quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Queda de aeronave em Évora mata piloto de Lisboa


A queda de uma aeronave ocorrida, esta quarta-feira, às 12.06 horas, próximo do aeródromo de Évora, provocou a morte do piloto e único ocupante do aparelho, esta quarta-feira de manhã.

O JN sabe que o piloto é natural de Lisboa. A aeronave caiu numa zona rural, no Monte da Pereira, nas imediações do aeródromo municipal de Évora.

Contactado pela Lusa, o responsável da Proteção Civil Municipal de Évora, Joaquim Piteira, adiantou que "a aeronave embateu no solo e ficou completamente danificada".

A vítima mortal, de 34 anos, natural de Lisboa, ficou "encarcerada" nos destroços do aparelho, relatou.

A aeronave pertence à Academia Aeronáutica de Évora (AAE) e a vítima do acidente é um aluno desta escola e estava na fase final do curso.

A fonte da AAE indicou à Lusa que o piloto era "um aluno em voo solo". Segundo a mesma fonte, a aeronave que caiu é um avião de instrução monomotor Socata TB-200 GT.

Para o local do acidente foram mobilizados 25 elementos, entre bombeiros, membros do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e da GNR, apoiados por 10 viaturas.

A zona do acidente está vedada pelas autoridades.

O acidente aéreo está a despertou a curiosidade dos automobilistas que circulavam na estrada que liga Évora a Viana do Alentejo, sendo que alguns deles pararam na berma para observar de longe.

A Academia Aeronáutica de Évora, instalada no aeródromo de Évora, foi criada em 1999, numa parceria entre a escola de pilotos holandesa Nationale Luchvaart School, detida pela Canadian Aviation Electronics (CAE), e a TAP.

O Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves (GPIAA) já começou a investigar as causas da queda de uma aeronave hoje em Évora, que provocou um morto, revelou à agência Lusa o responsável do gabinete.

O tenente-coronel Fernando Reis, diretor do GPIAA, adiantou que foi aberto um processo de investigação para averiguar as causas do acidente aéreo cujos trabalhos já arrancaram no terreno hoje à tarde.

"Estamos a recolher informação e fotografias", assinalou o responsável, indicando que os destroços da aeronave já foram removidos para as instalações da Academia Aeronáutica de Évora (AAE), proprietária do monomotor e da qual era aluno a vítima mortal.

O GPIAA, que já contou com quatro investigadores, tem atualmente apenas um, passando o processo da aeronave que se despenhou em Évora para a lista das investigações em curso, indicou Fernando Reis, assegurando que a qualidade da investigação "está garantida".

Texto: JN/Lusa

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...