quinta-feira, 13 de outubro de 2011

A Industrialização em Évora

  

A vontade política da não industrialização do Alentejo e, por maioria de razão, de Évora, a sua maior cidade, prevaleceu sempre nos propósitos da elite financeira regional, ligada umbilicalmente à exploração fundiária, a qual apenas se lançou em projectos dessa natureza quando não pôde deixar de o fazer, sob pena de ter de abdicar de fatia significativa do seu poder e influência. Temiam os grandes senhores que lhes faltasse a mão-de-obra na lavoura e fugisse para a indústria onde os salários eram melhores e os trabalhos aparentemente menos duros.

Acabou por ser a aplicação da máquina a vapor ao serviço da modernização dos transportes a trazer, até ao concelho, a novidade dos progressos que as novas tecnologias registavam com base numa inovadora relação entre o capital e o trabalho, possibilitando a formação de grandes unidades de produção, transformação e distribuição de bens de utilidade geral e colectiva e menos de interesse individual ou personalizado. Em 1863 foi inaugurado em Évora o caminho-de-ferro estabelecendo-se a ligação com Lisboa. Como é óbvio foi necessário construir a estação para servir de apoio à manutenção, limpeza, conservação e reparação do material circulante o que conduziu por seu turno à contratação de pessoal especializado para a realização de tais tarefas.

Assim chegaram os primeiros operários que, trabalhando para uma empresa ou sociedade poderosa, eram remunerados regularmente para o efeito, perdendo o controlo do processo de produto e gerando um lucro que lhes era completamente alheio. Nos décadas seguintes a rede ferroviária foi-se esticando e chegou sucessivamente a Setúbal, Estremoz e Faro. Acreditando nos constantes progressos da ciência e da técnica e nas possibilidades de rápida distribuição dos produtos rasgadas pela nova via, o lavrador natural de S. Miguel de Machede, Perdigão Queiroga, de alcunha “O Larila”, abriu nessa zona, já no ano de 1899, a primeira fábrica de moagem conhecida na cidade. Curiosamente deu-lhe o nome de “Fábrica de Moagem Perdigão Queiroga à Estação”, amplamente publicitada na imprensa da época.

No outro lado da cidade, em 1901, junto às portas de Machede lançara Romão Marquez a sua Fábrica de Cortiça. No ano seguinte José Gomes Severino criava duas pequenas fábricas, uma na Travessa dos Lagares, nº4, e outra no Largo dos Penedos, 13 a 17, visando a primeira o armazenamento e preparação dos fardos que na segunda eram reduzidos a pequenos pedaços para a feitura de quadros e rolos. Numa das travessas à Rua do Raimundo erguia ainda no mesmo ano Francisco de Oliveira Saragoça um espaço dedicado à transformação da cortiça e também à fabricação de telhas e tijolo. Com idênticos propósitos abria em 1904 a empresa José Augusto e Companhia.

A tímida industrialização fazia-se em torno do aproveitamento dos produtos agrícolas em que o Alentejo e a cidade eram férteis. De resto as máquinas eram muito caras, avariavam ainda com frequência e os grandes capitalistas locais pouco interesse tinham em investir. Viria a ser a capacidade de iniciativa e a crença no progresso do grande lavrador e banqueiro eborense José António de Oliveira Soares, presidente do Real Sindicato Agrícola de Évora e da Escola Prática de Agricultura, que ao apresentar-se na cidade em 1902 com o primeiro automóvel aqui visto, que viria a fazer publicamente a cabal demonstração de serem infundados os receios quanto à utilização de novas técnicas e máquinas valendo a pena, se necessário, recorrer à banca, para conseguir financiamento para a aquisição dos novos equipamentos requeridos para a modernização da produção.

Dois anos depois, o negociante Estevão de Oliveira Fernandes funda na Rua do Paço uma empresa comercial e industrial denominada “Auto Palace” dedicada à venda de automóveis, máquinas agrícolas e industriais e com oficinas de reparação de todos os géneros. Por seu turno, a empresa inglesa de óleos e gorduras minerais lubrificantes Vaccum Oil Company, (antecessora da Mobil) e com filial em Lisboa instala uma delegação em Évora, na Rua João de Deus, 5 e 7, onde procede à aplicação daqueles produtos em «máquinas a vapor e motores a gaz pobre, a gaz d’hulha, a petróleo e a gasolina. E lubrifica ainda eixos de carros, wagons, wagonetas, máquinas agrícolas e automóveis».

Por imperativos da iluminação da cidade buscavam-se agora outras formas de energia. Em 1 de Maio de 1890 tinha sido inaugurada a iluminação a gás na cidade com a fábrica colocada no Rossio de S. Brás, no local onde se situa hoje o Hotel D. Fernando. Era pertença da Companhia Geral de Iluminação a Gás ,com sede no Porto e com capitais nortenhos e estrangeiros. Acontece porém que este tipo de iluminação emanava por vezes odores menos agradáveis, provocava indisposições orgânicas e era cara e propícia à ocorrência de incêndios.

As atenções de todos viraram-se para a electricidade, já existente em várias cidades do país e que vinha provando ser a forma de energia ideal, por superar completamente todas as desvantagens apresentadas pelo gás de iluminação. Para concretizar esse desiderato e em alternativa ao sistema concessionado, um grupo de capitalistas locais resolveu unir esforços e vontades constituindo a Companhia Eborense de Electricidade e dotando-a de um capital social de 25 mil contos. Depois de várias peripécias e muitas rondas negociais, a central eléctrica acabou por ser edificada em terrenos junto às muralhas da cidade, na zona do Ferragial do Buraco dos Colegiais.

Em 1909 começou a fornecer luz eléctrica a algumas pequenas empresas e diversos equipamentos públicos, entre os quais os prédios militares, a Estação de caminho- de-ferro e os diversos imóveis da Santa Casa da Misericódia, facto a que não era alheia a superior qualidade do serviço prestado e o prestígio e confiança que
a sua direcção constituída na altura por José António d’Oliveira Soares, José Estevão Cordovil, José Eduardo de Calça e Pina Câmara Manoel e Estevão da Cunha Pimentel, tinham na cidade, o que se traduzia na grande capacidade para celebrar contratos de certa dimensão.

Em 1917 a Câmara municipalizou ambas as empresas e contraiu-as numa só, sob sua administração. Sem matéria-prima disponível dado que o concelho é parco em recursos do subsolo, a metalurgia não existia. Sem mostrar qualquer apetência pelos negócios e criação de firmas industriais, permanecia uma série de oficinas e pequenas fabriquetas, de carácter familiar, com dois ou três aprendizes e produção artesanal. Nessa série de estabelecimentos de produção manufactureira contavam-se os sapateiros, os marceneiros, os cordoeiros, os tanoeiros, os serralheiros, os ferradores, os carpinteiros, os carpinteiros de carros (desde carruagens de luxo aos carros de canudo), os abegãos (fabricantes de utensílios e ferramentas) e os chamados artistas da pedra (pedreiros, calceteiros e canteiros). 

Reuniam-se na chamada Associação Industrial de Évora, visando o apoio e solidariedade mútuos, a qual em 1911 passou a Eborense pela incorporação de vários capitalistas e negociantes locais. A mudança «parece ter-se relacionado com as transformações que estavam a ocorrer nas relações de trabalho no seio da indústria» considera o professor Paulo Eduardo Guimarães, em “Elites e Indústria no Alentejo (1890-1960)”. As repercussões daí derivadas só vieram no entanto a notar-se no final da segunda década. Indústria que desde logo conheceu grande sucesso foi a tipográfica.

O primeiro prelo que chegou a Évora, no ano de 1840, foi destinado ao Governo Civil e à Repartição de Fazenda para auxílio no expediente geral. Para além de um administrador nomeado pelo governo, a Tipografia tinha como responsável gráfico Francisco da Cunha Bravo, um artista da especialidade, natural de Castelo Branco, e dois aprendizes. A partir de certa altura, Cunha Bravo, cujas solicitações de particulares eram cada vez mais e vendo que os jornais se encontravam em fase degrande expansão, estabeleceu-se por conta própria na Praça de Giraldo fundando a Tipografia Eborense, que viria a vender à empresa “Pharol do Alentejo”, para se estabelecer noutro local da cidade.

A Tipografia Eborense terminou o seu périplo de mudanças em 1907, no Pátio das Cinco Quinas, ano de falecimento do seu proprietário. Cunha Bravo fez fortuna com o seu espírito de grande trabalhador e artista de rara qualidade, sempre irrequieto e procurando motivar outros para uma profissão que considerava muito digna e tornava os homens melhores e mais cultos. Outras empresas do género surgiram na cidade.

Em 1910 encontravam-se em plena laboração a Tipografia Minerva Comercial, Lda, fundada em 1893 e propriedade na altura do republicano José Ferreira Baptista, que passou a pagar aos seus operários o dia 5 de Outubro, ainda que este fosse feriado; a Empresa Tipográfica Eborense, criada em 1899 e do também republicano Tristão Augusto Barradas; a Tipografia “Notícias d’Évora”, publicação regenedora-liberal aparecida em 1900 e a da “A Voz Pública”, fundada em 1904, órgão local assumido do Partido Republicano e de que era dono José Bento Rosado.

O grande empreendimento industrial no concelho, em todo este período, seria no entanto a formação da Sociedade Alentejana de Moagem, criada em 1916 por iniciativa de um grupo de proprietários e lavradores que ergueram a conhecida Fábrica dos Leões. O capital inicial foi de 120 contos, mas passaria em 1920 para 800 contos em consequência da sua compra por parte dos industriais espanhóis, radicados em Lisboa, Eugénio Alvarez e Manuel Alvarez y Rivera.

Texto: José Frota 



Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...