quarta-feira, 15 de maio de 2013

Projeto Malagueira começou há três décadas e meia





Três décadas e meia são decorridas desde que o arquiteto Álvaro Siza Vieira aceitou o convite da Câmara de Évora para projetar o conhecido e polémico bairro da Malagueira, que viria a ser premiado internacionalmente e, em contraste, alvo de múltiplas críticas e reparos internos, por colidir frontalmente com o tipo de construções medievais ou tardo-medievais que caraterizam o Centro Histórico, o qual seria classificado pela UNESCO como Património Mundial.

No sentido de pôr cobro à falta de habitação na cidade, ditada sobretudo pela afluência de grande número de trabalhadores rurais e de gente oriunda das antigas colónias, a Câmara Municipal colocou em marcha um
Plano de Expansão da Zona Oeste, para execução do qual expropriou 27 hectares da propriedade denominada de Quinta da Malagueira, situada entre o bairro de Santa Maria e a estrada das Piscinas, terreno anteriormente pertencente ao Conde da Ervideira.

Pretendia a edilidade mandar construir naquela superfície um bairro original de elevada densidade habitacional e larga mescla de classes sociais e estratos profissionais. Para justificar a escolha de Siza Vieira o município teve em conta o seu trabalho de experimentação em 16 projetos residenciais participativos, todos na área do Porto, e o seu gosto pelo trabalho, inovador para a época, bebido projeto Malagueira começou há três décadas e meia na obra do arquiteto finlandês Alvar Aalto (1898-1976), figura grada do modernismo internacional e apologista do desenho de edifícios de base racional e geométrica assentes numa grande sobriedade de linhas.

Neste projeto experimental, a única imposição que a Câmara fez foi a de que as moradias deveriam ser unifamiliares. O arquiteto decidiu-se então pela conceção de um bairro de mil e duzentas casas em banda ou geminadas, de grande luminosidade, em que se prescindia da  telha e se optava pelo terraço como forma de cobertura, cujo desenvolvimento e execução esteve em grande parte a cargo das Cooperativas Giraldo Sem Pavor e Boa Vontade, que edificaram no total 652 fogos. Ao FFH (Fundo de Fomento da Habitação) foram atribuídos 400 fogos e uma pequena quantidade de lotes foram vendidos a particulares, que assumiram o compromisso de respeitar o plano-tipo gizado por Siza Vieira.

Elemento fulcral em todo o projecto era a construção de um “aqueduto” que tinha por objectivo conferir identidade ao bairro e ligá-lo simbolicamente à cidade, e servir como galeria de infra-estruturas, destinada a albergar os canais essenciais à distribuição de água, eletricidade, telefone e televisão, substituindo-se à tradicional rede subterrânea. Como espinha dorsal da contiguidade residencial este deveria receber em fase posterior uma cúpula na qual se situariam um restaurante, um centro comercial, um hotel e uma casa de chá, dando origem a uma nova centralidade. 

Foi igualmente criado um dique de que resultou um largo de grandes dimensões na zona de confluência dos dois ribeiros que atravessam o bairro. Sobre o seu ponto de união, um pouco antes do dique foi erguida uma ponte de alguma espetacularidade e cujas escadas proporcionam o acesso a áreas naturais de grande beleza, onde predominam os espaços verdes, os baldios e outros de arborização contínua.


A concretização do projeto no terreno iniciou-se, ainda no final da década de 70, com a construção dos fogos do IGAPHE (Instituto de Gestão e Alienação do Património Habitacional do Estado), por extinção do Fundo de Fomento da Habitação. Mas os problemas começaram pouco depois, dado que a fraca qualidade inicial dos materiais de construção e a demora no tempo de construção, por dificuldades diversas, fizeram com que as casas se começassem a degradar antes mesmo da sua ocupação.

Por outro lado, a primitiva inadaptação da etnia cigana a tal tipo de habitação provocou a inadequação
do seu uso e o aparecimento de conflitos vários com a restante população. Os problemas foram-se sucedendo. A dimensão das ruas, que inicialmente haviam sido congeminadas apenas para utilização pedonal, não ultrapassando em certos casos os 4 a 6 metros, teve de ser revista e progressivamente ajustada ao trânsito automóvel. Como não havia espaço e as garagens eram poucas e utilizadas como depósito de arrumações, estabeleceu-se o estacionamento de um só lado, com a natural confusão daí adveniente.


Com as Cooperativas, Siza Vieira manteve sempre o diálogo com os seus futuros utentes, quer antes quer durante o processo de construção, escutando e satisfazendo no essencial os seus desejos ou preocupações, o que motivava permanentes correções. Assim, o primitivo muro das casas, que estava programado para não exceder os dois metros e meio (com exposição à rua), pôde subir mais um metro por imposição dos futuros moradores, desejosos de manter intacta a sua privacidade e garantir a sua segurança. Também a rudeza estética de acabamentos do “aqueduto”- grosseiramente construído em blocos de betão - se tornou gradualmente mais notória à medida que ia sendo levantado e causava igualmente o desagrado dos habitantes, que o preferiam ver pintado, e a reprovação da crítica da especialidade.

O processo experimental de Siza Vieira havia contudo suscitado a curiosidade e a controvérsia no mundo da arquitetura. O arquiteto de Matosinhos já gozava de alguma notoriedade internacional antes de projetar e desenhar o bairro da Malagueira, razão pela qual o projeto moderno e racionalista em curso em Évora concentrou a atenção e análise dos grandes arquitetos e se tornou objeto de diversos estudos, visitas, teses de mestrado e doutoramento. Não foi motivo de estranheza que depois do reconhecimento internacional o bairro tivesse começado a receber visitantes de toda a parte, nomeadamente estudantes, interessados em tomar contato in loco com esta aventura urbana fora do comum.

Em meados de 1996 percebeu-se que o bairro se preparava para entrar em fase de estagnação. As moradias estavam concluídas mas não havia dinheiro nem investidores com capacidade para a conclusão dos espaços públicos. Entre a construção dos primeiros fogos e os últimos mediavam cerca de 16 anos, não tendo sido possível gerar uma forte dinâmica construtiva. A degradação de certas zonas, conjugada com o abastardamento de muitas casas, que haviam sofrido transformações sem critério mas que, no entender dos seus proprietários, contribuíam para uma fruição mais adequada, retiraram- lhe coerência e equilíbrio morfológico.



Os espaços verdes começaram a acusar o desleixo de quem deles devia cuidar. A Câmara Municipal entrou a negligenciar o seu aspeto exterior. O próprio Siza Vieira, assoberbado com outros trabalhos de muito maior monta e ambição, deixou de vir a Évora com a frequência habitual, pois já não existia qualquer possibilidade de desenvolvimento do processo a acompanhar. O prestígio de um bairro que começou debaixo de grandes expectativas não se veio a consolidar e permanece hoje apenas como um complexo residencial periférico.

Foi há 35 anos que tudo começou. Relembramos em breve síntese os principais elementos caraterizadores do projeto e a sua evolução ao longo desse tempo. Apreciações críticas não cabem aqui por este não ser o espaço adequado para o efeito. Imperioso é ter em conta que este foi simultaneamente um processo de matriz artística, social e política e, em consequência, envolto em grande controvérsia. De qualquer forma, foi um ensaio, uma experimentação que terá valido a pena ousar. Pensado para ser apenas e só um bairro, teve o mérito de se transformar na maior freguesia do concelho, embora não tenha logrado afirmar-se como um espaço de forte coesão social.


Não obstante as suas fragilidades é completamente lícito afirmar, na esteira de Paulo Baldaia em artigo publicado em 2006 na revista “L’Architecture d’aujourdhui”, que o bairro da Malagueira «é uma das incontestáveis obras da modernidade portuguesa que o tornam num elemento prestigiante para a cidade». E faz parte do roteiro das obras de Álvaro Siza Vieira, um dos mais consagrados arquitetos de todo o mundo. Sendo diferente, acaba por ser único. Assim sendo, ao menos por isso, só por isso, merecia nestas páginas o registo da efeméride.





Texto: José Frota
Fotografias: Carlos Neves

1 comentário:

Anónimo disse...

Bom artigo, justa percepção, ... má coisa o abandono e falta de investimento da cámara neste bairro. Melhorará isso o nem tanto?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...