segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Palácios de Évora



Évora, todos o sabem, foi uma das mais importantes cidades da fundação e consolidação do Reino de Portugal. Aqui se estabeleceram em tempos diversos monarcas, nobres de alta estirpe, comandos militares, ordens religiosas, que deixaram a sua marca nos palácios, paços, solares, defesas e conventos que mandaram levantar para sua residência. Alguns desses grandes imóveis, embora de grande visibilidade exterior, são muito mal conhecidos. Estão situados na Acrópole e foram testemunhas de acontecimentos singulares da História pátria que não fazem parte das descrições com que os guias turísticos os apresentam ou da sabedoria comum dos seus habitantes. Para lhes recuperarmos o passado e a saga que lhes está associada, colocam-se em evidência nesta edição três dos mais emblemáticos.

O Palácio dos Condes de Basto, o mais antigo dos paços de Évora, assenta num alcácer mouro, situado em plena cintura amuralhada, que D. Afonso Henriques cedeu por volta de 1176 à Ordem de S. Bento de Calatrava para seu alojamento, em troca do seu compromisso de defesa da cidade. Em 1211, os «Freires de Évora» vieram a ser presenteados com a doação do lugar de Avis, ficando, no entanto, compelidos a proceder ao seu povoamento e desenvolvimento e a nele erguer um castelo.

Para lá se mudou a Ordem pelo que, em 1220, o velho solar eborense voltou à tutela da Coroa como Paço Real, agora com o nome de Paço de S. Miguel da Freiria. D. Fernando enamorou-se do espaço e mandou fazerlhe obras de beneficiação, para o usar como residência habitual durante as frequentes vilegiaturas em Évora.

Após a sua morte a viúva, Leonor Teles, escolheu-o como poiso de eleição para os amores que mantinha com o galego João Fernandes Andeiro, seu valido, o qual tomaria o seu partido quando da crise dinástica  conhecida por interregno. Tal tomada de posição levou D. João, capitão-mor do Reino e Mestre da Ordem de Avis, a assaltar o Paço e a destruí-lo quase por completo.

Nomeado Condestável, Nuno Álvares reclamou-o para sua habitação permanente por ser lugar mui favorável a suster as arremetidas castelhanas. O edifício foi reconstruído e o grande chefe militar português viveu nele durante um quarto de século. Depois da sua retirada o Palácio ficou entregue aos capitães-mores de Évora até que D. Afonso V, em meados do Século XV, o ofereceu a Diogo de Castro, capitão de cavaleiros, na qualidade outorgada de governador hereditário da cidade.

Todavia os seus descendentes, tíbios e pusilânimes, aproximaram-se de Espanha por alturas da ocupação filipina. Fernando II conseguiu assim manter todas as regalias dos seus antecessores, tornou-se conselheiro de Filipe II e dele recebeu, em 1895, o título de Conde de Basto. De imediato o Palácio alterou a sua designação. Esta situação permaneceu até 1642, quando Lourenço Pires de Castro, 3º. Conde de Basto e protegido de Filipe III, foi expropriado por D. João IV de Portugal de todos os seus títulos a bens. O Paço voltou à posse da Coroa e, em diversas épocas, serviu de alojamento temporário ao Arcebispo D. Domingos de Bragança e a D. Catarina de Bragança, rainha viúva de Carlos II de Inglaterra. 

O seu último ocupante terá sido Vicente Rodrigues Ruivo (1895-1912), cujos herdeiros o deixaram quase irrecuperável. Em 1950 o filantropo local Engº. Vasco Maria Eugénio d’Almeida, 2º Conde de Vil’Alva, recuperou-o, com o apoio técnico da Direcção Geral dos Monumentos Nacionais, e devolveu-lhe o esplendor antigo. É Monumento Nacional desde 1922. Situado em local de complicado acesso a automóveis, o Palácio passa um pouco despercebido aos visitantes e até mesmo aos eborenses, por não fazer parte dos percursos habituais. É, no entanto, de uma beleza extraordinária, composto por um conjunto de grandes e pequenos blocos, de que se salientam a entrada, o jardim, a casa do administrador, os escritórios e arrecadações e os magníficos pórticos alpendrados.

No interior há salas esplendorosas e pinturas de encantar. Nele está actualmente sediada a Fundação Eugénio d’Almeida. No futuro está destinado a receber um Museu de Arte Contemporânea e Cultura. Junto ao templo romano fica o Palácio dos Duques de Cadaval, mandado erguer por Martim Afonso de Melo, fidalgo, rico-homem de Évora e servidor do Mestre de Avis. Assente no embasamento do antigo Castelo de
Évora, de fundamentos romano-visigodos, é um edifício fortificado, dotado de uma imponente torre na fachada principal e de outra, nas traseiras, de forma pentagonal – uma autêntica raridade. Esta faceta deu origem à sua designação primitiva de Palácio da Torre das Cinco Quinas, classificado como Monumento Nacional a partir de 1910. Tumultos acontecidos durante a crise de 1383-1385 deram azo a que fosse parcialmente incendiado.

As obras que se seguiram permitiram recuperar as torres e a Porta da Traição, ao mesmo tempo que era levantado um elegante pavilhão iluminado por janelas com cortinas de ameias de tipo mudéjar. O Palácio foi depois pousada favorita de D. João II, Dom João III, D. João IV e D. João V. O primeiro destesmonarcas manteve ali prisioneiro D. Fernando II, duque de Bragança, a quem acusou de conspiração contra si, antes de o mandar decapitar na Praça do Giraldo, corria o ano de 1483. Mas só em 1648 é criado o Ducado de Cadaval, em favor de Nuno Álvares Pereira de Melo, unindo as Casas maternas de Bragança e Melo e dos Condes de Olivença, e herdeiro ainda do Condad de Tentúgal e do Marquesado de Ferreira. 

O Palácio da Torre das Cinco Quinas passou então para a posse da nova linhagem. Hoje é a residência habitual de D. Diana Mariana Vitória Álvares Pereira de Melo, de 32 anos, 11ª. Duquesa de Cadaval e casada com o Príncipe Charles-Philipe d’Orléans, duque d’ Anjou. Os matrimónio celebrouse em Maio de 2008 na catedral de Évora com grande pompa e circunstância. No início da década todo o vasto espaço foi alvo de prolongada acção de restauro, empreendida por D. Claudine Tritz, mãe de Diana. A sua gestão compete agora à filha.

O Palácio é palco de diversas iniciativas culturais promovida e patrocinadas pela Casa Cadaval, das quais sobressai o Festival Évora Clássica, organizado desde 1994 e que é já uma referência na programação anual deste género musical. O edifício alberga também a Galeria de Arte da Casa Cadaval, onde se podem admirar diversos códices iluminados, esculturas, pinturas e armaria. No seu prolongamento fica a Igreja de S João Evangelista, de elegante pórtico gótico e panteão da família, com campas de bronze, elementos igualmente classificados.

Em parte do jardim foi aberto um simpático restaurante denominado “Jardim do Paço”. Igualmente junto ao Templo Romano, mas do lado oposto, encontrase um volumoso edifício cuja entrada é servida externamente por um espaço ajardinado onde figuram um busto, da autoria de Mestre Lagoa Henriques, do já citado D. Vasco Maria Eugénio d’Almeida, seu adquirente no início dos anos 60, e um sarcófago de arte moderna, cinzelado por José Pedro Croft. Embora nada o indique, nem da sua existência se faça menção nos guias da cidade, trata-se do antigo e sinistro Palácio da Inquisição. A Inquisição portuguesa nasceu legalmente em Évora em 1536, com o beneplácito de D. João III.

 Para instalar o Tribunal do Santo Ofício, a Igreja comprou ao conde da Vidigueira todas as casas que na área lhe pertenciam. A Inquisição só seria extinta em 1821 pelas Cortes Constituintes. No Palácio de Évora os inquisidores perseguiram, torturaram e condenaram à morte, durante 280 anos, milhares de cristãos novos e pessoas denunciadas como hereges, relapsos, feiticeiros, bruxas, prostitutas, bígamos, solicitantes e ateus, todos sujeitos aos selváticos tratos do potro e de polé. Alguns não chegaram a enfrentar os autos de fé e morreram emparedados nas cruéis covas subterrâneas criados pelo espanhol Alvarez de Paredes. Túlio Espanca assinala que, em 1963, quando da adaptação do edifício a Instituto de Estudos Superiores, foram ali achados vários esqueletos nas mais dramáticas posições.

Ao saque do imóvel enquanto abandonado, ou às transformações recebidas durante o tempo já mais recente em que foi utilizado como Hotel Alentejano, escaparam a imponente sala grande dos Despachosou dos Julgamentos, de tecto armoriado – em cuja entrada superior se pode ler inscrita a legenda Excurge Deus causa tuam – e lambril azulejar, diversos recantos e cerca de catorze mil processos, livros de receitas e despesas e cadernos do promotor. Um pouco mais abaixo, nos Serviços da Cúria Diocesana e antiga residência dos inquisidores, pode ainda ver-se, a encimar o portal de entrada, um rectângulo marmóreo envolvendo as armas do Santo Ofício: a Cruz de Cristo, entre um ramo de oliveira e uma mão empunhando uma espada. 

Texto: José Frota 

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...