quinta-feira, 2 de outubro de 2014

"Encontros" (2006), de Pierre-Marie Goulet


"Encontros" (2006), de Pierre-Marie Goulet
3 de outubro - Auditório Soror Mariana (Rua Diogo Cão, 8) - 21:30
 
Diz-se que na morte se vem sempre de longe ao encontro de alguma coisa. Reencarnamos no reconhecimento de uma voz, e qualquer voz longínqua nos traz a certeza familiar de não termos estado nunca sozinhos. Porque nos reconhecemos nos bancos de jardim onde nunca estivemos sentados. Porque a lembrança que se extingue é na memória que perdura. Que mistério de memória é essa, a da vida que, rasurando, escreve de novo o que não deixa de sentir? Sérgio Godinho (poema original do filme Encontros) 1957. Um grupo de camponeses e camponesas da aldeia de Peroguarda, no Alentejo, vai cantar ao Porto. O poeta António Reis, futuro realizador de Trás-os-Montes e Ana, ouve esses cantos em companhia de jovens amigos. Conquistado, António Reis, toma o caminho de Peroguarda, 700 km ao Sul, montado na sua motoreta com um gravador debaixo do braço. No seu encalço, outros jovens do Porto irão ao Alentejo ao longo dos anos seguintes. Entre eles, Luís Ferreira Alves, Alexandre Alves Costa, José Mário Branco. 1959. Michel Giacometti, o corso que salvou a música tradicional portuguesa, começa uma pesquisa de 30 anos durante a qual recolherá a memória da cultura popular. Não tarda a descobrir a aldeia de Peroguarda onde regressará periodicamente. É lá que, em conformidade com o seu desejo, será enterrado em 1990. 1965. No Porto, o jovem poeta Manuel António Pina, e outros jovens aspirantes a poetas escolhem António Reis como referência. 1966. O cineasta Paulo Rocha, um dos realizadores que iniciou o Cinema Novo português com o seu primeiro filme Os Verdes Anos, decide rodar a segunda longa-metragem no Furadouro, situando a história no meio dos pescadores que na infância o haviam fascinado. Estas e outras pessoas fazem parte de uma tribo informal cujos membros se reconhecem quando se encontram. “Encontros” pretende circunscrever a presença dessa tribo sonora, musical e poética, humana, uma tribo analógica e surpreendente cujo território não corresponde a nenhum território geograficamente conhecido. O filme entrecruza diferentes encontros, presentes ou passados, entre pessoas e memórias. E assim, através desses entrecruzamentos de personalidades, por vezes tão diferentes mas que se "reconhecem" umas às outras, desenhar-se-á uma interrogação sobre aquilo que nos constitui, e em que medida a memória, o olhar do outro e as partilhas nos enriquecem. O visionamento de «Encontros» contará com a apresentação de Pierre-Marie Goulet.

Organização: Cinema-Fora-dos-Leões
Apoios: Cineclube da Universidade de Évora | Pátio do Cinema da SOIR | Departamento de Arquitectura da Universidade de Évora
Contacto: 964 333 128 | luisferro86@hotmail.com

Informação retirada daqui

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...