segunda-feira, 11 de junho de 2012

A Casa Nobre da rua de Burgos



Fica no quarteirão delimitado pelas ruas de Burgos e da Alcárcova de Cima, o prédio conhecido por Casa Nobre da Rua de Burgos onde está alojada, desde finais do século passado, a Delegação Regional da Cultura do Alentejo. Trata-se de um dos muitos edifícios que se ergueram nas proximidades da Acrópole em virtude da instalação na cidade de diversas famílias da Corte, quando esta aqui montou sede e arraiais durante largos períodos do século XVI.

Com a posterior debandada real a casa terá sido apropriada pelo Cabido da Sé, passando a residência dos cónegos capitulares da diocese, dos quais o derradeiro parece ter sido José Joaquim Nunes de Melo, de existência terrena entre 1740 e1820. Por essa altura já a frontaria do prédio apresentava a sua actual feição, estendendo-se preguiçosamente pela rua, com a qual de resto comunica através de um piso térreo donde sai uma escadaria que conduz ao andar cimeiro, considerado o de maior nobreza.

A nacionalização dos bens da Igreja veio a determinar a sua passagem a propriedade do Estado e a venda, algumas décadas volvidas, ao abastado agricultor, político e poeta José Carlos Gouveia (1844-1908). Este homem, que foi, entre outras coisas, Conselheiro do Reino, Governador Civil e Presidente da Câmara, utilizou-a como residência na cidade, dado que anteriormente tinha como única moradia a Quinta do Chantre, onde nascera e igualmente viria a falecer.

O novo proprietário empreendeu no edifício avultadas benfeitorias, recorrendo em grande parte à inclusão de elementos oriundos do recém-demolido Convento do Paraíso, avultando dentre eles os azulejos da escadaria, datados do séc. XVII, e várias portas almofadadas e tectos interiores em madeira de carvalho trabalhada. Nos trabalhos efectuados se integrou também a abertura de um novo portão de acesso, cuja configuração se mantém na actualidade.

Os descendentes de José Carlos Gouveia foram ocupando a casa até que, por volta dos anos 90 da centúria passada, se decidiram pela sua venda ao Estado, nela interessado pelo seu valor histórico e artístico. Na nobilitada mansão se resolveu instalar a Direcção Regional de Cultura do Alentejo, que antes estava sedeada num esguio, discreto e acanhado imóvel na Praça Joaquim António de Aguiar.

No decurso do processo de renovação do edifício foi encontrada uma “domus” romana, do séc. II d.c., encravada no respectivo subsolo e assente na Cerca Velha e visível nas traseiras do edifício que deita para a Rua da Alcárcova de Cima, apresentando notáveis pinturas a fresco desconhecidas na esfera da arte portuguesa do tempo. A estes achados juntaram-se ainda vestígios da ocupação islâmica. Entretanto o prédio aglutinou um torreão de dimensões reduzidas, com 4,5 por 5,2 metros de base, pertencente à ancestral cerca velha, que na sua ala mais antiga acolhe a actual Galeria de Exposições e onde se vislumbram manifestações gótico mudéjar, como abóbadas estreladas, janelas de ajimez e arcos de ferradura.

Durante o curto XVI Governo Constitucional (Julho de 2004 a Fevereiro de 2005), presidido por Pedro Santana Lopes, o edifício albergou de forma efémera a Secretaria de Estado dos Bens Culturais, transferida para Évora no âmbito de uma falhada tentativa de descentralização cultural. Em 2009, no âmbito do processo de regeneração urbana denominado “Acrópole XXI”, a Casa Nobre da Rua de Burgos foi alvo de nova intervenção arquitectónica, num investimento avaliado em cerca de 130.000 euros. Dela se incumbiu o arquitecto eborense José Filipe Ramalho, que a reabilitou, adaptando-a a novas e correctas utilizações que já estão na forja.

Texto: José Frota 

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...