sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Farmácia Motta - O último reduto dos monárquicos eborenses



No comércio local existem lojas com mais de um século de existência. Do passado de algumas constam episódios que foram relevantes na história recente da cidade, ainda que o rolar dos tempos os tenha remetido para o baú do esquecimento. Importa por isso recordá-los, contribuindo para um melhor conhecimento do passado próximo da cidade, e também para se entender e compreender o seu presente. Isto porque a história de uma loja não se reduz à actividade a que se dedica nem ao espaço físico que ocupa, mas passa igualmente pelo percurso de vida dos respectivos proprietários e dos caminhos que imprimiram aos seus estabelecimentos. 

 É o caso da Farmácia Motta, situada em plena Praça de Giraldo, a qual foi palco de acontecimentos de natureza política de que muitos dos actuais eborenses não suspeitam mas que se vieram a inscrever nos registos oficiais da cidade e do país. O grande responsável por tais factos foi o seu proprietário, Joaquim Lopes da Motta Capitão, monárquico convicto e posteriormente nacional-sindicalista, de carácter inflamado e sempre pronto a usar da palavra ou da pistola para defender os seus ideais. Nascido no Tramagal em 1885, Motta Capitão, que foi um dos principais protagonistas políticos da cidade entre os anos de 1910 e 1933, veio muito novo para Évora a fim de ajudar seu tio na Farmácia Motta, que este fundara e tornara a mais conceituada do distrito. Inteligente, tirou com bastante facilidade o curso de Farmácia. Apaixonado e temperamental, casou cedo com Ana Fernandes Soares, filha única do poderoso proprietário e banqueiro Conselheiro José António d’Oliveira Soares. 

Gozando de excelente situação financeira, Motta Capitão evitou o encerramento do jornal “Notícias d’ Évora” nos dias seguintes à implantação da República, dado que este, como folha apoiante do dissolvido Partido Regenerador–Liberal, não tinha condições para continuar. Foram os operários despedidos a encontrar na pessoa do boticário da Praça de Giraldo a pessoa e a bolsa certa para o que o jornal não morresse. E, logo que reapareceu, o diário, pela pena do seu administrador Carlos Pedrosa, entendeu esclarecer que «reconhecendo a nova forma de governo instituída agora em Portugal, não queremos com isto dizer que aderimos à República». 

Investido por si próprio na função de redactor-chefe, passou usar o jornal como tribuna de ataque ao regime republicano. Enquanto cidadão, envolveu-se na conjura monárquica de 1912, pela que veio a ser condenado a 20 meses de cadeia na prisão do Limoeiro. Foi já na qualidade de director do “Notícias d’Évora”, e debaixo de forte escolta policial, que saiu do calabouço para vir responder ao Tribunal de Évora por abuso de liberdade de imprensa, com o fundamento de ter ofendido a Colomissão Concelhia de Administração dos Bens do Estado. 

Durante a sua reclusão foi o redactor agrícola Santos Garcia que assegurou a continuidade do jornal. Amnistiado por um decreto de Fevereiro de 1914, de Bernardino Machado, que abrangeu cerca de 1200 monárquicos, Motta Capitão é libertado e exila-se em Espanha. A morte do tio, que lhe deixa em herança a farmácia, obriga-o a regressar para ficar à testa do negócio. E volta de novo à política e ao jornal, ao qual torna a imprimir um cunho fortemente anti-republicano, envolvendo-se em várias quezílias com as autoridades. É assim que, na sequência de nova insurreição monárquica, os republicanos eborenses saem à rua para festejarem o seu insucesso e aclamarem a República, mostrando a sua firme disposição de a defenderem intransigentemente.

Em ambiente de grande exaltação, a enorme massa de manifestantes passa junto da Farmácia Motta e  segundo o Jornal “Voz Pública” – depois de alguns gritos de «abaixo os traidores» ouviram-se tiros, sendo voz corrente que partiram da farmácia, onde se encontravam os empregados e o proprietário, Joaquim da Motta Capitão. Prossegue o periódico: «Os vidros da farmácia voaram à pedrada, havendo mais tiros, um dos quais deu morte instantânea ao ajudante Jacinto Parreira, de 18 anos, ex-aluno da Casa Pia, de nada lhe valendo os prontos socorros da Cruz Vermelha que sem demora o conduziram ao hospital, já cadáver. Motta Capitão fora também atingido por dois tiros, um dos quais nenhum mal lhe produzira, por dar em uma caneta de tinta permanente que tinha no bolso do colete, sendo ferido pelo outro na mão direita, sem gravidade.

Chegadas ao local, as autoridades evitaram que a multidão invadisse a farmácia e linchasse o Capitão, o que por mais de uma vez esteve iminente. Conquanto os ferimentos o não tornassem necessário, foi metido numa maca e conduzido, sob escolta, ao Hospital, onde ficou detido. Pouco depois o povo, refluindo para a Praça de Giraldo, assaltou o “Notícias de Évora”, inutilizando as máquinas e queimando o mobiliário na praça em fogueira ateada para efeito (...). Jornal e farmácia foram encerrados e selados. Motta Capitão foi depois liberto com a promessa de não voltar à política e ao jornalismo.» Mas em 1925, com o recrudescimento do nacionalismo, regressou como presidente das Juventudes Monárquicas de Évora. Com o triunfo do General Gomes da Costa, aderiu à Liga 28 de Maio, organização de apoio à Ditadura criada em finais de 1926 mas só apresentada em Janeiro de 1928. Dado, porém, que a União Nacional demorava a implantar- se no terreno, a Liga 28 de Maio decidiu tomar a dianteira e aparecer como sua concorrente. Em Évora a farmácia tornou-se o principal local de reunião do grupo.

Com Joaquim Silva Dias (advogado e antigo secretário de Gomes da Costa) e António Cary Potes Cordovil (grande proprietário), Motta Capitão refundou o jornal “Manuelinho de Évora” e transformou-o em órgão local do grupo. O caldo entornou-se em 13 de Dezembro de 1931, quando dirigentes nacionais da Liga vieram a Évora inaugurar a sede distrital. Já no regresso, a caminho da Estação de Caminho de Ferro, estes viram-se cercados por republicanos que os apuparam e invectivaram. Na Avenida de Dr. Barahona houve agressões graves, gritaria infernal e tiros, daí resultando vários feridos de maior ou menor gravidade e a morte do carpinteiro Manuel dos Santos, apoiante da República.

A retaliação aconteceu na manhã seguinte. Às onze horas, quando Rolão Preto, o chefe dos nacionalistas radicais, se encontrava perto da Farmácia Motta, dentro do seu automóvel, em conversa com Silva Dias, este foi baleado mortalmente à queima roupa por alguém que se conseguira aproximar de uma portinhola do carro. Desvairado com o atentado, Motta Capitão passou meses nas páginas do jornal clamando vingança e a prisão de elementos da Maçonaria local sobre quem fazia recair as suspeitas do crime. O inquérito veio a dar como autor do disparo José Joaquim Coelho, um antigo cabo de polícia, expulso por envolvimento no golpe republicano de 3 de Fevereiro de 1927. Entretanto a Liga 28 de Maio transforma-se no Partido Nacional/Sindicalista. Motta Capitão, que se tornara ferrenho adepto do fascismo e possuía em cima da secretária, no seu gabinete de trabalho, uma fotografia de Benito Mussolini, adere entusiasticamente. A 28 de Junho de 1932, só por um erro no seu reconhecimento, por parte de um carbonário que tencionava assassiná-lo, não foi abatido à porta da farmácia de que era dono. Foi porém a ilegalização do Partido Nacional/Sindicalista que acabou por afastá-lo do jornalismo e da política. Tinha então 47 anos e os dias de paz na Farmácia voltaram aos tempos do seu tio e fundador.

Autor: José Frota

1 comentário:

Nuno Godinho disse...

Joaquim Motta Capitão era meu tio-bisavô, tio de José Motta Capitão Soares Moreira, meu avô materno.
Por isso aqui lhe deixo os meu gradecimentos pelo narrar duma história que desconhecia.
Com os meus cumprimentos,
Nuno Moreira Godinho

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...