Solar da Sempre Noiva


No limite da Freguesia de N.ª S.ª da Graça e confinante com a Pedra da Missa, local onde a tradição assegura que o Exército do Condestável D. Nuno Álvares Pereira ouviu missa campal nos fins de Junho de 1384, vigilante pelo arraial castelhano do marechal Pero Ruiz Sarmiento, que ocupava a vila de Arraiolos, e a cerca de 18 quilómetros da sede do Concelho, pela qual comunica com a Estrada Nacional 370 (troço Évora-Arraiolos), fica o celebrizado paço rústico do Bispo D. Afonso de Portugal. Construído nos fins do séc. XV e talvez já no reinado de D. Manuel, como relíquia muito notável da nossa arquitectura civil desse período, eivado de formas mudejares, está situado entre campinas levemente onduladas de manchas de sobro e azinhal e refrescado pela ribeira do Divor que, apesar da sua quase permanente secura concede encanto e certo bucolismo ao sítio, carregado de lendas e tradições. D. Beatriz de Portugal, filha do ilustre prelado, foi a instituidora do morgadio, na quinta e passal de herdamento e seu vínculo na pessoa do irmão primogénito, D. Francisco, 1.° Conde de Vimioso, segundo escritura original lavrada nas casas do 2.° Conde da Vidigueira, em 15 de Junho de 1531 e existente na colecção Pombalina da Biblioteca Nacional de Lisboa. 

Este titular, no paço hospedou, em Maio de 1554, no regresso a Madrid, a princesa viúva D. Joana de Castela, filha de Carlos Quinto e mãe de D. Sebastião. A herdade, já com o ancestral topónimo de Sempre Noiva, em tempos de D. Dinis, estava encorporada nos bens dos fidalgos Dragos, verificando-se o escambo, por concordância entre o bispo de Évora e Manuel Drago, por um morgadio no Algarve, no reinado de D. Afonso V. Em 1886 o arqueólogo alemão Haupt esboçou a reconstituição do edifício, que se encontrava em ruínas e de coberturas desmoronadas; no ano de 1892 o proprietário resolveu adaptar o velho paço a fins utilitários sacrificando, inutilmente, o primitivo aqueduto, algumas chaminés monumentais e os coruchéus cónicos das torrinhas cilíndricas da capela. Ao presente está na posse do lavrador Bernardino Câmara Mira e o seu estado de conservação não é bom. Compõe-se a fachada axial, a oriente, de vasto corpo rectangular antecedido por alpendre de três arcos de volta redonda, protegido por botaréus angulares de granito aparelhado, com abóbadas nervuradas e de aresta viva, apoiadas em colunas toscanas decoradas por capitéis e bases naturalistas e zoomórficas, do estilo manuelino. 

Escadaria de patamares abertos, alcança o eirado que domina a galilé e a entrada principal do corpo nobre, que teve alpendre (hoje desmoronado) e é constituído por portal de jambas e lintel encordoados, de secção conopial, ornado de capitéis inflectidos e mísulas ideográficas, bem típicos do mudejarismo. A fachada deste pavilhão, de cunhais de pedra trabalhada, está ricamente iluminada por fieira de sete formosas janelas de arcos de ferradura e ajimezes, quase todos geminados, em variados tipos de padieiras e arcos denticulados e ultrapassados uns, levemente contornados outros, de coluneis e meios coluneis de mármore branco, rica e exuberantemente esculpidos na capitelação, com temas vegetalistas, toros, cordas, cogulhos, rosetões e mais atributos afins e característicos do estilo da época. O balcão angular norte-leste, é mainelado e de duas faces. O corpo posterior, voltado ao Poente, pela sua assimetria de linhas, volumes de arquitectura e desencontro de contornos, oferece singular perspectiva, onde se combinam o austero, o pitoresco e o monumental. Galgando as empenas, em perfis muito recortados para o céu, levantam-se quatro chaminés (uma datada de 1612), decoradas e envolvidas por largas barras de esgrafitos de folhagem estilizada que, de igual modo, acompanham em desenho clássico as cornijas e os beirais. São do modelo utilizado nas fachadas do Palácio dos Condes de Basto, de Évora. 

Na face da torre (actual pavilhão coberto por telhado de quatro águas), há vestígios acentuadamente góticos em frestas e em seteiras cruciformes, de recorte militar. As caixas das escadas cocleadas, nesta banda, mostram a ossatura primitiva, rude e do quinhentismo. A mais arcaica janela do paço existe neste lado e revela maior ancianidade, embora construída de materiais pobres. É do tipo rectangular, de arco trilobado, reentrante, com moldura de carena abraçada por cordão contínuo, liso e rematado com três cones ornamentais, de alvenaria. Parece ser obra do período final do reinado de D. João II. A construção do corpo térreo oferece pouco interesse artístico e vê-se perfeitamente que obedeceu ao sentido prático. Na vasta dependência ocidental, de três tramos com abóbadas de barrete de clérigo, as mísulas, bem lavradas, embora singelas, parecem ser coetâneas de D. João III. Talvez não seja a cobertura original. Através de escada helicoidal, que nasce na casa imediata, atinge-se o primeiro andar do corpo nobre, que apenas conserva de notável a sala quadrangular, gótica, com fogão de mármore e tecto polinervado, de trompas e ogivas nascentes de oito mísulas circulares, constituindo impressionante feixe de nervuras chanfradas, enriquecidas por chaves de granito ornadas de lóbulos e temas ideográficos. 

Mede, a dependência, 6,75 x 6,05 m. Daqui nasce a escada de caracol, de 32 degraus, que conduz à última casa, o mutilado terraço de outrora. Nalgumas salas do piso principal, subsistem silhares baixos, de azulejos azuis e brancos, e verdes e brancos, enxadrezados, da 2.ª metade do quinhentismo. A secularizada capela solarenga, constituída na banda meridional, de serventia pública, está contrafortada por quatro torres cilíndricas, no género das de S. Brás, de Évora, protótipo do generalizado estilo provincial em toda a 1.ª metade do séc. XVI. Perdeu, em 1892, os remates cónicos e o campanil de alvenaria, que tanta graça lhe davam. Possui miniatural e curioso portado de arco de carena, com jambas guarnecidas de cogulhos e bases flordelizadas; o interior, de planta rectangular dividido por dois tramos, tem abóbada nervurada ornada de bocetes e mísulas de pedra com os habituais elementos manuelinos e, no pano fundeiro da ousia, vestígios nítidos de uma primitiva composição a fresco, policroma. 

No local conservam-se restos arqueológicos romanos de merecimento, talvez reunidos por D. Francisco de Portugal, 1.° Conde de Vimioso, homem ilustrado e poeta, provenientes do destruído Templo do Deus gentílico CARNEUS, de Santana do Campo. Algumas peças classificadas, encontram-se dispersas pelo Museu de Coimbra e colecção Manisola, do Visconde da Esperança. Escaparam, apenas, estas duas: Grande ara, anepígrafa, de mármore, encostada à galilé, medindo de alto, 1,30 x larg. 0,73 m. Fragmento de lápide de homenagem aos méritos de Cornélio Bocho, de mármore azulado, aplicado no murete da quinta, na face nascente, com a truncada inscrição latina: ...LIO... ...BOCCHO... ...AMPRO INCIRMIL... ...LONIA SCALLABITANA... ...EMÉRITA IN COLÓNIA... Dimensões das fachadas oriental e norte, do edifício, respectivamente: comp. 23,75 m. e 19,90 m. 

BIBL. Gabriel Pereira, Revista Ilustrada, 1890; António Francisco Barata, Évora e seus Arredores, 1904; Aibrecht Haupt, A Arquitectura da Renascença em Portugal; Raul Proença e Reynaldo dos Santos, Guia de Portugal, 2.° 1926, págs. 82-83; Túlio Espanca, Património Artístico do Concelho de Évora, 1957, págs. 107-109. 

Comentários

Afonso Portugal disse…
Foi interessante ver um comentário mais recente sobre o solar da Sempre-Noiva. Saberia me informar se ele se encontra em bom estado de conservação? E ainda se encontra em mão privada? Já encontrei vários comentários que afirmam que o palácio se encontrava em ruinas(?) e em pleno declinio...
Agradecido desde já!
Saudações,
Afonso Portugal
P.S. Sou descendente direto de D. Afonso de Portugal, através de D. Manuel de Portugal e castro (1787-1854), o qual morou no Brasil entre 1808 e 1822 (mas moro atualmnente em Sydney, AUstralia).