regente D.João, de acordo com o Comando Militar, ordenaram a abertura de uma Nova Porta de Avis, depois de produzidas diversas alterações necessárias ao seu reforço e consolidação, as quais não se repercutiram nas suas estruturas fundamentais. 

Dessa intervenção ficou uma lápide comemorativa na parte cimeira exterior da Porta. Afigura-se por natural que tenham sido efectuadas algumas modificações na ermida que lhe deram a configuração actual. Na sua obra “Da Toponímia de Évora – Vol. I”, o historiador Afonso de Carvalho afirma que «apesar de muito pequena, a ermida de Nª. Srª. do Ó tinha confraria própria e nela dizia-se missa todos os domingos e dias santos, ficando os fiéis do lado de fora e o celebrante no interior da ermida». Mais informa que eram de «grande riqueza» as pinturas e imagens existentes nesta ermida, como Frei Agostinho de Santa Maria deixou bem documentado no seu livro “Santuário Mariano”, de 1716.  E recorda que as festas em honra da Virgem tiveram uma certa importância, mormente no período que mediou entre a segunda metade do século XIX e a queda da Monarquia.

Com a implantação da República, a ermida viu-se incluída no arrolamento dos bens da Igreja e posteriormente encaminhada para uso civil. Apesar da sua exiguidade, terá servido, durante esse tempo, de habitação e arrecadação de uma taberna. Depois de devolvida à sua função primordial veio a ser reaberta ao culto em 24 de Junho de 1931 (há exactamente 78 anos), sendo a missa de Acção de Graças celebrada pelo Arcebispo de Évora, D. Manuel da Conceição Santos.

Hoje entra-se nela por uma porta situada na abertura interior da muralha. Sobem-se quatro pequenos lanços de escada e de súbito vemo-nos introduzidos na capela pela zona meã da sua actual disposição. Logo à direita, e junto a uma janela, figura o antigo púlpito. À esquerda, fica o cativante altar da Senhora do Ó, sendo todo o espaço longitudinal ocupado por cinco bancos corridos, onde, com boa vontade, se poderá sentar um máximo de 30 pessoas.

Na parede são visíveis os quadros atrás mencionados. A outra extremidade, também servida por pequena janela que dá para a Rotunda fronteira, é composta pelo antigo balcão, o qual se encontra preenchido com livros sagrados. O curioso templete não está, nos nossos dias, aberto ao público. Mas franqueia as suas portas aos segundos domingos de cada mês, pelas 9 horas, para a celebração da Eucaristia. Sem o esplendor das grandes festas de há um século, que, segundo reza a imprensa da época, chegaram a reunir no Largo de Avis mais de seis mil pessoas, a imagem da Senhora do Ó continua a sair anualmente em procissão no dia 18 de Dezembro, liturgicamente apelidado de dia da Expectação. Foi nessa data que, de acordo com a tradição católica, Maria exprimiu ardentemente o desejo de ver nascer rapidamente o seu filho.

Texto: José Frota
Fotografias: Carlos Neves

1 comentário:

Marsea disse...

É possível visitar?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...