segunda-feira, 28 de maio de 2012

A intrigante Capela dos Ossos

A Casa dos Ossos ou do Desengano, como foi primitivamente designada, é um dos monumentos eborenses que mais atenção desperta em quem nos visita. Trata-se de uma capela, ligada à Igreja de S. Francisco, de macabra concepção pré-barroca, em que as três naves estão completamente revestidas por milhares de ossadas humanas retiradas, segundo Túlio Espanca, dos antigos cemitérios, no período de dominação filipina (século XVII).

Umbilicalmente ligada ao espírito religioso dominante no tempo, em que os princípios da contra-reforma imperavam e se proclamava o regresso aos valores morais da primitiva cristandade, a Capela apela à oração, à meditação e à consciencialização da tragédia humana, assente no efémero da nossa existência enquanto corpo corruptível composto de elementos naturais. Simultaneamente introduzia-se, via Concílio de Trento (1536), o culto do Purgatório, um estádio intermédio em que as almas pecadoras ficavam a aguardar pela oportunidade da purificação, só possível de obter através das orações dos fiéis. 

Mas esta é uma tese sem fundamentos bíblicos, sustentam muitos teólogos. A criação da famosa Capela dos Ossos deveu-se à iniciativa de três monges franciscanos que resolveram adequar a esse fim um antigo dormitório existente no Convento, dotado de três espaços longitudinais demarcados por colunas e com a dimensão de 18,70 metros de comprimento por 11 metros de largura, efectuando-se a iluminação (parca) e a ventilação através de três pequenas frestas existentes no lado esquerdo. A entrada faz-se por largo portal renascentista, ladeado por colunas de mármore branco, e cujos capitéis são ornados por um friso de vieiras, conchas de moluscos usadas pelos romeiros em viagem a Santiago de Compostela e desde então tomadas como símbolos de peregrinos.

Logo se depara com o conhecido alerta dirigido a todos quantos se dirigem para o seu interior: NÓS OSSOS CÁ ESTAMOS E PELOS VOSSOS ESPERAMOS. O frontão é ocupado por um quadro representando uma alma do Purgatório. O que reforça a ideia pelo culto das almas do Purgatório em recintos do género. Transposta esta antecâmara entra-se na Capela propriamente dita. Tudo em volta se dissolve numa atmosfera sinistra. Mais de cinco mil ossos, ligados por cimento pardo, forram as paredes e os seis pilares de forma maciça, excepto numa faixa interior, revestida de azulejos do século XVII. 

Mais macabra, porém, é a exposição de dois corpos semi-mumificados, um de adulto, outro de criança, suspensos de uma das paredes laterais. Existiu um terceiro que se desfez por completo há alguns anos. Este aparato lúgubre é ainda reforçado pelo tom deprimente de dois poemas que lembram a brevidade e o carácter transitório da vida. O altar-mor, em talha, só se encontra na Capela dos Ossos desde 1912, tendo vindo do extinto Convento do Paraíso.

Em frente fica uma arca fúnebre com os restos mortais dos três frades fundadores, originários da Galiza. Apesar de ter sido mandada executar em 1629 só ali veio a ser colocada em 1708. Quanto às abóbadas foram pintadas de fresco no decurso do ano de 1810, conforme testemunha uma placa ali colocada na altura, e contêm elementos eucarísticos e da Paixão de Cristo e dísticos latinos adequados. A Capelos dos Ossos ou do Desengano (percebe-se o porquê desta segunda designação) é, apesar do seu ar soturno e intimidatório, um dos mais impressionantes monumentos da cidade. Está aberta ao público todos os dias das 9:00 às 12:50 e das 14 às 17:15 no Inverno e das 9:00 às 12:15 e das 14:15 às 17:45 na época estival. O custo de cada entrada é de 2 euros, beneficiando os estudantes e reformados de uma redução de cinquenta cêntimos, havendo autorização para fotografar ou filmar mediante o pagamento adicional de um euro.

Texto: José Frota 

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...