quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Monumentos - Aqueduto da Água de Prata


A gloriosa obra deveu-se ao rei D. João III e teve começo pouco depois de 1531, ano em que a côrte do Piedoso se fixou na capital do Alentejo com demora de quase urna década. Dirigiu os estudos técnicos, seu levantamento em planta e construção definitiva, segundo Regimento aprovado ulteriormente na regência da Rainha D. Catarina de Áustria, o arquitecto-mor da Comarca Francisco de Arruda, que provara a sua alta competência ao erguer o famoso Cano da Amoreira, em Eivas, em concorrência com os maiores mestres de pedraria do País, como se conclui da lição do escritor coetâneo João de Barres, que diz na Gramática da Língua Portuguesa, publicada em 1540: El-Rei (D. João III) mandou buscar os melhores officiaes de pedraria, que havia no reino. 

A nobreza portuguesa avaliando a excepcional importância do melhoramento público desejou, unanimemente, cooperar nele e, em finta ou renuncia dos assentamentos e tenças outorgados pelo erário régio, consentiu no desconto dos réditos do ano de 1534, que atingiu a vultuosíssima soma de 691 640 reais, importância que foi entregue a Duarte Moniz, recebedor da obra do aqueduto, segundo diploma da chancelaria datado de 12 de Julho de 1535. A inauguração do aqueduto teve efeito na tarde de 28 de Março de 1537, com lançamento das primeiras águas através das bocas dos leões de mármore, do primitivo chafariz da Praça do Geraldo, que ficava sotoposto ao arco triunfal romano e se perdeu, comumente à célebre obra do período clássico, que o arquitecto Afonso Álvares destruiu em 1570 obedecendo a ordens do cardeal-infante D. Henrique. Assistiu à cerimónia, que foi esplendorosa, em tribuna expressamente armada no local, o rei e a rainha de Portugal, o Senado e toda a corte. O acto terminou, no sítio, com uma movimentada corrida de toiros promovida pelos mercadores do povo. 

Nos assédios de 1663 o imóvel foi atingido gravemente pela artilharia na sua estrutura na confluência do Forte de St.º António e a consolidação morosa, sob assistência do provedor João da Cunha, teve fim no ano de 1670, cuja data existe sotoposta a cruz gravada no reboco de arco mestre, junto do parapeito leste da mesma obra militar. Vultuosa reconstrução e limpeza, sob assistência do eng. Adriano da Silva Monteiro e cooperação financeira da Câmara e Direcção das Obras Públicas, se efectuou entre 1873-79, no montante de 24 630$75, na zona compreendida entre Metrogos e as caixas de água do sopé de S. Bento, que cobria a extensão de 17 002 m, 952 mm. A obra teve como empreiteiro-construtor José da Rosa e capataz-pedreiro Manuel de Melo. 

Na década de 1890, sendo presidente do Município o Dr. Francisco Barahona Fragoso, o cano sofreu notável melhoria e foi coberto na sua quase totalidade. Nos últimos tempos tem sido, periodicamente, beneficiado pelos Serviços Municipalizados da Câmara de Évora. Principia o aqueduto nas nascentes ou minas da Graça do Divor, a 18 310 metros de distância dos muros quatrocentistas da cidade e a sua condução, que se faz por gravidade em tubagem subterrânea, ultimamente melhorada, é assinalada, poço a poço, na região original e em grande parte do percurso, por torrinhas de alvenaria de secção circular, que imprimem à zona quase peneplana particular curiosidade. 

A obra de arquitectura, desenhada com certa negligência e nalguns pontos por terminar, sem material aparelhado mas robusto, rompe em arcaria na lombada ocidental de S. Bento de Cástris, a cerca de 2 quilómetros da cidade e adquire, pelos volumes e silhueta, da Torralva às Portas da Lagoa, verdadeira monumentalidade. Fora da muralha existem alguns trechos artísticos importantes, que assinalamos: pormenor da arcada na passagem da Estrada Nacional 370, entre a Quinta da Torralva e o extinto Convento da Cartuxa, composto de três torrinhas ornamentais do estilo da Renascença, dos primeiros anos do 2.° terço do séc. XVI, sendo a central mais nobremente executada, aberta em pórtico de colunata dórica, de canduras em dois andares e nichos presentemente despidos de escultura. Vultuosos remates de planta ovóide, cupulados, com gomos revestidos nos extremos e no fecho por pináculos miniaturais, de idêntico desenho, como coroas imperiais, completam a interessante obra. 

Este acabamento é seguramente da 1.ª fase da construção e foi esquissado pelo responsável empreiteiro Francisco de Arruda, artista de grande pureza clássica. Na frente oriente do pilar central, aberta em mármore, está uma lápida comemorativa da fundação, com erros de cronologia, que a persistência do escritor António Francisco Barata, então Vereador do Pelouro de Instrução da Câmara determinou, no ano de 1904. O trecho mais imponente e alteroso situa-se na Estrada de Circunvalação, ao atingir e ultrapassar a muralha medieval e no prolongamento da Rua do Cano, estando nestes pontos fortemente reforçado por botaréus de andares de aparelho fruste e irregular, mas de nítida robustez. (Alt. máx. neste ponto: 25,93 m). A fonte do Chão das Covas não é muito antiga e foi aberta em 1701, com licença do rei D. Pedro II, cuja data existe esgrafitada na empena posterior. Sofreu restauro hodierno determinado pelo Município, que lhe modificou estruturalmente o depósito de mármore, sem atingir os volumes da caixa de água, também do séc. XVIII. 

A fachada principal ostenta, ao nível do cano, em retábulo sotoposto a coroamento de discos e cruz de alvenaria, as armas reais de Portugal ladeadas pela esfera armilar e cruz da Ordem de Cristo encerrada num círculo relevado. Na Rua de Pedro Simões o aqueduto readquire volumes de arquitectura, embora amalgamado e absorvido por casario populista, prosseguindo com acentuado pitoresco, tipismo e sinuosidade pela travessa das Nunes, Porta Nova, Rua do Salvador e Rua Nova, artéria onde Francisco de Arruda construiu c.ª de 1536 a mais formosa arca de água distribuidora do cano real. Ê esta levantada em granito da região no mais puro classicismo, na ordem dórica. De planta rectangular, ergue-se numa base pouco pronunciada, donde rompe o corpo nobre em colunata toscana, com depósito fechado no entrecolúnio. Rompente da arquitrave, em delicado lavor carcomida pelos séculos, o terraço ou açoteia tanto da predilecção dos habitantes do Sul, vigia o velho aqueduto sacrificado na sua integridade pelas necessidades do povo que, através dos tempos, nos seus vãos construiu lojas e casario utilitário. 

A mais importante e notável obra de arte que rematava o cano, feita do mesmo modo no espírito da Renascença, sob patrocínio de D. João III na década de 1530-40, situada na confluência do Paço Real e pórtico da Igreja de S. Francisco, foi barbaramente demolida no ano de 1873. Compunha-se de um torreão de planta octogonal decorado por meias colunas toscanas e nichos emoldurados, de vieiras nos arcos de meio ponto, tendo um corpo superior com lanternim de aberturas do mesmo estilo, envolvido, na base, por umas piriformes. Toda a obra era feita de alvenaria ricamente acabada, com excepção da bacia ou taça interior, donde nasciam as bicas distribuidoras da água para o Paço Real e seus Jardins, Conventos de S. Francisco e N.ª S.ª da Graça, a qual é de mármore branco e está guardada nos depósitos do Museu Regional. 

Informação retirada daqui

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...