quarta-feira, 22 de março de 2017

Biblioteca Pública (Antigo Colégio dos Meninos do Coro da Sé e Celeiro dos Bispos)


Neste sítio funcionou, em tempos remotos e com função sagrada a Catedral, enquanto duraram as obras deste monumento e, mais tarde, de licença episcopal os Paços do Concelho, com casa própria de audiências, alpendre e crasta, dos fins do séc. XIV ao ano de 1517, data de inauguração no novo edifício municipal da Praça do Geraldo, levantado com subsídios do rei D. Manuel. Após esta mudança, ainda se utilizaram dele o Tribunal da Relação, no governo do prelado D. Afonso de Portugal e o Colégio dos Moços do Coro da Sé, em tempos do cardeal-infante D. Henrique, até ruína total do corpo nobre que se refez, somente, a instâncias do Governador do Arcebispado, D. fr. Luís de Sousa, bispo eleito do Porto, em 1656. Todavia, no piso térreo da banda meridional funcionou, até meados do séc. XIX, o Celeiro dos Arcebispos, vasta dependência que, acrescida de outras mais modernas serviu, algumas décadas, de Secção Arqueológica, núcleo reunido pelo dr. Augusto Filipe Simões e transferido em 1940 para o Museu Regional. 

A Biblioteca Pública de Évora, das mais notáveis do país, foi fundada no ano de 1805 pelo eminente arcebispo D. fr. Manuel do Cenáculo Vilas Boas. Possui para cima de 500 000 mss., 250 000 volumes impressos, dos quais 8 000 reservados e 500 incunábulos, com obras raríssimas e únicas no Mundo, além de 7 000 espécies de títulos de revistas, boletins e jornais antigos e modernos. O aspecto exterior do edifício é mantido pelas linhas gerais da reconstrução seiscentista de D. Fr. Luís de Sousa, com pavilhão rectangular de fachada voltada ao ocidente, aberta em janelas graníticas, de vergas direitas, certamente modificadas, sobretudo as do rés-do-chão. A cobertura, de quatro águas e de vertente muito acentuadas foi, infelizmente, rematada com telha de marselha em épocas recentes, o que descaracteriza a silhueta do imóvel. Os cunhais, são de granito aparelhado, em blocos irregulares e friso de beiral ornamentado com triglifos e métopas, de estuque, copiado do vizinho Convento de S. João Evangelista. As janelas, com cimalhas e frontões duplos, sem retorno, são defendidas por grades de ferro forjado, em desenho de liras estilizadas terminadas com granadas, ainda dentro do espírito da arte rococó, segundo arranjo da época de D. Fr. Manuel do Cenáculo (c.ª de 1805). 

O passadiço que fecha o ângulo recto do edifício e comunicava com o Paço Arquiepiscopal foi começado em Dezembro de 1666 por empreitada de mestre Paulo Rodrigues. É aberto em arco ligeiramente abatido, de aduelas de pedra e está, no corpo interno, decorado por composições pintadas a óleo, representando figuras doutoras da Igreja, autenticadas pelo brasão do fundador da Biblioteca. O átrio, salas Cenáculo e Botelho de Lima e escadaria, de mármore branco, foram remodelados estruturalmente durante a direcção operosa do Bibliotecário dr. Filipe Simões, com remate no ano de 1877, que, também, beneficiou o andar nobre, cuja sala maior, a da Leitura Geral, conserva a estrutura arquitectónica que lhe imprimiu o antístite fundador. 

É coberta com tecto de meio canhão, onde existiram pinturas murais, que se perderam: as paredes estão completamente rodeadas de estantes de madeira, de alto a baixo, com preciosas obras impressas, dos sécs. XVII-XVIII. Ambos os topos estão compostos por telas pintadas a óleos, emolduradas em talha dourada e envolvidas com ornatos vegetalistas e de óvulos, sendo a mais antiga, com armorial da Casa Real Portuguesa, uma cópia de quadro italiano de Trevisani, representando o busto da Virgem, feito pela princesa D. Maria Benedita de Bragança, filha de D. Maria I e fundadora do Hospital Militar de Runa. Está sobrepujada pela legenda latina: SEDES SAPIENTIAE. No extradorso, em vestíbulo adornado pelas figuras parietais dos quatro Evangelistas, de grandes proporções feitas em 1805 pelo pintor Matias José de Castro (tapados por estantes e livros), existe um portal apilastrado, ao gosto neoclássico, de madeira guarnecida e tímpano de inscrição comemorativa, em latim, que diz: JESV. CHRISTO.FILIO.DEI VIVI LVMINI.INDEFICIENTI. AD.MENTEM.BENE.COLLOCANDAM RELIGIONEM.ASSERENDAM DOMVM.LITERARIAM CVM.VOTO.PERENNITATIS FR.EMM.ARCH.EBOREN OCT.KAL.APRIL.AN.DOM.MDCCCV. 

No topo norte da Sala de Leitura, em tamanho natural, vê-se o retrato do eminente Cenáculo, do pintor português Isaías Newton, executado em 1872 segundo o original da Galeria da Catedral. Todos estes trabalhos de pintura, de execução inferior, têm pouco interesse artístico. Mais curioso e certamente coetâneo é o quadro de busto do mesmo prelado, atribuído a António Joaquim Padrão, que se guarda na Sala Cenáculo. Mede: Alt. 0,65 x larg. 0,48 m. 

Na Sala Nova existem, ainda, os seguintes retratos pintados a óleo, que são apenas documentos para uma iconografia da Casa Real Portuguesa da Dinastia de Bragança: D. Luís (1896) e D. Carlos (1899), de Marini; D. Luís Filipe e D. Manuel II, de Júlio A. César da Silva (1908). Do edifício primitivo apenas subsistiu o portal de arco quebrado em cantaria aparelhada, da Domus Municipalis, sito no corpo térreo e assente em degraus de pedra, composto de meias colunas com capitéis de ornamentos florais e de ábacos emoldurados, onde repousam três arquivoltas de perfis salientes e reentrantes. Bom exemplar do estilo gótico, de características medievais, está sobrepujado pelo escudo marmóreo, de armas do reino, da época de D. Afonso V ou de D. João II, formado por cinco escudetes postos em cruz, com bordadura carregada de dez castelos. O celeiro propriamente dito no seu aspecto actual, é salão muito posterior, de planta rectangular, com três naves e quatro tramos de pilares de secção poligonal, decorados por capitéis de granito, lisos. A abóbada é de barrete de clérigo dividida em arcos redondos, de alvenaria. 

Informação retirada daqui

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...