segunda-feira, 17 de abril de 2017

Casa Soure



Curioso exemplar de arquitectura civil do estilo manuelino, situado na Rua da Misericórdia, já era conhecido em 1552 como residência do fidalgo da casa del-rei Cristóvão Nunes, Provedor da Misericórdia. Integrado na área que compreendeu o casario do Infante D. Luís, filho de D. Manuel, condestável-mor do reino e administrador da Ordem de S. João de Jerusalém e, ainda, por doação deste às freiras de Malta, que aqui viveram entre 1530-50, parece que, no ano de 1597 nestes corpos, já separados dos anexos da Igreja e Mesa da Santa Casa da Misericórdia vivia D. Brites de Távora que, no edifício possuía oratório privativo, com licença para nele se celebrar missa diária. A casa, modificada em épocas posteriores conserva, todavia, a fachada axial dos jardins, do quinhentismo, com elegante terraço de cinco arcos de volta perfeita apoiados em coluneis rudes e atarracados, de granito. A abóbada do varandim central, coberta de ogivas polinervadas, compactas, ornadas de bocetes circulares e molduras torsas, é rematado por airoso coruchéu de secção cónica, envolvido, no beiral, por cortina irregular de ameias chanfradas, de alvenaria. O piso térreo, destinado, outrora, à carruagem, é aberto em arcada que comunica a vasto recinto de duas naves e três tramos desiguais, com tectos abatidos, de artesões chanfrados e arcos redondos, contrafortados. Estão compostos por mísulas e chaves com desenhos vegetalistas, bolas, cordas e nós, ainda dentro do espírito da arte manuelina. O tramo de acesso à escadaria, de pedra, com balaústres de pescoço de cavalo, de época mais avançada, é protegido por coluna poligonal com capitel de cordame. Esta parte do imóvel, de singular pitoresco, conserva as características arquitectónicas do 1.° terço do quinhentismo. Na empena avançada que deita para o exterior e para o lado da Porta de Moura, a guarnição de janelas de sacada, de padieiras semicirculares, graníticas, são da arte joanina dos meados do séc. XVIII, sendo a angular, curioso tipo de balcão mainelado, de fuste marmóreo defendido por gradeamento de barrinha. Sotoposto apareceu, em 1962, importante secção de muralha medieval da barbacã desta porta militar, em cantaria siglada. No edifício, que é propriedade da Sociedade Instrutiva Regional Eborense, funciona actualmente o Lar da Mocidade Portuguesa Feminina. 

BIBL. Gabriel Pereira, Estudos Eborenses, fase. 6, O Arquivo da Santa Casa da Misericórdia de Évora, Biblioteca Pública de Évora; Visitação dos oratórios de Évora em 1591, Ms. n.° 61 do Fundo da Manisola, fl. 116. 

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...