quinta-feira, 7 de julho de 2011

O Edifício de S. Pedro (Antiga Igreja Paroquial e Antiga Direcção-Geral de Viação)


O “Edifício de S. Pedro”, actualmente propriedade da Câmara Municipal de Évora, situa-se na Rua Diogo Cão, junto ao Pátio do Salema, e foi até ao século XIX a Igreja de São Pedro – e este topónimo “S. Pedro” remonta ao século XII, mas passa a designar esta rua a partir do século XIV, e até ao século XIX, altura em que lhe é atribuída a denominação de Rua Diogo Cão.

Existe a tradição eclesiástica e erudita de que em 1186 esta era uma ermida de templários, os quais terão procedido à sua reedificação e ampliação. Gabriel Pereira defende que não há motivo para rejeitar esta tradição, pois nas obras de adaptação da igreja a Escola Normal, finais do século XIX, foram encontradas várias pedras tumulares e outros elementos de arquitectura e de escultura, como mísulas, que comprovam tratar-se de um edifício muito antigo. Este historiador noticia também o aparecimento de um forte muro correndo em direcção discordante das paredes do edifício e de outra qualquer próxima, o que, na sua opinião, seria pertença de um edifício considerável outrora ali existente, e refere ainda um fragmento com uma inscrição árabe numa parede. A combinação de todos estes elementos permitem-lhe admitir a existência de um templo moçárabe.

Algumas destas informações foram confirmadas por trabalhos arqueológicos recentes, que revelaram enterramentos correspondentes a períodos cronológicos distintos, desde o século VI ao XV.
Os Padres Manuel Fialho e António Franco, no século XVIII, referem que neste local estava localizada a primeira Sé, anterior à actual. Todavia, o Cónego Júlio César Baptista considera que há um desencontro cronológico que obriga a pôr de lado a igreja de S. Pedro como sede da primitiva catedral: o mais antigo documento conhecido sobre a igreja de S. Pedro é de 1280, e demonstra já então existir a paróquia de S. Pedro, organizada, com prior e raçoeiros. Se esta igreja tivesse sido a primeira Sé, só poderia ser paroquial depois de 1308, data da abertura ao culto da actual Sé, e não podia intitular-se de S. Pedro, mas de Santa Maria, nem podia ter colegiada, com prior e raçoeiros.

Em 1302 esta Igreja passou a integrar o padroado do Bispo de Évora e em 1312 foi elevada a sede de paróquia, possuindo rendas e proventos avultados e o seu primeiro prior foi Lourenço Anes de Oliveira. Aliás, até ao século XIX aqui se manteve a paróquia de S. Pedro , embora, consoante as várias obras realizadas na igreja, essa sede se fosse transferindo, ora para a Igreja de S. Vicente, ora para a de S. Francisco, onde se estabeleceu definitivamente em 1862.

Entretanto, a Igreja de S. Pedro sofreu obras de beneficiação em 1438, mas foi no século XVII que se registaram grandes transformações promovidas pelo Arcebispo D. Frei Luís da Silva Teles, por voto que fez a S. Pedro, se o livrasse duma perigosa doença. Este velho templo era então uma “egreja antiga e de indigesta symetria e fabrica” e “subterrânea, mal ornada e sem asseio”, pelo que lhe chamavam a “adega de João Baptista”.

Estas obras foram as seguintes: da velha igreja foi tudo derrubado, excepto as paredes-mestras, as quais foram levantadas para que a igreja ficasse com altura de pé direito proporcional à largura; foi feito um novo arco para a capela-mor; no corpo da igreja foram abertas duas janelas rasgadas para boa iluminação da igreja; todas as paredes foram cobertas com azulejos, com painéis da vida de S. Pedro; foi feito um novo coro fora da porta principal sobre um novo alpendre de pedraria; ao lado da parte da epístola, à entrada da porta principal, abriu-se outra porta para uma escada que serve para o coro e para um novo campanário, com dois sinos; foi aberta uma capela para a pia baptismal, entre outras alterações. Foram adquiridos objectos para o seu embelezamento e para o culto litúrgico, dos quais destacamos um painel representando “S. Pedro de joelhos recebendo as chaves da Igreja da mão de Cristo”, de autoria do pintor Bento Coelho da Silveira.

Além do altar-mor onde estavam as imagens de S. Pedro e de S. João Baptista, existiam dois altares colaterais: da parte do Evangelho o da Senhora da Glória e da parte da Epístola o de Cristo crucificado; e o altar de Santa Catarina.

Em Janeiro de 1881 procedeu-se a obras de transformação para adaptação desta igreja a Escola Normal, inaugurada solenemente em 16 de Outubro de 1884, quinta-feira e dia do aniversário da rainha D. Maria Pia. Foi a primeira Escola Normal de 2ª. classe no país e deveu-se à acção desenvolvida pela Junta Geral do Distrito de Évora e pelo Sr. Barjona de Freitas, ministro do reino.

As obras estiveram a cargo do engenheiro Pelouro, o primeiro a utilizar em Évora as vigas de ferro de “duplo T”, enchendo os vãos com pequenas abóbadas de tijolo. Os trabalhos foram depois dirigidos pelo engenheiro Pinho. E a propósito desta remodelação refere Gabriel Pereira: “Quem diria que a velha e arruinada igreja de S. Pedro se poderia transformar n’um bello salão com seu elegante vestibulo, n’um gabinete, em duas bellas salas escolares, e ainda a sala das collecções, todas com muita luz, e com um certo ar de elegância e distincção que a principio se não previa.” Tratava-se pois de um edifício de amplas janelas e espaçosas salas, uma delas com a área de 154 m2 destinada à aula de ensino elementar e complementar (escola primária anexa) e servida por um elegante vestíbulo.

A 12 de Janeiro de 1960, através de uma escritura de permuta, a Câmara Municipal de Évora entregou ao Estado o Convento de Santa Mónica e o Estado entregou à Câmara a antiga Igreja de S. Pedro. Neste edifício funcionou então, durante muitos anos, a Direcção-Geral de Viação e na década de noventa do século XX, e após novas e profundas obras, nele foram instalados alguns serviços da autarquia.

Subsistem assim poucos vestígios dos anteriores edifícios religiosos; destacam-se apenas o portal gótico e a porta de madeira do Brasil, almofadada e armoreada da época do Arcebispo D. Frei Luís Teles da Silva; a capela baptismal, do século XV; e a escadaria para o antigo coro, com azulejos monocromos, em lambris baixo, de padrão vegetalista, do século XVII.

M. Ludovina Grilo

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...